O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

7 DE JULHO DE 2012

7

Aplausos do BE.

A Sr.ª Presidente: — Para a próxima pergunta, tem a palavra a Sr.ª Deputada Rosa Arezes.

Faça favor, Sr.ª Deputada.

A Sr.ª Rosa Arezes (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Secretário de Estado, Sr.ª Secretária de Estado, Sr.as

e

Srs. Deputados, nos últimos tempos, nos últimos anos, muito se tem falado sobre a degradação da autoridade

dos professores, sobre a indisciplina progressiva nas escolas, enfim, sobre a legislação permissiva que a estes

aspetos diz respeito.

Muito se tem falado, também, sobre a necessidade de implementar uma cultura de disciplina, de exigência,

de promoção do mérito dos alunos, e sobre uma maior responsabilização dos encarregados de educação.

Infelizmente, todas estas preocupações não têm sido plasmadas com força de lei, bem pelo contrário. Fruto de

um conjunto de preconceitos ideológicos, foi-se escorregando para a solução perversa da mediocridade e do

nivelamento por baixo.

Vozes do PSD: — Muito bem!

A Sr.ª Rosa Arezes (PSD): — Neste contexto, apraz-me saudar a recente aprovação, no Conselho de

Ministros, do Estatuto do Aluno e Ética Escolar. Trata-se de um documento que promove, em especial, o

reforço de autoridade dos professores, a responsabilidade, a disciplina, o mérito, a integração e a efetiva

aquisição de conhecimentos e de capacidades.

Outro aspeto decisivo mas que tem dado muito que falar e que, aliás, hoje já foi referido, aqui, nesta

Assembleia, prende-se com a instauração de contraordenações sempre que a gravidade da situação o

justifique.

Sr. Secretário de Estado, como não há direitos sem deveres, gostaria de pedir a V. Ex.ª um esclarecimento:

a quem, em que termos e como vão ser aplicadas estas contraordenações?

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

A Sr.ª Presidente: — Para uma pergunta, tem a palavra o Sr. Deputado Pedro Delgado Alves.

Faça favor, Sr. Deputado.

O Sr. Pedro Delgado Alves (PS): — Sr.ª Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados, Sr. Secretário de Estado,

olhamos para este Estatuto do Aluno e, de facto, não podemos deixar de ver um retrocesso saudosista a

outros tempos, quer na proclamação dos valores nacionais, que aqui já discutimos e que continua a ser uma

incógnita para esta Câmara naquilo em que possam ser diferente de valores que têm carater universal, ou

seja, que valores pátrios que podem estar aqui em cima da mesa e que têm de ser sublinhados, mas também

na opção de colocar a ética na lei, como se a opção do legislador fosse a de determinar comportamentos

éticos e não regular aquilo que devem ser deveres jurídicos, o que também parece um erro, indo mais além

daquilo que é expectável e olhar para o comportamento individual dos alunos e colocar, pela primeira vez, de

forma inaudita, regras quanto à forma como os alunos se devem vestir, se devem apresentar, coartando a

liberdade individual e colocando critérios subjetivos e completamente desfasados do que deve ser uma lei

vocacionada para regular a convivência no contexto escolar.

A Sr.ª Elza Pais (PS): — Uma vergonha!

O Sr. Pedro Delgado Alves (PS): — Mas, mais grave do que isso — já foi sublinhado e volto a colocar a

questão —, é o impacto que a alteração do Estatuto do Aluno terá na ação social escolar, é o impacto que o

Estatuto do Aluno terá na qualidade pedagógica e na capacidade de a escola pública integrar os alunos.

Na nossa perspetiva, olhamos para o Estatuto do Aluno e olhamos para uma realidade de quem não

compreende, de facto, a dinâmica e a lógica de funcionamento da escola pública, que tem de ser inclusiva,

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 131 4 A Sr.ª Presidente: — Sr.as e Srs. Deput
Pág.Página 4
Página 0005:
7 DE JULHO DE 2012 5 escola, designadamente tarefas socialmente úteis na esc
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 131 6 A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Sr.ª Presiden
Pág.Página 6
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 131 8 tem de ter planos que permitam a recuperação d
Pág.Página 8
Página 0009:
7 DE JULHO DE 2012 9 Os professores sabem perfeitamente o que devem fazer em
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 131 10 Consideramos também inaceitável que a exclusã
Pág.Página 10
Página 0011:
7 DE JULHO DE 2012 11 Aplausos do PS. E não podemos dei
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 131 12 A Sr.ª Presidente: — Para apresentar os proje
Pág.Página 12
Página 0013:
7 DE JULHO DE 2012 13 Para intervir, tem a palavra a Sr.ª Deputada Inês Teot
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 131 14 A Sr.ª Inês Teotónio Pereira (CDS-PP): — É im
Pág.Página 14
Página 0015:
7 DE JULHO DE 2012 15 A Sr.ª Maria Ester Vargas (PSD): — Por outro lado, com
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 131 16 educativo, diria, tal como é imperioso dizer
Pág.Página 16
Página 0017:
7 DE JULHO DE 2012 17 No ano passado, quando se chegou ao limite dramático d
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 131 18 Recordo que — e é fácil recordar, até porque
Pág.Página 18
Página 0019:
7 DE JULHO DE 2012 19 É essa a vossa proposta? A nossa proposta não é essa;
Pág.Página 19