O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 9

22

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Devo dizer que é estranho que, num debate com esta importância — as

privatizações são, de facto, uma realidade e uma oportunidade —, o Partido Socialista, que o agendou

potestativamente, venha discutir matérias que constavam do PEC 4, que constavam do Programa do Governo

do Partido Socialista, que constam de afirmações de ex-ministros e que, pelos vistos, até constam de

declarações políticas feitas na Assembleia da República.

Mais grave do que isso, o Partido Socialista poderia aqui dizer que, estando a favor da oportunidade que

são as privatizações, ainda assim encontrou faltas de transparência, e eu pergunto aos Srs. Deputados do

Partido Socialista: podem indicar um caso de falta de transparência nas privatizações que ocorreram?

Poderiam vir dizer que havia falhas na regulação, e eu pergunto: podem dar um exemplo de deficiências ou de

falha na regulação e, já agora, sugestões para corrigir essas falhas, para melhorar os mecanismos de controlo,

da parte do Estado?

Podem aqui vir dizer que houve privatizações que ficaram aquém ou que extrapolaram o Programa do

Governo e o que foi assumido pelo Governo, mas esquecem que o sucesso, reconhecido por todos, nas

privatizações já feitas e a clareza com que a própria Assembleia discutiu todas as privatizações até agora —

no caso da Cimpor, recordo que a Assembleia, a maioria aprovou todos os pedidos da bancada do Partido

Socialista para ouvir todos os intervenientes, as vezes que fossem necessárias, para que não restassem

dúvidas sobre o processo.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Exatamente!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Penso que, nesta matéria, a transparência e o rigor são fundamentais.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Devo dizer que, para o CDS, como é óbvio, as privatizações são uma

oportunidade, como aqui ficou demonstrado. É algo de que não devemos ter medo!

O Sr. Bruno Dias (PCP): — Ah, são, são!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Caro Bruno Dias, empresas saudáveis economicamente são boas para

os trabalhadores, são excelentes para o serviço que prestam a quem delas precisa e são ainda melhores para

o contribuinte, porque é uma forma de evitar que os contribuintes sejam chamados a fazer um esforço para

capitalizar empresas,…

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Exatamente!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — … para suprir e para manter serviços que, quase sempre, ou são

deficitários ou provocam grandes desigualdades. Hoje temos contribuintes generalizados pelo País fora de

empresas que prestam serviços, nomeadamente nos transportes, em partes e não no todo do País.

Vozes do CDS-PP: — É o País inteiro a pagar para Lisboa!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Devo dizer, como já foi dito, e bem, que o facto de estarmos hoje a

potenciar e a exportar marcas portuguesas, know-how português tem um efeito exponencial nas economias

locais e regionais, porque são pequenas e médias empesas, são microempresas que fornecem serviços e que

aproveitam para criar emprego, para criar riqueza, para fixar populações, para combater o despovoamento.

Tem um efeito gerador na economia bastante mais positivo.

É fundamental que o Estado cumpra o seu papel de regulador, de defensor do que devem ser os serviços

públicos essenciais. Mas nem aí assistimos, da parte da bancada do Partido Socialista, a uma crítica, um

exemplo de que um serviço terá sido posto em causa. De resto, também não podiam, porque tudo o que este

Governo está a executar, e está a fazê-lo com mérito, certeza e rigor, corresponde, no fundo, a ideias e

propostas do Partido Socialista.

Páginas Relacionadas
Página 0031:
11 DE OUTUBRO DE 2012 31 estratégia assente no interesse nacional. Mas também aqui,
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 9 32 com especial ênfase os rendimentos de capital e
Pág.Página 32
Página 0033:
11 DE OUTUBRO DE 2012 33 Acresce que, com o presente diploma, as transferências par
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 9 34 O Sr. Paulo Sá (PCP): — Mas há uma outra
Pág.Página 34
Página 0035:
11 DE OUTUBRO DE 2012 35 Acautelou o Governo a possibilidade de os sujeitos passivo
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 9 36 Pergunto ainda se, do ponto de vista orçamental
Pág.Página 36
Página 0037:
11 DE OUTUBRO DE 2012 37 forma muito severa esse tipo de rendimentos e esse tipo de
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 9 38 Percebemos a dificuldade. Para quem começa a fa
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE OUTUBRO DE 2012 39 A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Não registando a Mesa
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 9 40 A banca e o sistema financeiro, que estiveram n
Pág.Página 40
Página 0041:
11 DE OUTUBRO DE 2012 41 A Sr.ª Hortense Martins (PS): — Ainda hoje, todos nós, Dep
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 9 42 O Sr. Luís Fazenda (BE): — É pouco!
Pág.Página 42
Página 0043:
11 DE OUTUBRO DE 2012 43 e por uma razão ou por outra, designadamente por falta de
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 9 44 sensivelmente 100 milhões de euros e a tributaç
Pág.Página 44
Página 0045:
11 DE OUTUBRO DE 2012 45 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr.ª Presidente, Srs. Me
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 9 46 O Sr. Pedro Nuno Santos (PS): — Sr.ª Presidente
Pág.Página 46