O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

17 DE JANEIRO DE 2013

15

O Sr. Jorge Machado (PCP): — Disse e repito: há vários exemplos de lutas de trabalhadores que fizeram

com que saísse derrotado o pagamento de trabalho extraordinário por esses valores vergonhosos. Este é ou

não o caminho para derrotar este Código do Trabalho?

Aplausos do PCP.

A Sr.ª Presidente: — Tem a palavra, para responder, Sr.ª Deputada Mariana Aiveca.

A Sr.ª Mariana Aiveca (BE): — Sr.ª Presidente, Sr. Deputado Jorge Machado, muito obrigada pelas suas

questões.

De facto, a política do Governo tem sido de ataque a todos os direitos, para que depois não haja direito

nenhum. E ela tem sido seguida em toda a linha, nomeadamente no ataque ao subsídio de desemprego e no

ataque à contratação coletiva, e era aqui que queria centrar muita da minha intervenção.

O Governo, que diz respeitar a contratação coletiva e as negociações livremente efetuadas entre os

trabalhadores e as empresas, é o mesmo Governo que vem, através de uma lei, «abalroar» a negociação

coletiva.

A negociação coletiva foi uma conquista de anos e anos das classes em Portugal; a negociação coletiva

baliza a essência do direito do trabalho. E é exatamente isto que está hoje, aqui, em causa: retirar o direito

coletivo dos trabalhadores, retirar a livre negociação entre as partes, só pode fragilizar os trabalhadores.

Por isso, são tão importantes estas lutas, que nos dão nota de que não há inevitabilidades, nos dão nota de

que os trabalhadores querem defender aquilo que é o seu coletivo: as negociações livres e democraticamente

feitas. O pagamento do trabalho extraordinário, o pagamento dos dias de descanso obrigatório e de descanso

compensatório, da forma como o Governo está a impor neste Código do Trabalho, da forma como impôs neste

Orçamento do Estado, é um retrocesso na civilização, nos direitos dos trabalhadores em Portugal, num País

onde, como já afirmei, o custo do trabalho só tem comparação com a Roménia.

Há aqui dois pesos e duas medidas e o Governo ataca sempre estes direitos. Por isso é que estas lutas

vão continuar e apelamos a que todos se juntem a elas, porque este Governo não tem saída, não tem

legitimidade para impor mais cortes nos direitos, para no final acabar com todos eles.

Aplausos do BE.

A Sr.ª Presidente: — Pelo PS, para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado Nuno Sá.

O Sr. Nuno Sá (PS): — Sr.ª Presidente, Sr.ª Deputada Mariana Aiveca, trouxe aqui um tema extremamente

atual e importante.

No que respeita às preocupações que aqui expressou, queria dizer-lhe (como sabe, aliás) que o Grupo

Parlamentar do Partido Socialista tem exatamente algumas dessas preocupações, designadamente no que

toca à defesa da contratação coletiva. E, para além da defesa da contratação coletiva, valorizamos e

praticamos o diálogo social, promovendo a paz e o consenso sociais. Valorizamos, praticamos e queremos

concretizar! Fizemo-lo no passado e queremos fazê-lo no futuro.

Sr.ª Deputada, tenho comigo um documento da Comissão Permanente de Concertação Social, o acordo

dos parceiros sociais celebrado em janeiro de 2012, onde constam 10 páginas de compromissos assumidos

pelo Governo PSD/CDS-PP com os parceiros sociais no sentido da criação, defesa e promoção do emprego.

É um acordo feito com os parceiros sociais na área das preocupações que a Sr.ª Deputada aqui nos trouxe.

Vejamos, em síntese, o que é que se prevê nessas 10 páginas do acordo de concertação social e o que é

que está concretizado. Façamos esse exercício.

Restruturação da rede de centros de emprego, criação de um gestor de carreira: não existe, não passou do

papel.

Resultados da aplicação da Medida Estímulo 2012: um desastre.

Programa Impulso Jovem, destinado à criação de emprego para os jovens: anda o Governo aflito a «bater

em todas a capelinhas» — aliás, estranhamente, o Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares e o

Secretário de Estado do Desporto e Juventude — para tentar que mais jovens, mais instituições, mais áreas

Páginas Relacionadas
Página 0003:
17 DE JANEIRO DE 2013 3 A Sr.ª Presidente: — Srs. Deputados, está aberta a sessão.
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 41 4 Parece que se ouve com um eco muito gran
Pág.Página 4