O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

11 DE OUTUBRO DE 2012

5

Importa, por isso, perguntar: tem o Governo, nestas circunstâncias, condições para garantir a defesa do

interesse nacional na alienação de um ativo estratégico tão importante como é a TAP? Esta é uma questão

que queremos ver hoje aqui respondida, sem tibiezas, pela Sr.ª Secretária de Estado.

A privatização da TAP está, aliás, a ser feita sem que se conheça quem é ou se há comissão de

acompanhamento, que devia haver, de acordo com as recomendações do Conselho de Prevenção da

Corrupção. O mesmo acontece com os Estaleiros Navais de Viana do Castelo, e queremos saber se o

Governo ponderou, na privatização da TAP, o papel âncora que esta empresa tem na economia portuguesa.

A transparência das privatizações é fundamental. Deve ser avaliada no plano dos resultados, no plano das

metodologias, mas também no plano dos processos.

Há, por isso, um terceiro exemplo de falta de transparência que quero aqui sublinhar: em 9 de Março deste

ano, o Grupo Parlamentar do Partido Socialista dirigiu ao Sr. Ministro de Estado e das Finanças — julgo que à

Sr.ª Secretária de Estado — as seguintes perguntas, relativas aos processos de privatização da REN e da

EDP.

A primeira pergunta: quais foram os critérios que estiveram na base da escolha das assessorias

financeiras, jurídicas ou outras, contratadas no âmbito dos processos de privatização da EDP e da REN?

A segunda pergunta: quem são as pessoas coletivas ou singulares selecionadas ou contratadas para

prestar as referidas assessorias ou para realizar estudos ou outras atividades relacionadas com o processo de

privatização da EDP e da REN?

A terceira pergunta: qual a modalidade de contratação pública que foi utilizada pelo Estado para a

realização das referidas contratações?

A quarta pergunta: que montantes foram pagos a cada uma das pessoas contratadas, a título de honorários

ou de prestações de serviços?

Srs. Deputados, Sr.ª Secretária de Estado: Passaram sete meses e ainda não obtivemos qualquer

resposta. Estamos certos de que, face a esta interpelação, o Governo se preparou e nos vai responder neste

debate. Seria incompreensível se o não fizesse.

Queremos respostas claras. A opacidade não é compatível com o esforço que está a ser pedido a todos os

portugueses. O Governo tem feito tudo para dinamitar os consensos fundamentais na sociedade portuguesa.

Infelizmente, a forma como o tem vindo a gerir as privatizações e a anunciar a sua extensão são mais uma

forma de dividir os portugueses em vez de os unir.

As privatizações não são negócios do Governo, qualquer que ele seja. São políticas de interesse geral, em

que o rigor tem de estar sempre presente. É rigor, rigor e transparência, o que esperamos do Governo na

resposta às questões que motivam esta interpelação.

Aplausos do PS.

A Sr.ª Presidente: — Segundo o modelo do debate, a próxima intervenção cabe ao Governo, que dispõe

do mesmo tempo que o utilizado pelo anterior orador.

Tem a palavra a Sr.ª Secretária de Estado do Tesouro e das Finanças.

A Sr.ª Secretária de Estado do Tesouro e das Finanças (Maria Luís Albuquerque): — Sr.ª Presidente,

Sr.as

e Srs. Deputados: O Memorando de Entendimento sobre as condicionalidades de política económica,

assinado em 17 de maio de 2011, determinou que se avançasse com um programa extenso de privatizações.

De resto, a intenção de captar investidores privados para um conjunto relevante de empresas nacionais consta

também do Programa do Governo.

O plano para o período que decorre até 2013 abrange diversos setores: transportes e infraestruturas (a

ANA — Aeroportos de Portugal, a TAP e a CP Carga), energia (a EDP e a REN), comunicações (os Correios

de Portugal) e a área seguradora, indiretamente, através da área da Caixa Seguros.

O plano tem como objetivo traçado um encaixe financeiro de cerca de 5500 milhões de euros, até ao seu

final, com alienação parcial ou total de várias destas empresas, objetivo que foi já alcançado em 60%, com os

dois primeiros processos de privatização. Acreditamos que o objetivo traçado será superado no final do

processo.

Páginas Relacionadas
Página 0031:
11 DE OUTUBRO DE 2012 31 estratégia assente no interesse nacional. Mas também aqui,
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 9 32 com especial ênfase os rendimentos de capital e
Pág.Página 32
Página 0033:
11 DE OUTUBRO DE 2012 33 Acresce que, com o presente diploma, as transferências par
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 9 34 O Sr. Paulo Sá (PCP): — Mas há uma outra
Pág.Página 34
Página 0035:
11 DE OUTUBRO DE 2012 35 Acautelou o Governo a possibilidade de os sujeitos passivo
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 9 36 Pergunto ainda se, do ponto de vista orçamental
Pág.Página 36
Página 0037:
11 DE OUTUBRO DE 2012 37 forma muito severa esse tipo de rendimentos e esse tipo de
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 9 38 Percebemos a dificuldade. Para quem começa a fa
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE OUTUBRO DE 2012 39 A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Não registando a Mesa
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 9 40 A banca e o sistema financeiro, que estiveram n
Pág.Página 40
Página 0041:
11 DE OUTUBRO DE 2012 41 A Sr.ª Hortense Martins (PS): — Ainda hoje, todos nós, Dep
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 9 42 O Sr. Luís Fazenda (BE): — É pouco!
Pág.Página 42
Página 0043:
11 DE OUTUBRO DE 2012 43 e por uma razão ou por outra, designadamente por falta de
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 9 44 sensivelmente 100 milhões de euros e a tributaç
Pág.Página 44
Página 0045:
11 DE OUTUBRO DE 2012 45 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr.ª Presidente, Srs. Me
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 9 46 O Sr. Pedro Nuno Santos (PS): — Sr.ª Presidente
Pág.Página 46