O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

16 DE MAIO DE 2013

9

falar de portugueses que organizaram a sua vida, que estão hoje a ajudar os filhos desempregados ou os

netos que estão na faculdade, e o Governo esquece isso. É uma quebra de relação de confiança entre os

cidadãos e o Estado de consequências imprevisíveis e perigosas.

Sr. Ministro, vai ou não haver uma nova taxa sobre a pensão de todos os portugueses?

É que o Primeiro-Ministro disse, a 3 de maio, naquela célebre declaração ao País, que não iria aumentar os

impostos. E o que é que é esta taxa senão um novo imposto?! E é um imposto injusto, porque não é para

todos os portugueses, é exatamente para aqueles que menos possibilidades têm, e menos possibilidades até

de fazer mais rendimento voltando ao mercado de trabalho.

O Primeiro-Ministro anuncia mais um corte de rendimento para 3 milhões de portugueses e, passadas duas

semanas, o Governo e o Primeiro-Ministro ainda não esclareceram minimamente quando e a quem se destina

esta nova taxa.

O Governo anda há duas semanas, nesta «dança» triste de avanços e recuos para «troica ver e português

sofrer».

Temos um Governo que não prestigia Portugal nem os portugueses, um Governo que quer meter medo

aos portugueses, a todos: aos jovens, sobre as reformas futuras, mas agora também aos atuais reformados,

sobre a reforma do mês que vem.

E, agora, chega a falar em medidas facultativas. Mas facultativas para quem?! O Governo é que está em

fase facultativa. Há segunda, à quarta e à sexta fala para a troica e diz: a taxa é para aplicar! Às terças,

quintas e sábados fala para os portugueses e diz: a taxa não é para aplicar! Esta é a faculdade do Governo?!

Não, Sr. Ministro Mota Soares, os portugueses e os pensionistas precisam de saber se esta nova taxa é para

aplicar.

O Sr. Primeiro-Ministro escreveu à troica, a 3 de maio, dizendo: «foi aprovado em Conselho de

Ministros…» — de que o Sr. Ministro faz parte certamente — «… a aplicação de uma contribuição de

sustentabilidade que será aplicada aos pensionistas da Caixa Geral de Aposentações e da Segurança Social.»

Isto é verdade ou é mentira?!

Aplausos do PS.

Esta foi uma carta enviada à troica em nome do País, assinada pelo Sr. Primeiro-Ministro Passos Coelho.

É verdade ou é mentira que vai haver, Sr. Ministro Mota Soares, uma nova taxa sobre os pensionistas?

Desmente ou não desmente? Qual é a linha de fronteira do Ministro Mota Soares? Qual é a linha de fronteira

do CDS-PP?

Aplausos do PS.

A Sr.ª Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Jorge Machado.

O Sr. Jorge Machado (PCP): — Sr.ª Presidente, Srs. Deputados: Entendemos que todas estas peripécias,

todas estas dúvidas, toda esta nebulosa em torno destas medidas, esta coisa verdadeiramente caricata de pôr

uma coisa no papel e, depois, dizer — utilizando a mentira, claro está! — que está no papel mas não é para

cumprir, só prova uma coisa, que é um Governo a cair aos bocados, um Governo sem qualquer tipo de

credibilidade!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Muito bem!

O Sr. Jorge Machado (PCP): — Mas, em primeiro lugar, temos de referir o seguinte: estes cortes nas

pensões já atribuídas é uma das medidas de um pacote de verdadeiro terrorismo social. É um pacote que tem

a mobilidade especial, que é a antecâmara dos despedimentos para os trabalhadores da Administração

Pública, que tem o aumento do horário de trabalho, que tem o despedimento de mais de 50 000 trabalhadores,

30 000 dos quais da Administração Pública por via das rescisões, que tem um novo ataque aos salários dos

trabalhadores da Administração Pública, por via da tabela remuneratória e dos descontos para a ADSE.

Só estas medidas já são suficientemente graves para o PCP as condenar e lutar contra elas.

Páginas Relacionadas
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 89 16 Como dizia, passo a ler: «Mais conseguiu o Gov
Pág.Página 16
Página 0017:
16 DE MAIO DE 2013 17 princípios de gestão administrativa e financeira e requisitos
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 89 18 e Seleção para a Administração Pública, relati
Pág.Página 18
Página 0019:
16 DE MAIO DE 2013 19 estaduais com poderes para o efeito; e, por último, o facto d
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 89 20 O que se passa é que esta lei-quadro não defen
Pág.Página 20
Página 0021:
16 DE MAIO DE 2013 21 noutros setores, onde esta maioria já introduziu uma série de
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 89 22 E termino com esta pergunta muito concreta, Sr
Pág.Página 22
Página 0023:
16 DE MAIO DE 2013 23 O Sr. Secretário de Estado da Administração Pública: — Entend
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 89 24 Entendimento e é também uma linha que procura
Pág.Página 24
Página 0025:
16 DE MAIO DE 2013 25 Tem a palavra, para uma intervenção, o Sr. Deputado Fernando
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 89 26 setor bancário e o setor financeiro, desta mes
Pág.Página 26
Página 0027:
16 DE MAIO DE 2013 27 Aplausos do BE. O Sr. Presidente (Guilhe
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 89 28 Aplausos do CDS-PP e do PSD. O S
Pág.Página 28
Página 0029:
16 DE MAIO DE 2013 29 Também é inaceitável que o envolvimento e a representatividad
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 89 30 O Sr. Secretário de Estado da Administração Pú
Pág.Página 30