O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 9

16

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Sr.ª Presidente, Sr.as

Secretárias de Estado, Sr.as

e Srs.

Deputados: Privatizar, privatizar e privatizar — esta é a palavra de ordem do Governo PSD/CDS-PP, que

ainda por cima diz não ter uma agenda ideológica.

E para grande prejuízo dos portugueses, que assistem ao mais completo esvaziamento do nosso

património coletivo, o Governo avança sem olhar para trás e prepara-se para privatizar mais um conjunto de

empresas estratégicas.

Do outro lado, estão os do costume, os grandes grupos económicos, impacientes, à espera que o Governo

proceda à abertura do leilão ou «atire os rebuçados ao ar».

Transportes, EMEF, CTT, TAP, ANA, RTP, Estaleiros Navais de Viana do Castelo, nada escapa a esta

onda de privatizações, que põe tudo o que é de todos nas mãos de uns poucos — uma pouca-vergonha!

Nem mesmo a água escapa à gula dos grandes interesses. E quando falamos da água, convirá recordar

que estamos a falar de um bem que, pela sua própria natureza e por tudo aquilo que representa, não pode ser

gerido em função de critérios de lucro e de distribuição de dividendos por acionistas mas, sim, numa lógica

que atenda às necessidades das populações.

Mas, com este Governo PSD/CDS-PP, os interesses das populações ou a garantia do serviço público de

rádio e televisão assumem pouco valor, porque valores mais altos se levantam. Pelos vistos, os interesses dos

grandes grupos económicos, que este Governo tanto tem protegido, continuam a falar mais alto do que o

interesse público.

Como quem «atira terra para os olhos dos portugueses», o Governo vem falar da necessidade de melhorar

a competitividade das empresas. Competitividade das empresas?! Mas o Governo andará a dormir? Afinal,

onde está a competitividade dos setores que foram objeto de privatizações, no passado?

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Verdade!

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Onde está a competitividade do setor financeiro, do setor elétrico

ou do setor dos combustíveis?

No acesso ao crédito, estamos pior, muito pior. Na eletricidade e nos combustíveis, as famílias e as

pequenas e médias empresas estão hoje a pagar a eletricidade e os combustíveis mais caros da Europa —

pagam muito mais hoje do que pagavam quando essas empresas pertenciam ao setor público. Afinal, onde

está a melhoria da competitividade? E aqui, Sr.ª Secretária de Estado, deixo-lhe já a primeira pergunta: onde

está a melhoria da competitividade com as privatizações?

Depois, o Governo fala da redução da dívida pública. E aqui, de duas, uma: ou o Governo anda mesmo a

dormir, ou não sabe fazer contas. Então, o Governo não percebe que a dívida aumenta ao ritmo do volume

das privatizações? Não percebe que, quanto mais privatiza, mais aumenta a dívida?

De facto, o Governo, se soubesse fazer contas, haveria de perceber que os lucros das empresas que foram

privatizadas no passado, como a EDP, a GALP, a PT, a REN ou a Brisa, contribuíram, durante anos e anos,

com fortes e gordas receitas para o Orçamento do Estado. E aqui fica a segunda pergunta, Sr.ª Secretária de

Estado: é verdade ou não que a privatização dessas empresas, no passado, contribuiu decisivamente para o

agravamento do défice orçamental e do nosso défice externo?

Por fim, uma última questão relativa à Caixa Geral de Depósitos. O Sr. Primeiro-Ministro, num dos últimos

debates quinzenais, afirmou neste Plenário o seguinte: «No dia em que o Governo tiver de anunciar alguma

coisa relevante sobre a Caixa Geral de Depósitos, não deixará de o fazer».

Sr.ª Secretária de Estado, esse dia é hoje? Há alguma coisa relevante para nos dizer sobre o processo de

privatização da Caixa Geral de Depósitos?

Já agora, Sr.ª Secretária de Estado, confirma as notícias de que o Governo terá contratado a Deloitte para

avaliar a Caixa Geral de Depósitos, no quadro da sua privatização?

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Muito bem!

A Sr.ª Presidente: — A próxima intervenção é da Sr.ª Secretária de Estado do Tesouro e das Finanças.

Tem a palavra, Sr.ª Secretária de Estado.

Páginas Relacionadas
Página 0031:
11 DE OUTUBRO DE 2012 31 estratégia assente no interesse nacional. Mas também aqui,
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 9 32 com especial ênfase os rendimentos de capital e
Pág.Página 32
Página 0033:
11 DE OUTUBRO DE 2012 33 Acresce que, com o presente diploma, as transferências par
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 9 34 O Sr. Paulo Sá (PCP): — Mas há uma outra
Pág.Página 34
Página 0035:
11 DE OUTUBRO DE 2012 35 Acautelou o Governo a possibilidade de os sujeitos passivo
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 9 36 Pergunto ainda se, do ponto de vista orçamental
Pág.Página 36
Página 0037:
11 DE OUTUBRO DE 2012 37 forma muito severa esse tipo de rendimentos e esse tipo de
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 9 38 Percebemos a dificuldade. Para quem começa a fa
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE OUTUBRO DE 2012 39 A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Não registando a Mesa
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 9 40 A banca e o sistema financeiro, que estiveram n
Pág.Página 40
Página 0041:
11 DE OUTUBRO DE 2012 41 A Sr.ª Hortense Martins (PS): — Ainda hoje, todos nós, Dep
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 9 42 O Sr. Luís Fazenda (BE): — É pouco!
Pág.Página 42
Página 0043:
11 DE OUTUBRO DE 2012 43 e por uma razão ou por outra, designadamente por falta de
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 9 44 sensivelmente 100 milhões de euros e a tributaç
Pág.Página 44
Página 0045:
11 DE OUTUBRO DE 2012 45 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr.ª Presidente, Srs. Me
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 9 46 O Sr. Pedro Nuno Santos (PS): — Sr.ª Presidente
Pág.Página 46