O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

7 DE DEZEMBRO DE 2013

47

Srs. Deputados, conforme consta do guião de votações, vamos começar por apreciar o voto n.º 163/XII

(3.ª) — De pesar pelo falecimento de Nelson Mandela, subscrito por todos os grupos parlamentares

juntamente com a Presidente.

Como costuma acontecer sempre que um voto é subscrito por todos os grupos parlamentares, o voto não é

lido, havendo lugar a intervenções de todos os partidos.

Antes das diversas intervenções, não resisto a deixar uma nota pessoal, inevitável, sobre o falecimento de

Nelson Mandela.

Começaria, desde logo, tomando por antonomásia as palavras de um seu discurso, dizendo que este é um

dia de tristeza para o espírito humano.

É muito difícil, perante a gigantesca realidade de Mandela, a suficiência das palavras.

Com alguma humildade, gostaria de deixar dois ou três registos, partilhando este arrepio de tristeza que a

todos nos atinge.

O primeiro registo é o que tem a ver com o facto de Mandela simbolizar a capacidade imensa que um

homem só tem para transformar o mundo, uma grandeza sem limites, como se um homem só fosse — e, na

verdade, é — capaz de ser um exército.

O segundo registo é para referir o que ele nos deixa de mensagem implícita, mas muito intensa: toda a

injustiça é sempre a prazo, porque a injustiça é contra a razão e porque é contra a razão não perdura.

A outra referência que gostaria de deixar tem a ver com o seu longo tempo de espera na prisão, com o

silêncio ou quase-silêncio, com a inércia ou quase-inércia de uma comunidade internacional, que foi capaz de

conviver tanto tempo com o absurdo da injustiça e da iniquidade.

Essa culpa coletiva que todos, de um modo ou de outro, arrastamos, obriga-nos, em honra da memória de

Mandela, a olhar para outros lugares onde a injustiça mora.

A grandeza de Mandela não se exprimiu apenas na dificuldade da luta — muitas vezes é mais difícil fazer a

paz do que fazer a luta —, foi, depois do apartheid, a grandeza da superação do ressentimento, a capacidade

de evitar e de contornar a fratura.

Quando o apartheid terminou, Mandela lutou, do mesmo modo, por um convívio equilibrado e digno entre

os homens; lutou por um convívio digno e humano entre todos.

A frase de Mandela que registo «eu sou o senhor do meu destino» é, nem mais, nem menos, do que a

afirmação viva, e no terreno, da dedução transcendental kantiana, que é o pressuposto universal de toda a

justiça: a capacidade imensa de raciocinar e de agir que é inerente ao ser humano.

Srs. Deputados, Srs. Membros do Governo, com o arrepio de quem hoje sente na memória de Mandela o

impulso de um dever de libertação de todos e para todos, que nos cabe a nós como agentes políticos, deixo

aqui o registo da minha imensa tristeza e também um sentimento quase paradoxal de privilégio de poder ter a

oportunidade de manifestar aqui, em lugar público, a minha imensa dor como ser humano.

Srs. Deputados, todos os grupos parlamentares usarão agora da palavra pela ordem que está

consensualizada: do maior partido para o mais pequeno.

Dou, pois, a palavra, em primeiro lugar, ao Sr. Deputado António Rodrigues, do PSD.

O Sr. António Rodrigues (PSD): — Sr.ª Presidente, Srs. Membros do Governo, Srs. Deputados: Uma

primeira referência, desde logo, para assinalar que o Governo também se quis associar a este voto. Raras são

as vezes em que se consegue uma unanimidade tão global.

Essa é a primeira expressão que julgo que podemos agregar ao espírito de Nelson Mandela, pela sua obra,

pela forma como progrediu, ao longo de toda a vida, entre o momento em que decidiu lutar pela liberdade, o

momento em que se viu privado da liberdade e, depois dela, continuar a trilhar o caminho da liberdade.

Liberdade é, seguramente, uma expressão de uma dimensão absoluta, que casa com o espírito e com a

personalidade de Nelson Mandela.

Mas há uma segunda expressão da qual não o podemos dissociar: a humildade. Como ninguém, ao longo

de tudo aquilo por que passou — algemado, preso, sujeito a sevícias, escondido dos olhares de todos nós e

do mundo —, ele atraiu sobre si, sempre com atenção, sempre com cuidado e sempre com espírito de

humanidade, a atenção de todos, mas, ao mesmo tempo, com um espírito humano de uma candura, de uma

forma tão discreta, que podemos dizer que ele representava também o lado discreto da liberdade, com a

humildade com que encarava toda a vida e tudo aquilo que lhe tinha acontecido.

Páginas Relacionadas
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 25 8 Primeiro: se não há intenção de fechar, então q
Pág.Página 8
Página 0009:
7 DE DEZEMBRO DE 2013 9 Penso que é da maior e mais elementar justiça recordar aque
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 25 10 estejamos aqui e para que seja um dia de comem
Pág.Página 10
Página 0011:
7 DE DEZEMBRO DE 2013 11 Pela nossa parte, gostava de deixar já claro que o PCP est
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 25 12 Porém, gostávamos de chamar a atenção para a c
Pág.Página 12
Página 0013:
7 DE DEZEMBRO DE 2013 13 A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Muito bem! <
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 25 14 O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): —
Pág.Página 14