O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 76

32

A Sr.ª Ana Drago (BE): — Exatamente!

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Há, afinal, o respeito pela toda poderosa Constituição alemã e o

desrespeito pela Constituição Portuguesa? Afinal, que Europa é esta que parece ter países de primeira e

países de segunda, Constituições de primeira e Constituições de segunda?!

Como vê, também, a forma como o Ministro das Finanças, como este Governo se apresenta na Europa? A

nossa opinião é que chega à Europa com completa falta de ambição, quase como se pedisse licença para

entrar nas reuniões ou para ter, até, uma opinião que defendesse os interesses nacionais. Isto, para nós, não

é europeísmo, é submissão. E é isso que nós vemos neste Governo.

Há uma pergunta que se impõe e para a qual peço uma resposta. Todos já percebemos que o Governo

procura álibis para um eventual segundo resgate que possa agora estar a ser negociado, todos já percebemos

que esse segundo resgate é mais do mesmo, mais austeridade, e já ninguém fica satisfeito com a prestação

do PS, porque não responde às inquietações nacionais.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Queira concluir a sua questão, Sr. Deputado.

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Termino já, Sr.ª Presidente.

É como se houvesse um Memorando inicial e, agora, um memorando posterior, desvirtuado e já desonrado

no seu conteúdo. Isso não nos parece ser confrontável com a realidade, porque, de um lado, há a austeridade

inicial e permanente, do outro lado, poderá haver quem queira romper com o Memorando, romper com a

austeridade e, por isso, defender um crescimento para a economia.

O que lhe pergunto, Sr. Deputado, é de que lado é que está o Partido Socialista, do lado daqueles que

defendem o crescimento para a economia ou do lado daqueles que defendem o Memorando, custe o que

custar.

Aplausos do BE.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Para responder, tem a palavra o Sr. Deputado José Junqueiro.

O Sr. José Junqueiro (PS): — Sr.ª Presidente, Sr. Deputado Pedro Filipe Soares, agradeço as suas

perguntas e compreendo a imagem que utilizou para referir aqui um partido em fuga. Mas quero responder-lhe

que, de facto, encontro o CDS nos corredores, mas não encontro o CDS em Belém, nem encontro o CDS

neste debate.

Gostaria de dizer que, embora o ex-Deputado do CDS António Lobo Xavier tenha criticado como graves as

afirmações feitas por estes funcionários da troica e o CDS esteja em silêncio, sobretudo quando tem uma

liderança que é tão patriótica, às vezes até histriónica nesse patriotismo, a verdade é que estranho muito esse

silêncio. E estranho muito como é que o Ministro das Finanças alemão faz um esforço para dar uma mão ao

Governo e exercer pressão e chantagem sobre os portugueses. Isso é inadmissível!

Um Governo que se reclama da soberania nacional e que anda de emblema na lapela devia ter vergonha e

devia ter reagido a esta ingerência insuportável do Ministro das Finanças alemão na vida interna portuguesa!

Aplausos do PS.

Mais grave e mais chocante do que isso é que um negociador, por parte do PSD na troica, o Dr. Eduardo

Catroga, esteja agora a «sacudir a água do capote». Ele também dizia, na altura — há um ano, em abril —,

que seriam necessários mais 30 000 milhões de euros, mas que não deveria ser o Governo a pedi-los, que

deveria ser a troica a vir cá e, eventualmente, perguntar-nos: «Os senhores não se importam que a gente vos

empreste mais 30 000 milhões de euros?»

Esta hipocrisia tem de acabar e o Governo tem de esclarecer os portugueses sobre esta matéria, porque

isto está tudo combinado. Tudo combinado!

Páginas Relacionadas
Página 0037:
11 DE ABRIL DE 2013 37 A segunda questão tem a ver com o que dizia acerca da compet
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 76 38 Portanto, gostava de saber qual é a abertura d
Pág.Página 38