O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

5 DE DEZEMBRO DE 2013

49

porque os senhores, com as vossas prioridades e bondades da treta, o que dizem é que a cultura, o apoio à

arte tem de ser cortado, quando, em PPP, pagam o equivalente a um século de apoio às artes. Se juntarmos,

este ano, PPP mais swaps, vão dois séculos de apoio às artes e, sim, o vosso discurso sobre a cultura é uma

treta, a vossa política não, é uma política assassina!

Aplausos do BE.

Protestos do PSD e do CDS-PP.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Para uma intervenção, tem a palavra, Sr. Deputado Miguel Tiago.

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Sr.ª Presidente, Srs. Deputados: Confesso alguma dificuldade em responder

ao vazio das intervenções dos partidos que sustentam o Governo que liquida a cultura em Portugal, mas esse

vazio talvez revele a ausência de disponibilidade para fazer um debate sério sobre a política cultural em

Portugal ou, até mesmo, o que me custa a crer, um desconhecimento total sobre aquilo de que estamos aqui a

falar.

Este rumo é o rumo da destruição da cultura e, Srs. Deputados, é bom que tenhamos consciência de que a

destruição da cultura implica, em primeiro lugar, o encerramento ou a redução da programação das

companhias e a redução do seu pessoal, prejudicando os trabalhadores da cultura, que dedicaram décadas da

sua vida e todo o seu esforço diário a produzir cultura para que o povo português pudesse ter acesso às suas

produções. Os segundos prejudicados somos todos nós, que deixamos de ter acesso à produção cultural, por

força das políticas deste Governo, em frontal contradição com a Constituição da República Portuguesa e o

direito à cultura.

Sr.ª Deputada Inês Teotónio Pereira, como ainda dispõe de tempo — já a Sr.ª Deputada do PSD não tem

—, aproveite o tempo de que dispõe para garantir aqui ou para que o CDS dê aqui garantias de que os

concursos anuais e pontuais de 2014 vão ser realizados e vão assegurar as necessidades das companhias. É

que até isso o Sr. Secretário de Estado não foi capaz de assumir na discussão do Orçamento do Estado, mas

este é um risco que hoje impende sobre as estruturas de criação artística.

Srs. Deputados, só naquela operação que aqui nos mostraram como uma grande conquista sacrificaram

mais de uma centena de milhões de euros, o que dava para pagar qualquer coisa como 10 anos de apoio às

artes em Portugal.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Pode concluir, Sr. Deputado.

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — É daí que vem o «altar» da troica, Sr.ª Deputada, e peço desculpa se ofendi

a sua religião.

Aplausos do PCP.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Heloísa

Apolónia.

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sr.ª Presidente, Srs. Deputados: A propósito da intervenção da

Sr.ª Deputada Inês de Medeiros, gostava só de clarificar aqui uma questão relativamente à proposta de Os

Verdes. É que a proposta que Os Verdes fazem é de recomendação ao Governo para que garanta que a

DGArtes (Direção-Geral das Artes) disponha de recursos financeiros que permitam salvaguardar e dignificar a

cultura em Portugal. Ou seja, aquilo a que apelamos é ao aumento do apoio às artes, que teve um corte

hipersubstancial, e exemplificamos com projetos como o FITEI, para que não fiquem desarmados de apoio

público, isto é, apelamos a que projetos com esta substancial importância no País não fiquem sem apoio

público. Por isso, não estamos aqui a querer atribuir nada diretamente a um determinado projeto, estamos a

pegar na relevância do projeto e a exemplificar que projetos com esta relevância não devem ficar sem apoio.

Páginas Relacionadas
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 24 42 A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Sr.ª Presidente, Srs
Pág.Página 42
Página 0043:
5 DE DEZEMBRO DE 2013 43 (2.ª) — Pela continuação do Festival Internacional de Teat
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 24 44 Dir-se-á que, em alturas de crise, é difícil f
Pág.Página 44
Página 0045:
5 DE DEZEMBRO DE 2013 45 seja, por mais justas que sejam as decisões dos júris, não
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 24 46 Devo aqui recordar que a sua existência ou a r
Pág.Página 46
Página 0047:
5 DE DEZEMBRO DE 2013 47 causa é simples: o FITEI não conseguiu apresentar uma cand
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 24 48 Em relação ao projeto de resolução do Partido
Pág.Página 48
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 24 50 Aquilo que dizemos é que, se o apoio às artes
Pág.Página 50