O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

28 DE SETEMBRO DE 2012

5

… um gigante, um penedo que está no obstáculo da viagem épica que ele próprio e a sua maioria estão a

fazer, não sei para que profundezas do inferno!? —, deixo este repto: é preciso esclarecer os portugueses, é

preciso um sobressalto cívico.

O Sr. Francisco Louçã (BE): — Muito bem!

O Sr. Luís Fazenda (BE): — A direita não pode manter silêncio. O Primeiro-Ministro não pode continuar a

tentar enganar os portugueses, manipular a informação, não enfrentar decisivamente aquilo que foi o seu erro

político, aquilo que é o erro da sua política económica.

Nós pretendemos esclarecimentos. Este é o tempo e o momento de obter esses esclarecimentos.

Aplausos do BE.

A Sr.ª Presidente: — Para pedir esclarecimentos, inscreveu-se o Sr. Deputado Bernardino Soares, do

PCP.

Sr. Deputado, tem a palavra.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Sr.ª Presidente, Sr. Deputado Luís Fazenda, queria saudá-lo pela sua

intervenção, uma intervenção sobre este «segredo de polichinelo» do que vai acontecer, quando já sabemos

— e o Sr. Deputado disse-o — que o que vai acontecer é que o Governo vai querer tirar aos mesmos do

costume e, se não rouba do bolso direito, rouba do bolso esquerdo, mas a proveniência é exatamente a

mesma.

Queria também salientar que, pelo segundo dia consecutivo, as declarações políticas que foram feitas —

ontem, pelo PCP e hoje, pelo Bloco de Esquerda —, de crítica ao Governo, não mereceram nenhuma defesa

do Governo por parte da maioria. E isto não é um sinal de sobranceria ou de qualquer arrogância — isso seria

errado —, é um sinal de fraqueza,…

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Exatamente!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — … é um sinal em que, na maioria, já ninguém pede a palavra para

defender o Governo dos ataques dos partidos da oposição que consequentemente têm denunciado a

gravidade desta política.

Não é um silêncio de inocentes, é um silêncio de culpados!

Vozes do PCP: — Ora bem!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Culpados pela situação em que estamos e que não querem, agora,

dar a cara para defender o caminho por onde nos querem levar!

Vozes do PCP: — Muito bem!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Sr. Deputado Luís Fazenda, ainda não sabemos qual é o mecanismo

que vai continuar a roubar, aos portugueses, aos trabalhadores, aquilo que é deles por direito, enquanto outros

continuam a beneficiar de luxuosos benefícios.

Mas há um outro mecanismo sobre o qual, hoje, já tivemos notícias do Conselho de Ministros: o País vai ter

de orçamentar 2000 milhões de euros para transferir para o Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira.

Vejam bem! Afinal, há dinheiro para algumas coisas!… Provavelmente, o dinheiro que vai ser retirado dos

salários e das reformas dos trabalhadores!!

Aplausos do PCP.

A Sr.ª Presidente: — Sr. Deputado Luís Fazenda, tem a palavra para responder.

Páginas Relacionadas