O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

14 DE DEZEMBRO DE 2012

39

Dizia eu que esta proposta do Bloco de Esquerda vem fora de tempo. Pois bem, foi precisamente este

Governo, como foi bem lembrado aqui, que aprovou recentemente diplomas que tornaram obrigatória a

avaliação da competência dos candidatos indicados para as funções de administração hospitalar e de direção

dos agrupamento de centros de saúde, avaliação essa que está a cargo da Comissão de Recrutamento e

Seleção para a Administração Pública. Ou seja, não há nomeação que parta do Ministério da Saúde ou do

Conselho de Ministros que não passe pelo crivo desta Comissão.

Se é indiscutível que quem assume estes cargos tem que merecer a confiança absoluta do Ministro da

Saúde e do Governo, hoje, ao contrário do passado, a competência e a vocação curricular são asseguradas

por uma entidade independente.

Para além disto, o procedimento concursal que o Bloco de Esquerda propõe aqui, hoje, é inviável pela

burocracia que acarretaria e apenas criaria entropias no já por si complexo Serviço Nacional de Saúde.

Por fim, Sr.ª Presidente e Srs. Deputados, o projeto de lei apresentado pelo Bloco de Esquerda, ao retirar o

critério da confiança do procedimento de seleção, acaba por desresponsabilizar o Ministro da Saúde pela ação

dos dirigentes selecionados.

Nós, como partido que apoia o Governo, exigimos essa responsabilidade ao Governo. No mínimo, seria

expectável que a oposição fizesse o mesmo, porque o País merece.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Num verdadeiro desafio à capacidade de síntese, tem a palavra o Sr.

Deputado João Semedo para uma intervenção.

O Sr. João Semedo (BE): — Sr.ª Presidente, com toda a honestidade, dir-lhe-ei que o desafio é à sua

tolerância mais do que à minha capacidade de síntese. Bom, falarei rapidamente só para fazer dois

comentários.

O primeiro é para dizer que ficou hoje muito claro que o PSD e o CDS querem mesmo que o sistema seja

na base da confiança, não da que resulta da experiência, do conhecimento e da capacidade, mas da que

resulta da confiança política nos administradores dos hospitais.

O Sr. João Serpa Oliva (CDS-PP): — Não é verdade!

O Sr. João Semedo (BE): — O segundo comentário é só para dizer que não se conte uma história que não

é verdadeira.

Sr. Deputado Serpa Oliva, permita-me que lhe diga que foi pouco sério na abordagem deste problema,

porque, na realidade, nada mudou. O facto de haver requisitos na lei que regulam a nomeação dos

administradores hospitalares não significa que esses requisitos sejam cumpridos. Esse é que é o ponto.

Nenhum Governo cumpre os requisitos a que está obrigado por lei, e isso é que tem conduzido à

partidarização das administrações dos hospitais!

Quero dizer-vos o seguinte: louvo muito aqueles que, com espírito de missão, administra bem, mas não

louvo aqueles cujo espírito de missão é de serviço ao partido que os escolheu, porque o sistema que está

instalado o que permite é que o SNS integre também a lista de prémios que os Governos que ganham as

eleições têm para distribuir, depois de as ganhar.

Aplausos do BE.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Concluído o terceiro ponto da ordem de trabalhos, vamos passar ao

quarto e último ponto, que consiste na discussão conjunta dos projetos de resolução n.os

527/XII (2.ª) — Para

que o Governo proceda ao pagamento das compensações por caducidade dos contratos de professores (Os

Verdes) e 529/XII (2.ª) — Recomenda ao Governo o pagamento das compensações por caducidade de

contrato devidas aos professores contratados (BE).

Para apresentar o projeto de resolução n.º 527/XII (2.ª), tem a palavra a Sr.ª Deputada Heloísa Apolónia.

Páginas Relacionadas
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 30 40 A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sr.ª Pr
Pág.Página 40
Página 0041:
14 DE DEZEMBRO DE 2012 41 pretendam ser ressarcidos por esse facto, e essas situaçõ
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 30 42 Vozes do CDS-PP: — Muito bem! O
Pág.Página 42
Página 0043:
14 DE DEZEMBRO DE 2012 43 Por isso mesmo, Sr.ª Presidente, Sr.as e Srs. Depu
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 30 44 Isilda Aguincha vem aqui dizer-nos que estes p
Pág.Página 44
Página 0045:
14 DE DEZEMBRO DE 2012 45 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Então, não os des
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 30 46 A Sr.ª Ana Catarina Mendonça (PS): — Sr.ª Pres
Pág.Página 46
Página 0047:
14 DE DEZEMBRO DE 2012 47 condições ou capacidade para recorrer ao tribunal, aquilo
Pág.Página 47