O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 114

14

e serviços transacionáveis; que o Governo, no quadro europeu, apoie ativamente e subscreva iniciativas

destinadas a favorecer a competitividade, o crescimento económico e o emprego, em complemento ao Tratado

orçamental».

Sr. Deputado Fernando Medina, pergunto-lhe muito diretamente o seguinte: qual destes pontos merece a

discordância do Partido Socialista?

Entretanto, assumiu a presidência o Sr. Vice-Presidente Ferro Rodrigues.

O Sr. Presidente: — Peço-lhe que conclua, Sr. Deputado.

O Sr. Nuno Reis (PSD): — Termino, Sr. Presidente, com uma recomendação. VV. Ex.as

são naturalmente

livres de passar toda uma discussão sobre o Documento de Estratégia Orçamental mais preocupados com

questões de forma e escusando-se a apresentar propostas concretas e alternativas ao caminho que o País

tem seguido.

Protestos do PS.

VV. Ex.as

são também livres de votarem contra as propostas que, hoje, estão aqui em discussão e de, a

curto prazo, votarem também contra o Orçamento do Estado para 2013, mas terão também, naturalmente, de

assumir as consequências que essa vossa predisposição tática vai ter, em termos da imagem internacional de

Portugal.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente (Ferro Rodrigues): — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado Adolfo

Mesquita Nunes, do CDS-PP.

O Sr. Adolfo Mesquita Nunes (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr. Deputado, há um consenso nos partidos

da maioria relativamente à necessidade de pôr Portugal a crescer. Parece-me que estamos todos de acordo

com isso.

Vozes do CDS-PP: — Exatamente!

O Sr. Adolfo Mesquita Nunes (CDS-PP): — Quando temos de concretizar como é que pomos Portugal a

crescer é que podemos ter as nossas divergências.

Na sua intervenção, ouvi-o referir a agenda para o crescimento, para mais emprego, para mais Europa.

Mas permitir-me-á que lhe diga que aqui cabe todo um conjunto de políticas.

Protestos do PCP.

Não vale a pena insistirmos em que é preciso mais crescimento e mais emprego, precisamos é de saber

quais são as políticas que criam mais crescimento e mais emprego.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Adolfo Mesquita Nunes (CDS-PP): — Agora, durante a sua intervenção, pesquisei no Google,

escrevi «plano» mais nomes de ex-ministros do vosso governo. Foram vários os planos para o crescimento

económico que encontrei, a saber: plano estratégico para o setor têxtil, plano tecnológico da educação,

programa de grandes investimentos em infraestruturas, plano estratégico nacional do turismo, plano

estratégico para a indústria de moldes e ferramentas especiais, programa de modernização do comércio,

programa de apoio aos investimentos na produção de energia, programa de apoio à indústria, plano de

financiamento das SCUT, plano para o Oeste, o aeroporto de Beja, as plataformas logísticas, etc.

Páginas Relacionadas
Página 0015:
26 DE MAIO DE 2012 15 Protestos do PS. São planos socialistas
Pág.Página 15