O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

2 DE MARÇO DE 2013

31

missão externa que se podem melhorar essas condições e que se podem verificar as reflexões necessárias

para adaptar o Programa à evolução dos indicadores, quer de Produto quer de emprego, tanto na Europa

como no nosso País.

Gostava, em todo o caso, de apelar a algum esforço de precisão. O Sr. Deputado e líder do maior partido

da oposição, quando fala em parar a austeridade, sabe que as medidas de contração orçamental constam de

um Memorando que foi assinado por um Governo anterior a este…

Vozes do PS: — Oh!

O Sr. José Junqueiro (PS): — Os 4000 milhões de euros não estavam nesse Memorando; são uma

decisão secreta!

O Sr. Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros: — … e que, se nos queremos libertar de

medidas extraordinárias, nomeadamente no plano fiscal, temos, obviamente, de procurar conter a nossa

despesa pública.

O Sr. Honório Novo (PCP): — Falta saber onde se vai cortar!

O Sr. Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros: — Queria também apelar a um grau de maior

abrangência reflexiva quando fala em estabilizar a economia. Em economia aberta, com uma economia que

depende do exterior como a nossa, e que ganha no exterior as posições que tem ganho, a parcela que

depende da nossa vontade — a sua ou a nossa, a de todos nós — do ponto de vista da estabilização

económica não é definitiva, nem é, se quiser, maioritária. Nós dependemos muito do que acontece nos países

com quem temos relações comerciais, dependemos do choque assimétrico que recebemos, por exemplo, do

facto de termos uma economia muito integrada com a do país vizinho. Portanto, chamaria a atenção para que

dizer «estabilizar a economia» sem dizer também que isso depende de um processo que é europeu e que não

é apenas nacional não é dizer tudo aquilo que é necessário.

Vozes do PS: — Ah!…

O Sr. Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros: — Queria, em todo o caso, chamar a atenção

para que, tal como entendemos que a preservação do consenso político e do arco da governabilidade como

forma de resposta institucional aos problemas do País quanto mais difíceis forem mais ele é necessário, a

questão que cita sobre o ajustamento do ritmo da consolidação orçamental… Mas o que é que o Governo está

a fazer ao criar as condições para um faseamento da redução do défice diferente do que estava previsto?

Quando cita a necessidade de uma agenda, nomeadamente fiscal, para o crescimento e o emprego,

considero que é importante estarmos muito atentos à proposta de revisão do IRC para trazer uma injeção de

investimento criando situações fiscais extremamente favoráveis para quem investir agora e onde a sugestão

que citou sobre a questão dos suprimentos e das empresas pode e deve ser analisada.

Do mesmo modo, o bom uso dos fundos estruturais, como alavanca para criar crescimento, seja através de

um banco de fomento ou de um banco de desenvolvimento, se quisermos e estivermos a falar da mesma

coisa — e creio que estamos —, são propostas relevantes e em relação às quais não vejo nenhuma

dificuldade entre os partidos da maioria e o maior partido da oposição para existir diálogo.

Antes de terminar, queria sobretudo sublinhar que, apesar de estarmos em ano eleitoral, também estamos

apenas a pouco mais de um ano de terminarmos o nosso Programa de Ajustamento e que, sem embrago das

diferenças políticas que são relevantes, é absolutamente necessário preservar o que tem de ser naturalmente

bilateral: condições favoráveis a consensos políticos e a acordos sociais.

Pedia-lhe apenas, Sr. Deputado, que faça uma pequena correção relativamente a uma matéria. O Sr.

Deputado falou no aumento das pensões mais degradadas, mas não mencionou o facto de elas terem sido

congeladas no Governo anterior.

Vozes do CDS-PP: — Exatamente!

Páginas Relacionadas
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 61 34 O Sr. António José Seguro (PS): — … não pode h
Pág.Página 34
Página 0035:
2 DE MARÇO DE 2013 35 Para esses houve amnistia, para os estudantes do ensino super
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 61 36 Aplausos do PCP. A Sr.ª Pr
Pág.Página 36
Página 0037:
2 DE MARÇO DE 2013 37 Aplausos do PS. A Sr.ª Presidente: — Para
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 61 38 O Sr. Michael Seufert (CDS-PP): — Sr.ª Preside
Pág.Página 38
Página 0039:
2 DE MARÇO DE 2013 39 Na verdade, Sr.ª Presidente, neste momento, já temos atribuíd
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 61 40 A Sr.ª Presidente: — Ainda para uma intervençã
Pág.Página 40
Página 0041:
2 DE MARÇO DE 2013 41 Vozes do PCP: — Pois é! A Sr.ª Rita Rato (PCP):
Pág.Página 41