O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 19

48

aqui esta semana, uma verdadeira máquina de fazer pobres. Um Orçamento em que se comprova que, com

este caminho, a austeridade não tem fim.

Ontem mesmo, e depois de muitas insistências da nossa parte, o Primeiro-Ministro confirmou que já estão

previstas novas medidas adicionais, no valor de mais de 830 milhões de euros, que o Governo ainda não

explicita quais sejam.

É, de facto, um Orçamento que só merece os elogios dos Van Zeller, Ulrich e companhia,…

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Exatamente!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — … sempre à espera de abocanhar mais uma fatia da riqueza coletiva,

dos fundos do Estado e da vida dos portugueses.

Não pode ser senão pura hipocrisia a parte final do discurso de ontem do Sr. Primeiro-Ministro. Só pode ser

hipocrisia política falar de «ansiedades das famílias que, com orçamentos apertados, educam os seus filhos»

quando se carrega nos impostos, se reduzem as deduções com a educação e se corta drasticamente a ação

social escolar.

Só pode ser hipocrisia política falar de «frustrações dos desempregados» quando se pratica uma política

para o aumento do desemprego e se corta mais e mais no subsídio de desemprego e no subsídio social de

desemprego.

Só pode ser hipocrisia política falar de «novas formas de pobreza» quando se cortam 1040 milhões de

euros em pensões e prestações sociais na proposta de Orçamento, diminuindo reformas, complemento das

reformas mais baixas dos idosos ou rendimento social de inserção.

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Exatamente!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Só pode ser hipocrisia política falar de «pequenos empresários que

lutam todos os dias para pôr em movimento as suas empresas» — dizia, ontem, o Sr. Primeiro-Ministro —

quando se destrói a procura interna de que estes pequenos empresários dependem e se mantém, por

exemplo, o IVA da restauração em 23%.

Vozes do PCP: — Exatamente!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Um bocadinho de pudor não lhe ficava mal, Sr. Primeiro-Ministro!

Da mesma forma virá, provavelmente, a seguir o Sr. Ministro do Estado e dos Negócios Estrangeiros, e

líder do CDS, fazer a intervenção de encerramento pelo Governo. Entre recados mais ou menos velados para

sossegar o CDS, e sobretudo, talvez, recados para o Ministro das Finanças, fará o já conhecido exercício de

malabarismo político, dizendo que está mas pode não estar; que subscreve uma proposta de Orçamento mas

que, se calhar, não está de acordo com ela. Porém, já não dá para disfarçar que o CDS é coautor desta

desgraçada política, e dessa responsabilidade não se livrará.

O Sr. António Filipe (PCP): — Muito bem!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — O partido dos contribuintes, que nunca o foi, é hoje, mais do que

nunca, o partido do roubo aos contribuintes, trabalhadores e reformados;…

Aplausos do PCP.

… o partido da lavoura, que nunca o foi, é hoje o partido do IVA para as atividades agrícolas, da falta de

apoios e da abdicação em Bruxelas; o partido das pequenas e médias empresas, que nunca o foi, é hoje o

partido do IVA na restauração a 23%, o partido da destruição da procura interna.

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Exatamente!

Páginas Relacionadas
Página 0051:
2 DE NOVEMBRO DE 2012 51 Podem ter a certeza de que esta história não acaba aqui. E
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 19 52 Protestos do Deputado do PS José Junque
Pág.Página 52
Página 0053:
2 DE NOVEMBRO DE 2012 53 São esses os pais do Estado social, não é nem o Partido So
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 19 54 O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — … e de
Pág.Página 54