O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 40

36

Protestos do PS e do PCP.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — É hilariante!

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Srs. Deputados, peço que façam o silêncio necessário para que o

orador possa ser ouvido.

O Sr. Ministro da Economia e do Emprego: — Muito obrigado, Sr. Presidente.

Todos os indicadores macroeconómicos que recebemos como legado foram os piores dos últimos 100

anos. Os piores! Portanto, tentar diminuir o ponto de partida não é boa política, Sr. Deputado.

Em relação ao QREN, que foi o único ponto económico que referiu, vou dizer, mais uma vez, que esta foi a

melhor execução de sempre do QREN. Quando tomámos posse, a execução do QREN estava em 31% e,

neste momento, está em 60%. Ou seja, em ano e meio fizemos mais do que os senhores fizeram nos anos

todos que nos precederam, e fizemo-lo por uma simples razão: porque sabemos exatamente, por estarmos a

viver a maior crise do século, que os fundos comunitários têm um papel fundamental, preponderante, para

conseguirmos estimular a economia nacional.

Se, neste momento, temos as exportações a cair — embora, como sabemos, as nossas exportações para

o espaço extracomunitário continuem a crescer a um ritmo de cerca de 7% —, isso está a acontecer porque

estamos a viver uma grande crise mundial e, nomeadamente, uma grande crise europeia, o que afeta quer os

nossos índices de investimento, quer as nossas exportações, quer até a nossa procura interna e externa.

Por isso mesmo, Sr. Deputado, temos de utilizar os meios que estão ao nosso alcance para lançar as

bases para o crescimento económico, e é isso que este debate devia ser. Para além da já famosa linha de

ferrovia entre Sines e Grândola, quais são as propostas do Partido Socialista para fomentar a economia? Diga-

me, Sr. Deputado!

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para formular uma pergunta ao Sr. Ministro da Economia, tem a

palavra o Sr. Deputado Hélder Amaral.

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr. Ministro, no pouco tempo de que disponho queria

retomar uma das questões que lhe fiz sobre o setor mineiro. Na verdade, deixou-me «com água na boca» ao

dizer que havia um forte investimento no meu distrito, por isso espero que me possa dizer qual é e em que

setor.

Concentrando-me agora no Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT), penso que o trabalho que está

a ser feito no turismo é meritório.

O trade costuma dizer que sempre que o Governo fala em setores estratégicos há qualquer coisa que

acontece de mal, e isso aconteceu no PENT anterior. Porque, apesar de a Organização Mundial do Turismo

ter dito — e é verdade — que a Europa continua a ser o maior destino de turismo do mundo, cada ano capta

mais turistas, o certo é que o PENT anterior ficou 21,5% abaixo das expetativas. Em termos de receitas

turísticas foi um descalabro e em termos de hóspedes internacionais situou-se 13% abaixo do esperado.

Na altura, alertei, dizendo: «Atenção, o documento parece ser bonito, toca todos os setores, mas corre o

risco de ser um ‘pente para carecas’». E confirmou-se que foi, de facto, um «pente para carecas».

Vozes do CDS-PP: — Exatamente!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Espero, Sr. Ministro, que este PENT seja mais realista, que não

assuste o trade, que seja certeiro e concreto no que são as potencialidades do País, e uma delas é

seguramente o turismo residencial.

Bem me lembro que uma das primeiras propostas que o Sr. Ministro fez tinha a ver com o turismo

residencial, tendo até falado — pode ter sido considerado um sound bite, mas parece-se ser uma ideia que se

Páginas Relacionadas
Página 0047:
12 DE JANEIRO DE 2013 47 Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, relativ
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 40 48 É este o sentido do nosso alerta, para além da
Pág.Página 48
Página 0049:
12 DE JANEIRO DE 2013 49 exigindo acusações particulares, exigindo constituição com
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 40 50 Relevamos, evidentemente, o famoso processo su
Pág.Página 50
Página 0051:
12 DE JANEIRO DE 2013 51 É evidente que as reformas que aqui estão não obtiveram a
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 40 52 O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para uma
Pág.Página 52
Página 0053:
12 DE JANEIRO DE 2013 53 silêncio, à proibição da autoincriminação e até ao princíp
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 40 54 Os senhores confundem deliberadamente estas si
Pág.Página 54
Página 0055:
12 DE JANEIRO DE 2013 55 a) 5 anos, quando se tratar de procedimento criminal que s
Pág.Página 55
Página 0056:
I SÉRIE — NÚMERO 40 56 Submetida à votação, foi rejeitada, com votos
Pág.Página 56