O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 9

42

O Sr. Luís Fazenda (BE): — É pouco!

O Sr. Fernando Virgílio Macedo (PSD): — Espero que os partidos da oposição tenham a coragem de

reconhecer a relevância e a justiça subjacente a estas medidas e de as aprovar. Ou será que vão dizer que

são insuficientes? Que são pouco relevantes? Que têm pouco impacto?

Finalmente, esta proposta de lei reforça o regime aplicável a manifestações de fortuna dos sujeitos

passivos de IRS, reduzindo o diferencial de 50% para 30% entre as manifestações de fortuna e os

rendimentos declarados em sede de IRS.

O combate à fraude e à evasão fiscais foi, desde a primeira hora, uma prioridade deste Governo. Esta

proposta é mais uma prova dessa prioridade, mas também não podemos esquecer outras manifestações

desse compromisso, como são os acordos que têm sido realizados com autoridades tributárias de outros

países no sentido da troca de informações fiscais relevantes que permitam detetar de forma mais célere uma

qualquer fraude ou evasão fiscal.

Também aqui os partidos da oposição têm feito ouvir-se muito pouco ou quase nada. Era bonito

reconhecerem que, por exemplo, foi este Governo que conseguiu um acordo histórico com as autoridades

tributárias suíças para a troca de informações fiscais de carácter relevante; mas não, preferem a omissão ou o

esquecimento desse reconhecimento no seu discurso politico.

Uma oposição séria e responsável deve ter o papel de criticar, e muito bem, os atos governativos com os

quais não concorda, ou tem reservas de carácter ideológico, mas também era importante ter a cultura

democrática de apoiar e reconhecer a implementação de medidas que vão ao encontro das suas convicções,

mas que muitas vezes julgam ser convicções da sua exclusividade.

Vozes do PSD: — Muito bem!

O Sr. Fernando Virgílio Macedo (PSD): — Sr.as

e Srs. Deputados, falemos a verdade aos portugueses ou,

melhor, continuemos a dizer a verdade!

A conjuntura económico-financeira do nosso País continua a ser difícil, o caminho continua a ser tortuoso,

mas tenhamos a coragem de dizer que podemos ter a esperança de um horizonte melhor. Digamos sem medo

aos portugueses que, sem os sacrifícios presentes, pura e simplesmente não teremos esse desejado

horizonte. Cabe ao Governo fazer tudo o que está ao seu alcance para dar esse horizonte de esperança aos

portugueses. Essa esperança exige que o Governo tenha sempre sentido de responsabilidade na sua ação

governativa e exige coragem para implementar as medidas necessárias para termos um futuro coletivo melhor.

Conforme o Sr. Ministro das Finanças afirmou, «a responsabilidade política é o caminho que assegura o

futuro de Portugal». É sobretudo isso que deveremos exigir ao Governo — responsabilidade — e que esta seja

sempre guiada pela justiça e pela equidade.

Os portugueses não nos perdoariam, a nós, classe política, sem qualquer exceção partidária, qualquer falta

de responsabilidade que desperdiçasse todo o caminho já percorrido de recuperação da nossa credibilidade

internacional.

A credibilidade e a confiança levam tempo a construir, mas estamos a conseguir com o esforço de todos.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado João Pinho de

Almeida.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Sr.ª Presidente, Sr.ª Secretária de Estado dos Assuntos

Parlamentares e da Igualdade, Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Sr.as

e Srs. Deputados: A

consolidação orçamental deve fazer-se, como já o dissemos hoje aqui, em primeiro lugar, do lado da despesa,

portanto cortando despesa — e sobre isso o Governo tem para apresentar resultados da execução orçamental

deste ano —, em segundo lugar, por alargamento da base tributária conseguindo, designadamente através do

combate à fraude e à evasão fiscais, a receita de quem deve pagar, de quem deve cumprir as suas obrigações

Páginas Relacionadas
Página 0031:
11 DE OUTUBRO DE 2012 31 estratégia assente no interesse nacional. Mas também aqui,
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 9 32 com especial ênfase os rendimentos de capital e
Pág.Página 32
Página 0033:
11 DE OUTUBRO DE 2012 33 Acresce que, com o presente diploma, as transferências par
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 9 34 O Sr. Paulo Sá (PCP): — Mas há uma outra
Pág.Página 34
Página 0035:
11 DE OUTUBRO DE 2012 35 Acautelou o Governo a possibilidade de os sujeitos passivo
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 9 36 Pergunto ainda se, do ponto de vista orçamental
Pág.Página 36
Página 0037:
11 DE OUTUBRO DE 2012 37 forma muito severa esse tipo de rendimentos e esse tipo de
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 9 38 Percebemos a dificuldade. Para quem começa a fa
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE OUTUBRO DE 2012 39 A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Não registando a Mesa
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 9 40 A banca e o sistema financeiro, que estiveram n
Pág.Página 40
Página 0041:
11 DE OUTUBRO DE 2012 41 A Sr.ª Hortense Martins (PS): — Ainda hoje, todos nós, Dep
Pág.Página 41
Página 0043:
11 DE OUTUBRO DE 2012 43 e por uma razão ou por outra, designadamente por falta de
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 9 44 sensivelmente 100 milhões de euros e a tributaç
Pág.Página 44
Página 0045:
11 DE OUTUBRO DE 2012 45 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr.ª Presidente, Srs. Me
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 9 46 O Sr. Pedro Nuno Santos (PS): — Sr.ª Presidente
Pág.Página 46