O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 5

8

O Sr. Mota Andrade (PS): — Lamentamos que esta maioria, não tendo qualquer proposta para melhorar

as condições de vida dos portugueses, passe a vida a chumbar as propostas que o Partido Socialista

apresenta!

Aplausos do PS.

A Sr.ª Presidente: — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado Hélder Amaral, do CDS-

PP.

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Sr.ª Presidente, Sr. Deputado Mota Andrade, o problema de a maioria

aprovar ou não propostas do Partido Socialista não depende da nossa vontade, mas, sim, em muito, da

qualidade dessas propostas.

Aplausos do CDS-PP.

Pensei que a vitória alcançada pelo Partido Socialista nas últimas eleições autárquicas teria trazido algum

bom senso e alguma ponderação a essa bancada. Um partido que tem o historial de levar o País — parece

uma teimosia — sistematicamente à beira da bancarrota, vir agora com um conjunto de propostas…

Protestos do Deputado do PS Mota Andrade.

Falemos, então, dos últimos seis anos.

Os dados são factuais: os senhores assinaram o Memorando, negociaram-no e pediram ajuda externa para

o País. No entanto, não encontro uma única proposta que não seja a redução, a anulação, a eliminação do

que deve ser o necessário equilíbrio das contas públicas!? No discurso, o Partido Socialista até diz que a

prioridade é pagarmos a dívida, mas cada vez que apresenta uma proposta lá vai uma «machadada» nas

condições necessárias para pagar a dívida.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Exatamente!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — É algo que não consigo perceber, Srs. Deputados. Não consigo

perceber!

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Vendo bem, até percebo: VV. Ex.as

querem «chuva no nabal e sol na

eira», mas, às vezes, Sr. Deputado, parecem querer mesmo «plantar o nabal na eira»! O que é

completamente impossível.

Vamos a uma das propostas que, em qualquer comício, o Secretário-Geral do seu partido fazia sempre,

com ar mais convicto ou menos convicto: «Baixar o IVA da restauração» — é algo que parece ser a última

coca-cola do deserto.

O setor tem problemas sérios, é verdade…

O Sr. Pedro Jesus Marques (PS): — Não ofenda o setor!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — O Sr. Deputado não precisa de fazer esse aparte, porque conheço,

seguramente, o setor muito melhor do que V. Ex.ª!

O Sr. Pedro Jesus Marques (PS): — Não pareceu!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Portanto, sei que não firo o setor.

Páginas Relacionadas
Página 0011:
4 DE OUTUBRO DE 2013 11 Vozes do CDS-PP: — Muito bem! O Sr. Jo
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 5 12 Uma das iniciativas pretende reduzir o IVA da r
Pág.Página 12
Página 0013:
4 DE OUTUBRO DE 2013 13 interioridade. O interior do País tem sido mais atacado pel
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 5 14 O Sr. João Ramos (PCP): — Sr.ª Presidente, Sr.
Pág.Página 14