O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 64

26

todas as tentativas de desarticulação das Forças Armadas, que constituem um pilar essencial da democracia e

do Estado democrático.

Aplausos do PS.

Numa mistura explosiva de preconceito ideológico e de incapacidade política, o Governo tem sido uma

fonte permanente de destruição do Estado, de instabilidade das instituições, de enfraquecimento e divisão da

sociedade. Qualquer medida que anuncia é antecedida de uma estratégia de diabolização dos destinatários

dessa medida perante a opinião pública.

Dividir os portugueses, tentando pôr novos contra velhos, funcionários públicos contra trabalhadores das

empresas privadas, empregados contra desempregados, trabalhadores contra patrões, inquilinos contra

senhorios, doentes contra médicos e, agora, civis contra militares, é o contrário do que tem de ser feito,

sobretudo num momento de crise. O País precisa de coesão, não precisa de divisão, necessita de confiança,

não precisa de incerteza.

Aplausos do PS.

Os portugueses não podem ser postos perante dilemas eticamente inaceitáveis e politicamente ilegítimos.

Não podem ser encurralados e obrigados a ter de optar entre saúde e segurança, entre a educação dos filhos

ou a reforma dos pais, entre estar desempregados ou trabalhar por um salário mínimo miserável, entre ter

casa ou comer todos os dias, entre ter presente e não ter futuro ou ter futuro e não ter presente.

Aplausos do PS.

Essas escolhas são imorais e impróprias de uma democracia, destroem, aliás, a democracia e o

sentimento nacional. O Governo tem a obrigação de abandonar esta política de terra queimada, cujas

consequências são o «salve-se quem puder» e o «vale tudo».

Ao Governo não compete agravar a crise, mas, sim, resolvê-la; ao Governo não compete desculpar-se com

o passado, mas, sim, construir o presente e o futuro.

A crise económica, social e política está, cada vez mais, a tornar-se uma crise nacional.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Faça favor de terminar, Sr. Deputado.

O Sr. Marcos Perestrello (PS): — Uma crise nacional que, se não for urgentemente evitada, vai

comprometer o nosso futuro e o dos nossos filhos e dos nossos netos, durante décadas.

Hoje, é claro para a esmagadora maioria dos portugueses que o Governo não está à altura desta hora

dramática. Não está à altura nas finanças e na economia, não está à altura na educação e na saúde, não está

à altura na criação de emprego e na proteção social, não está à altura na agricultura e na indústria, não está à

altura na política europeia e, como o debate público do conceito estratégico de defesa tem demonstrado, não

está à altura na política de defesa nacional.

Os portugueses exigem um Governo que defenda o País, que torne o Estado mais eficaz,…

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Queira terminar, Sr. Deputado.

O Sr. Marcos Perestrello (PS): — … que crie condições para o crescimento e o emprego, que dê coesão

à sociedade, que oiça e tenha respeito pelas pessoas, que ofereça aos portugueses uma perspetiva de vida

decente. Os portugueses exigem um Governo que conduza o País para fora da crise e que, nessa caminhada,

não deixe uma parte da nação na beira da estrada. Os portugueses exigem, afinal, aquilo de que este Governo

não é capaz.

Aplausos do PS.

Páginas Relacionadas
Página 0031:
9 DE MARÇO DE 2013 31 Não estamos a consultar memórias ou recordações individuais;
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 64 32 A Sr.ª Presidente: — Muito obrigada. Es
Pág.Página 32
Página 0033:
9 DE MARÇO DE 2013 33 Sr.ª Presidente e Srs. Deputados, comemorar o 8 de março, nes
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 64 34 se vai agravar mais; a maioria dos beneficiári
Pág.Página 34
Página 0035:
9 DE MARÇO DE 2013 35 familiar, há de facto uma fragilização do papel das mulheres
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 64 36 verificou uma desregulação tão brutal do merca
Pág.Página 36
Página 0037:
9 DE MARÇO DE 2013 37 Aplausos do PSD e do CDS-PP. … todas percebemos
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 64 38 Sabemos bem que assim é. E se as lutas de home
Pág.Página 38
Página 0039:
9 DE MARÇO DE 2013 39 A Sr.ª Teresa Anjinho (CDS-PP): — Sr.ª Presidente, Sr.as <
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 64 40 É neste entendimento que, atentos ao disposto
Pág.Página 40