O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

11 DE JANEIRO DE 2014

7

recorrer, muitas vezes, e sistematicamente, a outro tipo de terapêuticas em consequência da doença rara de

que são portadores. Por isso, esse conjunto de medicamentos também deveria ser objeto de um tipo de

comparticipação como é o caso do escalão A.

Não temos nada a opor aos projetos de lei apresentados pelo CDS e pelo Partido Ecologista «Os Verdes»,

bem pelo contrário, saudamos a sua apresentação e votaremos favoravelmente. No entanto, consideramos

que deveríamos abranger todos os portadores de doenças raras. Este seria um pequeno passo para um

Estado mais justo e mais fraterno.

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Maria Antónia

Almeida Santos.

A Sr.ª Maria Antónia Almeida Santos (PS): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Falamos hoje de

ictiose, uma doença rara e desconhecida de quase todos nós, incluindo de mim própria. Tive conhecimento

desta doença através das minhas funções na Comissão Parlamentar de Saúde e através da ação empenhada

e do trabalho incansável da respetiva associação, aproveitando, assim, para saudar a Sr.ª D. Vera Beleza, que

aqui se encontra em representação de todos os doentes portadores de ictiose.

Sabemos que esta é uma doença estigmatizante e que traz muito sofrimento às pessoas que dela

padecem. Neste momento, ainda é uma doença que está revestida de uma grande injustiça em relação à

comparticipação dos medicamentos e em relação a outras doenças similares, digamos assim. Trata-se de uma

doença que tem sido maltratada, até talvez pelo desconhecimento, e a exclusão desta doença da

comparticipação dos medicamentos no escalão A não tem qualquer justificação técnica nem mesmo, diria eu,

económica.

Como já referi, as pessoas portadoras de ictiose não têm, atualmente, qualquer tipo de proteção ou de

apoio específico de natureza económica para a aquisição dos produtos ou dos serviços de saúde de que

carecem para o tratamento dessa doença.

Sr.as

e Srs. Deputados, já basta o sofrimento com que os portadores de ictiose se têm de confrontar todos

os dias, por isso foi em boa hora que agendaram estas iniciativas de modo a colmatar tal injustiça.

Quanto ao projeto de lei do Bloco de Esquerda, embora com um âmbito completamente diferente ou, pelo

menos, sendo mais abrangente, penso que é de extrema justiça, mas como referiu a Sr.ª Deputada Helena

Pinto, precisamos de fazer um trabalho mais exaustivo em termos de especialidade, no âmbito da respetiva

comissão.

Se falarmos em justiça, é evidente que se trata de uma situação injusta, pelo que seria bom, de uma vez

por todas, pensarmos em fazer um trabalho para consagrarmos o direito ao regime de comparticipação de

todas as doenças e não estarmos a analisar doença a doença ou de forma casuística.

O Grupo Parlamentar do Partido Socialista continuará a acompanhar este assunto com preocupação e

espera que esta situação de extrema injustiça seja resolvida a breve prazo.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Ricardo

Baptista Leite.

O Sr. Ricardo Baptista Leite (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Permitam-me que, entre os

diplomas em discussão, dê destaque ao projeto de lei do CDS-PP, que tem o cunho pessoal do nosso João

Serpa Oliva.

Vinculados que estamos pelo Juramento de Hipócrates enquanto colegas da profissão médica, considero

um privilégio poder partilhar da amizade de João Serpa Oliva, sobretudo pela admiração que tenho pela forma

como exerceu o seu mandato de Deputado, sempre de forma altruísta e em defesa dos doentes, não podendo

deixar de referir que o lavrar desta proposta que hoje se apresenta não foi exceção.

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 35 4 O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Srs. Depu
Pág.Página 4
Página 0005:
11 DE JANEIRO DE 2014 5 Não existindo atualmente uma cura para esta doença,
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 35 6 Importa ainda referir que não existe genérico p
Pág.Página 6
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 35 8 Quero também cumprimentar de forma muito sentid
Pág.Página 8
Página 0009:
11 DE JANEIRO DE 2014 9 Neste debate, queremos também mencionar uma outra qu
Pág.Página 9