O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

20 DE FEVEREIRO DE 2014

39

Segundo o Governo de então, esta fusão iria melhorar a prestação de cuidados de saúde às populações.

Contudo, utentes, profissionais de saúde, autarquias locais e populações recearam os efeitos negativos desta

fusão no que ao acesso dos cidadãos aos serviços de saúde respeita e aos serviços de proximidade.

E tinham razão para recear, porque os resultados dessa fusão acabaram por se traduzir numa redução

acentuada de valências nos polos de saúde de Águeda e de Estarreja e no desmantelar dos seus serviços de

referência.

Assim, a Unidade de Cirurgia de Ambulatório em Estarreja, considerada uma das melhores do País, tem

vindo a ser paulatinamente desmantelada. Aliás, até 15 de setembro de 2013, esta Unidade dispunha de

quatro dias completos de cirurgias por semana, passando este valor para metade até ao final de dezembro, ou

seja, apenas dois dias completos de cirurgias, e, pior, a partir de janeiro de 2014 apenas se efetuam cirurgias

durante dois meios-dias por semana.

Quanto ao Hospital de Águeda, desde a sua integração no Centro Hospitalar do Baixo Vouga, começou a

perder valências e serviços de forma muito preocupante. Isto já para não falar do Serviço de Urgência Básica

do Hospital Distrital de Águeda que assiste a uma verdadeira rutura no que diz respeito aos recursos

humanos. Aliás, a perda de serviços e valências nos polos de Estarreja e de Águeda estão a colocar em causa

a própria existência destas duas unidades hospitalares, piorando o acesso e a prestação de cuidados de

saúde à população.

Por isso, procurando ir ao encontro das pretensões dos peticionantes, Os Verdes apresentam a sua

iniciativa legislativa no sentido de garantir o acesso e qualidade dos serviços de saúde às populações de

Águeda e de Estarreja, porque a saúde continua a ser um direito e o Governo tem a obrigação de garantir o

exercício desse direito, que é o direito à saúde.

Vozes do PCP: — Muito bem!

O Sr. Presidente (António Filipe): — Para apresentar o projeto de resolução do PCP e para se pronunciar

sobre a petição, tem a palavra a Sr.ª Deputada Paula Baptista.

A Sr.ª Paula Baptista (PCP): — Sr. Presidente, Srs. Deputados: Em nome do PCP, quero saudar os mais

de 10 000 peticionários que subscreveram a petição sobre a defesa do Hospital de Águeda e a manutenção

dos seus serviços e valências na região.

Gostaria de referir que esta petição demonstra bem o descontentamento da população com o

esvaziamento do Hospital de Águeda. A redução de valências deste Hospital insere-se num processo de

desmantelamento e de destruição do Serviço Nacional de Saúde, impede os utentes que tenham acesso aos

cuidados de saúde mais diferenciados e mais próximos da sua área de residência e, por outro lado, os utentes

são empurrados para o Hospital de Aveiro, onde os custos com as deslocações podem constituir, na sua

prática, um impedimento para acederem à saúde.

Gostaria, ainda, de lembrar que o Hospital de Aveiro tem sido notícia não pelos melhores motivos,

nomeadamente pelos serviços insuficientes prestados às populações, e o PCP tem confrontado o Governo

com esta situação.

Contrariamente ao que o Governo apregoa, a política de redução e encerramento de serviços e valências

das unidades hospitalares não contribui para a melhoria de acesso aos cuidados de saúde pelos utentes;

muito pelo contrário, dificulta o acesso, como está a ocorrer em Águeda. O verdadeiro objetivo do Governo é

reduzir despesas à custa da saúde dos utentes.

A atual política na área da saúde não é nenhuma inevitabilidade. Para além de uma imposição do pacto de

agressão da troica, trata-se também de uma clara opção ideológica deste Governo de atacar o Serviço

Nacional de Saúde.

Assim — são estas as propostas do PCP —, é fundamental que se mantenha o funcionamento do Hospital

Distrital de Águeda e que se reponham os serviços e valências retirados, bem como se avaliem as

necessidades de saúde da população, atendendo às suas características e considerando também as

acessibilidades e mobilidades, assim como as condições económicas.

Páginas Relacionadas
Página 0033:
20 DE FEVEREIRO DE 2014 33 Aplausos do PSD e do CDS-PP. O Sr. Preside
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 51 34 Logo que conclui as consultas às bases de dado
Pág.Página 34
Página 0035:
20 DE FEVEREIRO DE 2014 35 O Sr. Presidente (António Filipe): — Para uma int
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 51 36 Ainda assim, poder-se-á encontrar alguma forma
Pág.Página 36
Página 0037:
20 DE FEVEREIRO DE 2014 37 A intenção é válida — já aqui foi sublinhado —, mas a so
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 51 38 para tanto, não apenas aos contributos das ent
Pág.Página 38