O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

12 DE JULHO DE 2013

35

Vozes do PCP: — Uma vergonha!

O Sr.ª Carla Cruz (PCP): — Estas afirmações, para além de aberrantes, são reveladoras do pensamento

do atual Presidente da Câmara de Gaia. Ou seja, os bons equipamentos não são para serem utilizados pelas

pessoas com deficiência e pelos sinistrados no trabalho, mas, sim, por aqueles que têm dinheiro, por aqueles

que podem pagar!

Vozes do PCP: — Exatamente!

A Sr.ª Carla Cruz (PCP): — Estas afirmações traduzem a visão ideológica dos partidos que suportam este

Governo, que é desmantelar e destruir o Serviço Nacional de Saúde, criando um sistema de saúde

diferenciado consoante os rendimentos dos cidadãos. O PCP defende que o Centro de Reabilitação do Norte

tem que se manter na esfera da gestão pública e integrado no Serviço Nacional de Saúde.

Sr. Presidente e Srs. Deputado, a discussão de hoje só acontece porque em setembro vão ocorrer eleições

autárquicas!

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Exatamente!

A Sr.ª Carla Cruz (PCP): — A apresentação por parte do PSD, do CDS e do PS de projetos de resolução

sobre esta matéria é reveladora do quão oportunista, populista e demagógica é a sua posição.

O Sr. Luís Menezes (PSD): — E o que fizeram nas galerias?! Isso é que é demagogia!

A Sr.ª Carla Cruz (PCP): — O PCP reafirma que a não abertura do Centro de Reabilitação do Norte,

estando pronto desde o verão de 2012, é da inteira e direta responsabilidade do PSD e do CDS-PP.

Vozes do PCP: — Muito bem!

A Sr.ª Carla Cruz (PCP): — Para o PCP, esta situação tem de ser alterada rapidamente, tem de ser posto

em funcionamento este Centro de Reabilitação e no âmbito do Serviço Nacional de Saúde para servir todos

quantos dele necessitam!

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Helena Pinto.

A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: A decisão de criar um centro de

reabilitação na zona Norte do País foi uma decisão acertada, que corresponde à necessidade de dotar todo o

território nacional de capacidade de resposta na área da reabilitação.

O Centro de Reabilitação do Norte, que está pronto a abrir portas, é uma resposta do Serviço Nacional de

Saúde (SNS), é um equipamento dotado de todas as condições e, inclusivamente, Sr.as

e Srs. Deputados,

estão estudados os impactos financeiros e a sua sustentabilidade dentro do SNS. Não vale a pena fazer de

conta que este trabalho não existe.

Então, porquê a posição do Governo e do Ministro da Saúde em adiar a abertura deste serviço? Que

interesses existem por detrás desta posição de protelar a abertura do Centro? Como se justifica, por exemplo,

Sr.as

e Srs. Deputados, a inação da ARS Norte e do seu Presidente? Ou existem planos para entregar este

Centro à misericórdia local, por exemplo? É preciso pôr estas questões e exigem-se respostas.

Não há nada que justifique a não abertura imediata do Centro de Reabilitação do Norte, concluído desde

agosto de 2012, e que continua inexplicavelmente fechado. A sua manutenção significa que se gasta dinheiro

sem contrapartidas para os doentes que dele necessitam.

Páginas Relacionadas
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 112 32 PPP em Portugal. E, a partir deste relatório,
Pág.Página 32
Página 0033:
12 DE JULHO DE 2013 33 Protestos do Deputado do PS Manuel Pizarro.
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 112 34 É um falso problema, porque 1% do orça
Pág.Página 34
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 112 36 O seu pleno funcionamento vai proporcionar ga
Pág.Página 36
Página 0037:
12 DE JULHO DE 2013 37 Último facto e, porventura, o mais relevante de todos: este
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 112 38 Sr. Deputado, não são as empreitadas, as sube
Pág.Página 38
Página 0039:
12 DE JULHO DE 2013 39 Vamos passar ao ponto 5 da ordem de trabalhos, que consiste
Pág.Página 39