O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

25 DE JANEIRO DE 2013

31

Em segundo lugar, Srs. Deputados, penso que a competência exclusiva é inconstitucional, porque ninguém

pode inibir alguém de se dirigir a um tribunal judicial, como é evidente.

Em terceiro lugar, quanto à competência em matéria penal, tenho os maiores receios porque, por muito que

formemos, esta não é uma magistratura paralela à judicial e, portanto, custa-me ver alguém que não tenha

essa formação a poder julgar outros em matéria criminal. Mas tenho a certeza que obteremos consenso.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

O Sr. Presidente (Ferro Rodrigues): — Srs. Deputados, terminada a discussão, na generalidade, da

proposta de lei n.º 115/XII (2.ª), passamos ao ponto seguinte da ordem do dia, a discussão, na generalidade,

da proposta de lei n.º 116/XII — Estabelece os princípios gerais aplicáveis à mediação em Portugal, bem como

os regimes jurídicos da mediação civil e comercial, dos mediadores e da mediação pública.

Para apresentar a proposta de lei, tem a palavra a Sr.ª Ministra da Justiça.

A Sr.ª Ministra da Justiça: — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Esta proposta de lei pretende ser um

passo importante na afirmação da mediação enquanto meio efetivo também da resolução de conflitos em

Portugal.

A ideia de que o processo está no pleno domínio das partes, sendo elas que determinam a sua realização,

o modo como se desenvolverá e o seu fim, é a trave-mestra da mediação. O princípio da voluntariedade é, por

isso, o princípio fundamental.

Em função destas características, o mediador não tem poderes de autoridade, auxiliando as partes a

restabelecerem a comunicação entre si e a encontrarem a solução adequada ao seu litígio.

Consagrando a mediação nestes termos, esta proposta de lei estrutura-se em quatro grandes vetores:

princípios gerais que regem todas as mediações reguladas em Portugal; regime jurídico da mediação civil e

comercial; regime dos mediadores em Portugal; e regime aplicável aos sistemas públicos de mediação.

Tem ainda como objetivo concentrar num único diploma legislação que se encontra hoje dispersa por um

conjunto amplo de medidas legislativas e até por despacho.

Uma maior utilização da mediação por parte dos cidadãos e empresas é importante, porque é uma solução

alternativa ao recurso dos tribunais, mas também porque corresponde à consagração de um mecanismo que,

em virtude das suas características, poderá e deverá ser encarado como a melhor solução para determinados

tipos de litígios.

A mediação, ao permitir que a solução do litígio resulte do consenso entre os litigantes e não que lhes seja

imposta por um terceiro, permite obter resultados que, por serem mais facilmente adotados pelas partes, são

também mais duradouros e contribuem para uma maior pacificação social.

Srs. Deputados, com esta proposta de lei de mediação temos, finalmente, um bloco regulador completo,

um regime de disciplina dos próprios mediadores. Penso que é, de facto, uma lei importante, porque, todos

sabemos o que se passava, muitas vezes, com a atividade de mediação, em que não raro aqueles que mais

necessitavam eram objeto de um tratamento ou de um regime de mediação com profissionais não

suficientemente habilitados.

Portanto, é o cidadão que queremos defender, daí que reforcemos os requisitos, daí que reforcemos a

própria fiscalização.

Também para esta lei, Srs. Deputados, peço um consenso o mais alargado possível porque, em termos de

meios alternativos de resolução de litígios, penso que temos três boas leis, sobre as quais deveria existir um

consenso alargado, que volto a reiterar que exista.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

O Sr. Presidente (Ferro Rodrigues): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado João Lobo, do

PSD.

Páginas Relacionadas
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 45 36 Porém, aquela que parece mais contraditória na
Pág.Página 36
Página 0037:
25 DE JANEIRO DE 2013 37 O Sr. Paulo Pisco (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e S
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 45 38 Como quer o Governo que o português ombreie no
Pág.Página 38
Página 0039:
25 DE JANEIRO DE 2013 39 Vozes do PSD e do CDS-PP: — Muito bem! Bem lembrado! <
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 45 40 A Sr.ª Inês Teotónio Pereira (CDS-PP): — Acont
Pág.Página 40
Página 0041:
25 DE JANEIRO DE 2013 41 O Sr. Secretário de Estado abana a cabeça mas não nos cons
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 45 42 O Sr. João Oliveira (PCP): — Bem lembrado!
Pág.Página 42
Página 0043:
25 DE JANEIRO DE 2013 43 A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Sr. Presidente, Sr.ª Secretári
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 45 44 Educação (SINAPE). Será porque o decreto-lei é
Pág.Página 44
Página 0045:
25 DE JANEIRO DE 2013 45 O Sr. Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas: —
Pág.Página 45