O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 9

30

O Sr. Mota Andrade (PS): — Sr.ª Presidente, Sr.ª Secretária de Estado do Tesouro e das Finanças, Sr.ª

Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Sr.as

e Srs. Deputados: Em boa hora, o

Partido Socialista agendou este debate de urgência em torno do tema das privatizações.

Este é um assunto com importância fulcral para o País, sobretudo porque interage com a salvaguarda dos

interesses estratégicos de Portugal e, nessa medida, exige, da parte do Governo, um tratamento exemplar, em

termos de rigor e de transparência, e da parte da Assembleia da República um acompanhamento permanente.

Infelizmente, também neste domínio o Governo acumula falhanços e prefere a opacidade à transparência.

Com efeito, é absolutamente inaceitável que, tendo decorrido a quinta avaliação da troica a Portugal, os

portugueses continuem sem conhecer os resultados da mesma, assim como os compromissos assumidos em

matéria de programa de privatizações. E o Governo perdeu hoje mais uma oportunidade de esclarecer os

portugueses sobre o programa de privatizações, a sua extensão, os seus impactos na economia portuguesa,

bem como as condições de defesa do interesse nacional.

Mas, mais grave do que tudo isso, como ficou bem demonstrado ao longo deste debate, é a condução de

todo o processo de privatizações levado a cabo por este Governo, que não tem em conta o interesse nacional.

A falta de regulamentação, a legislação que o Governo não providenciou levou a que negócios do Estado

fossem confundidos com negócios do Governo, e só do Governo.

Aplausos do PS.

Perdoem-me, mas só do Governo não, porque foi nomeado um ministro extranumerário para tratar do

negócio das privatizações e, por aquilo que podemos observar, com poderes plenipotenciários. Sim, Sr.ª

Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados, o que se passa e que todos os portugueses verificam é que a ação do

Prof. António Borges não cabe e não é aceitável num Estado de direito. A pergunta que todos fazem é o

porquê desta decisão, que passa ao lado de todo e qualquer controlo democrático.

Aplausos do PS.

Como é que alguém que exerce funções em instituições privadas, que não foi sufragado nem direta nem

indiretamente pelos portugueses, pode ficar à frente de um processo de privatizações que mexe com toda a

estrutura económica do País e que põe em causa o futuro dos portugueses?!

O Sr. Jorge Fão (PS): — Muito bem!

O Sr. Mota Andrade (PS): — Um processo que tem passado por completo ao lado do escrutínio desta

Assembleia da República, a qual deveria ter um controlo, a todo o tempo, das privatizações que estão a ser

levadas a cabo.

Mas, sendo, já de si, a situação insólita, nem esse ministro extranumerário nem o Governo informaram os

portugueses de quais os estudos, de quais as assessorias técnicas e dos custos associados às mesmas e de

quais os critérios que presidiram à venda dos importantes ativos nacionais.

O Sr. Carlos Zorrinho (PS): — Muito bem!

O Sr. Mota Andrade (PS): — Também aqui, na contratação dessas assessorias, a falta de transparência e

a opacidade foram uma constante na celebração de tais contratos. Sim, ainda neste momento

desconhecemos, por completo, qual a modalidade de contratação pública que foi utilizada pelo Estado para

tais contratações. Aquilo que todos sentimos é que nada está no domínio público e, aqui, mais uma vez,

reafirmo, falamos de negócios do Estado e não de negócios do Governo.

Aplausos do PS.

Pelos compromissos assumidos internacionalmente pelo Estado português, as privatizações têm de ser

levadas a efeito, mas respeitando sempre, sempre, os ditames da transparência e condicionadas a uma

Páginas Relacionadas
Página 0031:
11 DE OUTUBRO DE 2012 31 estratégia assente no interesse nacional. Mas também aqui,
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 9 32 com especial ênfase os rendimentos de capital e
Pág.Página 32
Página 0033:
11 DE OUTUBRO DE 2012 33 Acresce que, com o presente diploma, as transferências par
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 9 34 O Sr. Paulo Sá (PCP): — Mas há uma outra
Pág.Página 34
Página 0035:
11 DE OUTUBRO DE 2012 35 Acautelou o Governo a possibilidade de os sujeitos passivo
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 9 36 Pergunto ainda se, do ponto de vista orçamental
Pág.Página 36
Página 0037:
11 DE OUTUBRO DE 2012 37 forma muito severa esse tipo de rendimentos e esse tipo de
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 9 38 Percebemos a dificuldade. Para quem começa a fa
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE OUTUBRO DE 2012 39 A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Não registando a Mesa
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 9 40 A banca e o sistema financeiro, que estiveram n
Pág.Página 40
Página 0041:
11 DE OUTUBRO DE 2012 41 A Sr.ª Hortense Martins (PS): — Ainda hoje, todos nós, Dep
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 9 42 O Sr. Luís Fazenda (BE): — É pouco!
Pág.Página 42
Página 0043:
11 DE OUTUBRO DE 2012 43 e por uma razão ou por outra, designadamente por falta de
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 9 44 sensivelmente 100 milhões de euros e a tributaç
Pág.Página 44
Página 0045:
11 DE OUTUBRO DE 2012 45 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr.ª Presidente, Srs. Me
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 9 46 O Sr. Pedro Nuno Santos (PS): — Sr.ª Presidente
Pág.Página 46