O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 3

32

O Sr. Secretário (Abel Baptista): — Sr.ª Presidente e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«No passado dia 2 de setembro, Portugal perdeu mais um grande vulto da sua cultura. Nascido a 31 de

agosto de 1941, em Lisboa, faleceu em Paris, aos 71 anos de idade, o compositor e pedagogo Emmanuel

Nunes, reconhecido em Portugal e em toda a Europa como um dos principais compositores de referência da

sua geração.

Aluno em Portugal de Fernando Lopes-Graça e Francine Benoît, a partir de 1964 exila-se em Paris para

aprofundar a sua aprendizagem e por oposição à ditadura.

Altamente racional nas suas opções estéticas, a sua obra revela um caminho próprio, na senda das

linhagens mais vanguardistas que a Europa trilhou a partir dos Cursos de Darmstadt, na Alemanha, no início

dos anos 60, centro musical onde chegou em busca de conhecimento, entusiasmado pela descoberta da

vanguarda musical que se produzia na Europa central, praticamente desconhecida em Portugal.

Em 1971, obteve o prémio de Estética da Escola Superior do Conservatório Nacional de Música de Paris, e

de 1978 a 1979 é convidado pela DAAD de Berlim como compositor residente.

Inicia a sua carreira como pedagogo, em 1974, na Universidade de Pau, em França, e leciona na Escola

Superior de Freiburg, em Breisgau, Alemanha, na Escola Superior do Conservatório Nacional de Música de

Paris e em Harvard, entre outros locais. Entre 1988 e 2007, trabalhou regularmente com o IRCAM (Institut de

Recherche et Coordination Acoustique/Musique) de Paris, fundada por Pierre Boulez.

O seu destino como compositor ficou marcado pelo debate estético e pela reflexão intelectual em torno dos

caminhos da linguagem musical que foi beber em Pierre Boulez, Henri Pousseur e Karlheinz Stockhausen,

tendo sido ele próprio um interventor direto dos caminhos da música erudita ocidental a partir do final da

década de 70.

Consciente da revolução estética que pode representar o recurso às novas tecnologias, Emmanuel Nunes

interessa-se particularmente pelo aspeto “orgânico” da obra, misturando criatividade e conhecimento científico,

e dando assim corpo ao que muitos consideraram um “pensamento musical luxuriante”.

Os primeiros concertos da obra de Emmanuel Nunes têm lugar na Fundação Gulbenkian em Lisboa, em

1970 e 1971, mas a notoriedade vem com a estreia de Ruf, encomendada pela Fundação Calouste

Gulbenkian e estreada em 1977 no Festival de Donaueschingen, que marcaria a entrada de Emmanuel Nunes

na cena internacional.

Nachmusik, Machina Mundi, Lichtung, Quodlibet, são alguns dos títulos incontornáveis da sua vasta

produção musical, que trilhou sempre um caminho difícil num universo próprio e num projeto estético pessoal,

marcado pelo fascínio com as possibilidades proporcionadas pela tecnologia e pela informática, pela

integração da eletrónica em tempo real no efeito sonoro, e, em particular, pela distribuição espacial das fontes

sonoras.

Ao longo das décadas de 80 e 90, do século passado, a sua obra foi passando a constar do repertório dos

agrupamentos mais importantes de música contemporânea mundial, como o Ensemble Modem ou o Ensemble

Intercontemporain, e apresentada em salas e festivais de todo o mundo, como o de Paris, Edimburgo,

Bruxelas ou Zurique.

A obra vasta que deixou aborda inúmeros géneros — do solo instrumental ao gigantismo sinfónico,

passando por inúmeras combinações de câmara e de conjunto, pela escrita vocal, solista a cappella ou coral-

instrumental, pela ópera e pela música eletrônica, cujos territórios explorou sistematicamente e para cujo

desenvolvimento estético deixou um contributo internacionalmente reconhecido.

Ao longo de quase quatro décadas, Emmanuel Nunes nunca deixou de estar próximo de Portugal e do seu

universo musical. Manteve presença regular nas programações das principais instituições culturais

portuguesas, quer através da Fundação Calouste Gulbenkian — que lhe encomendou grande parte da sua

obra, a apresentou ao longo das várias temporadas e apoiou a sua internacionalização —, quer através da

Casa da Música e do agrupamento Remix ou, ainda, do Teatro Nacional de São Carlos, que lhe encomendou

e apresentou, em 2007, a sua única ópera, Das Marchen.

Em Portugal, marca uma geração de jovens compositores que com ele contactaram e que sob a sua

orientação se abriram a horizontes estéticos de grande complexidade e de especificidade própria, sem

paralelo nas correntes estéticas nacionais.

De si próprio e do seu trabalho diz: ‘é mais importante saber o que não quero, do que o que quero’.

Páginas Relacionadas
Página 0035:
22 DE SETEMBRO DE 2012 35 Srs. Deputados, prosseguimos as votações de acordo com o
Pág.Página 35