O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

25 DE JANEIRO DE 2013

37

O Sr. Paulo Pisco (PS): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Nunca como nos últimos anos a língua

portuguesa teve tanta projeção e o seu valor foi tão reconhecido.

Essencialmente, desde 2008, o País despertou para o valor económico e cultural da língua portuguesa e

ganhou, finalmente, consciência do seu imenso potencial. Portanto, há que valorizá-la e promovê-la. E uma

das formas de o fazer é, reconhecidamente, através das imensas comunidades de portugueses espalhados

pelo mundo.

Vozes do PS: — Muito bem!

O Sr. Paulo Pisco (PS): — Na retórica, o Governo considera o ensino a âncora das políticas para as

comunidades. O próprio preâmbulo do Decreto-Lei n.º 234/2012 sublinha a importância de uma estratégia

global para a língua portuguesa no mundo, visando o reconhecimento da sua importância cultural,

geoestratégica e económica.

Mas a realidade da prática governativa é bem diferente e cheia de contradições. E a verdade é que nunca o

ensino do português no estrangeiro foi tão maltratado.

Não basta ao Governo acenar com a certificação das aprendizagens para garantir maior qualidade nos

cursos. Haveria mais qualidade se os cursos não tivessem sido amputados em uma ou mais horas semanais e

se cada professor não passasse a ter mais algumas dezenas de alunos e mais níveis de ensino por cada sala

de aula.

Aquilo que o Governo gostaria que fosse esquecido, mas que o PS não deixará, é que hoje o ensino do

português no estrangeiro tem menos 11 milhões de euros do que tinha em 2010, que só em 2012 foram

suprimidos mais de 120 professores e que nesse ano foi tomada a inaceitável decisão de despedir, a meio do

ano, 49 professores de França, da Suíça e da Espanha.

Mas a mais grave contradição entre a retórica e a realidade, e na linha da lógica obsessiva de obter

receitas custe o que custar, é a introdução de uma propina no ensino do português no estrangeiro, do pré-

escolar ao secundário, conforme consta do artigo 5.º do Decreto-Lei em apreciação.

Para começar, a introdução da propina foi feita de forma displicente, porque foram definidos e divulgados

os valores a pagar e dadas outras orientações antes de ser aprovado o necessário enquadramento legislativo.

Mas, sobretudo, a criação desta propina significa desprezar vários artigos da Constituição e da Lei de Bases

do Sistema Educativo sobre o que são os deveres do Estado na defesa e promoção da língua e na sua

relação particular com as comunidades portuguesas.

Vozes do PS: — Muito bem!

O Sr. Paulo Pisco (PS): — Significa um corte radical com a ideia que esteve na origem da criação do

ensino do português no estrangeiro, que foi o reconhecimento da importância das nossas comunidades e a

necessidade de com elas manter um vínculo afetivo e efetivo através da língua e da cultura.

Significa a criação de uma discriminação negativa, visto que em Portugal o ensino básico e secundário são

gratuitos.

Significa mais um golpe na escola pública e na sua função de proporcionar mais e melhores oportunidades

para os portugueses, onde quer que vivam.

Significa limitar a oferta no ensino numa altura em que a procura aumenta, porque os fluxos migratórios

estão dramaticamente elevados.

Significa criar um afastamento dos jovens e das suas famílias em relação a Portugal, numa altura em que

há cada vez mais portugueses a optar pela dupla nacionalidade.

Não podemos deixar de evocar aqui, de forma enfática, a surpreendente declaração do Secretário de

Estado das Comunidades no recente Seminário Diplomático, quando disse que «não tinha ilusões sobre o que

aconteceria quando os pais tivessem de pagar a propina».

Pois se a propina vai afastar os jovens do ensino, por que razão insiste numa medida errada que sabe, à

partida, que irá diminuir a capacidade de afirmação e de expansão da língua, que vai criar desigualdades e,

mais uma vez, acentuar um sentimento de discriminação nas nossas comunidades?

Páginas Relacionadas
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 45 36 Porém, aquela que parece mais contraditória na
Pág.Página 36
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 45 38 Como quer o Governo que o português ombreie no
Pág.Página 38
Página 0039:
25 DE JANEIRO DE 2013 39 Vozes do PSD e do CDS-PP: — Muito bem! Bem lembrado! <
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 45 40 A Sr.ª Inês Teotónio Pereira (CDS-PP): — Acont
Pág.Página 40
Página 0041:
25 DE JANEIRO DE 2013 41 O Sr. Secretário de Estado abana a cabeça mas não nos cons
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 45 42 O Sr. João Oliveira (PCP): — Bem lembrado!
Pág.Página 42
Página 0043:
25 DE JANEIRO DE 2013 43 A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Sr. Presidente, Sr.ª Secretári
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 45 44 Educação (SINAPE). Será porque o decreto-lei é
Pág.Página 44
Página 0045:
25 DE JANEIRO DE 2013 45 O Sr. Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas: —
Pág.Página 45