O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

29 DE MARÇO DE 2014

39

e houve mesmo, ao contrário do que ontem foi sido dito à saída da reunião do Conselho de Ministros. Houve

mesmo um briefing e foi um secretário de Estado que lançou para a comunicação social aquelas que são as

ideias que o Governo quer levar por diante.

Ao mesmo tempo, estava aqui o líder da bancada parlamentar da maioria a dizer o que é que o Governo já

quer fazer, também, aos salários da Administração Pública. Por isso, sabemos bem o que é a troica e o que é

o pós-troica. Basta olhar para as palavras. Afinal, o que separa a troica do pós troica são mais uns pozinhos

de austeridade que vêm a seguir, porque os cortes, esses, o Governo garante que estão cá para ficar.

E é porque não aceitamos essa escolha, porque consideramos que isso não é inevitável, que propusemos

a alternativa, a alternativa que defende as pessoas mas ataca os especuladores. Por isso, juntamos a nossa

voz àquele que, agora, é o clamor nacional…

O Sr. Luís Menezes (PSD): — Clamor nacional onde?!

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — … de reestruturação da dívida pública, de retirar da finança aquela que

é a possibilidade de crescimento do País, de retirar dos especuladores o garrote que fazem à vida das

pessoas.

Com toda a responsabilidade, dizemos que temos uma alternativa. Sabemos bem que não é a alternativa

do Governo, porque esse não tem uma única alternativa que não a austeridade, é alternativa daqueles que se

levantam por um país e que dizem que não querem mais 20 anos como os três que viveram agora. Essa é a

escolha de quem não tem ideias para lá da austeridade, para lá dos cortes e essa é a escolha que hoje o

Governo não quis discutir, que hoje o Governo pretendeu esconder.

Por isso, da parte do Bloco de Esquerda, existe toda a frontalidade, toda a política olhos nos olhos, toda a

crítica. Não aceitamos mais 20 anos a empobrecer, a cortar salários, a cortar pensões. Não aceitamos isso

para pagar a dívida aos especuladores. Os trabalhadores, os pensionistas, os jovens, aqueles que querem

viver em Portugal, não aceitam pagar com as suas vidas para o gozo da finança.

Aplausos do BE.

Entretanto, reassumiu a presidência a Presidente, Maria da Assunção Esteves.

A Sr.ª Presidente: — Para encerrar o debate, tem a palavra o Sr. Vice-Primeiro-Ministro.

O Sr. Vice-Primeiro-Ministro: — Sr.ª Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Se bem me lembro do que é a

praxe da Casa em matéria de interpelações, e eu faço parte daqueles que se orgulham de ser eleitos para o

Parlamento de Portugal, o risco das interpelações é que não basta dizer o que não se quer, é preciso dizer

como é que se faria diferente e melhor.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Desse ponto de vista, creio que os Deputados do Bloco de Esquerda, embora tenham colocado problemas

interessantes, evidentemente, não ofereceram nenhuma solução razoável.

Diria até mais: o Bloco de Esquerda anunciou hoje que denunciaria unilateralmente o tratado orçamental.

Vozes do CDS-PP: — Exatamente!

O Sr. Vice-Primeiro-Ministro: — Ora, Srs. Deputados, lendo o vosso texto, isso significa uma evolução

que devemos ter em conta. Muitas vezes diz-se, à esquerda, que há consenso à esquerda e os senhores

dificultaram muito a vossa vida a partir de hoje.

O Sr. Hugo Lopes Soares (PSD): — Muito bem!

Páginas Relacionadas
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 67 46 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Sr.ª Presiden
Pág.Página 46