O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

31 DE OUTUBRO DE 2012

33

O Fundo Monetário Internacional, no documento da quinta avaliação — é público —, já disse que o

Governo tem um plano B, que o Governo tem outras medidas preparadas para o caso de o Orçamento

derrapar, como derrapou o deste ano.

O Sr. Ministro das Finanças não quer falar deste tema, foge dele como o diabo foge da cruz, mas o Sr.

Primeiro-Ministro e o Governo devem uma explicação ao País. O senhor e o seu Governo têm de respeitar os

portugueses, têm de respeitar o Parlamento e têm de dizer aqui, em Portugal, o que andam a combinar lá fora

com o Fundo Monetário Internacional. Os portugueses têm o direito de saber que medidas adicionais são

essas, que novos cortes, que mais assaltos fiscais é que os senhores estão a preparar para 2013.

O Sr. Primeiro-Ministro não tem o direito de fugir a esta pergunta, não tem o direito de ocultar a verdade

aos portugueses.

Aplausos do PCP.

A Sr.ª Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado João Semedo, pelo Bloco de Esquerda.

O Sr. João Semedo (BE): — Sr.ª Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, o problema do País, ao contrário do

que o senhor tem dito e afirmado, não está no Estado, na dimensão e nas funções do Estado, e não está

também na despesa pública.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Ai não?!

O Sr. João Semedo (BE): — O problema do País está na dívida que asfixia o País, que asfixia o bolso dos

portugueses, que asfixia a nossa economia e que derrete toda e qualquer receita pública que o Estado consiga

obter.

A Sr.ª Ana Drago (BE): — Muito bem!

O Sr. João Semedo (BE): — Não é o Estado que está «gordo», é a dívida e os juros que não param de

«engordar», à custa da economia do País e à custa do bolso dos portugueses.

Este Orçamento do Estado faz o maior aumento de sempre dos impostos, promove, ao mesmo tempo, o

maior corte na despesa pública de que há memória nas contas do nosso País e o Sr. Primeiro-Ministro, que

acaba de apresentar o Orçamento, que ainda não aprovou o Orçamento, já nos vem dizer que não bastam

estes cortes.

Mas ouvi-o com atenção, porque o Sr. Primeiro-Ministro, ao mesmo tempo que diz que precisamos ir mais

longe, que precisamos de 4000 milhões de euros de cortes na despesa pública, também é o mesmo Primeiro-

Ministro que acabou de dizer, na intervenção inicial, que não é possível cortar mais. E qual é a resposta que

dá a esta impossibilidade? É a famosa refundação do Estado.

Sr. Primeiro-Ministro, nós não nos enganamos: refundar o Estado, nas suas palavras e na sua conceção,

significa afundar o Estado social, não tem outra alternativa.

A Sr.ª Ana Drago (BE): — Exatamente!

O Sr. João Semedo (BE): — Aliás, Sr. Primeiro-Ministro, essa não é uma ideia que tenha surgido agora,

nem é uma ideia que decorra das necessidades do programa de ajustamento, das necessidades do equilíbrio

das contas públicas e das necessidades do financiamento da economia.

Eu podia citar muitas expressões suas, muitas frases suas, muitos pensamentos seus sobre esta matéria,

mas quero citar apenas uma, ainda recente, de 2010, ainda o senhor não era Primeiro-Ministro, era candidato

à liderança do PSD. Dizia, então, o Dr. Pedro Passos Coelho: «Chegámos ao fim da linha do reforço das

políticas de correção de equidade nas políticas públicas do País». Isto é exatamente o que o senhor está hoje

a dizer que vai fazer.

Mas queria dizer-lhe o seguinte, Sr. Primeiro-Ministro: primeiro, o senhor não tem nenhuma legitimidade

política para reduzir o perímetro, o âmbito e as funções do Estado, não tem nenhuma legitimidade política para

Páginas Relacionadas
Página 0029:
31 DE OUTUBRO DE 2012 29 O Sr. António José Seguro (PS): — … e também sabem que o P
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 18 30 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Então
Pág.Página 30