O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 101

52

Sr.ª Ministra da Agricultura, sob o pretexto do saneamento financeiro da Casa do Douro, absolutamente

necessário, o que se está a fazer é uma outra coisa, que não tem a ver com o saneamento financeiro da Casa

do Douro, é extinguir a Casa do Douro! A Casa do Douro é extinta! Há uma privatização encapotada para uma

entidade terceira, uma entidade privada.

A questão não é a da inscrição obrigatória, nem a da inscrição livre, mas o facto de haver uma associação

pública com competências públicas, e é isso que está a ser extinto, dando a falsa imagem de que há uma

transmissão da Casa do Douro para outra entidade que também será Casa do Douro, mas não é verdade. Há

uma manipulação do logo da Casa do Douro, que será atribuído a uma entidade privada.

Portanto, temos aqui uma primeira questão, que é a mudança da natureza da Casa do Douro, e esta

extinção significa que ela é acompanhada do despedimento dos trabalhadores e significa também que perde

um conjunto de competências, desde logo, a capacidade (que estava realmente inibida, devido a outros

fatores, mas que tinha do ponto de vista geral) de intervir no mercado para ajustamento de preços, até aquilo

que se adivinha estar por detrás de todo este projeto, que é a incapacidade de uma associação com

competências públicas vir a determinar como funciona o benefício, como funciona a relação entre a produção

e o comércio. E isto é o que está já mais ou menos ínsito na proposta de lei do Governo.

Portanto, é uma perda absoluta para os produtores. Mais: a forma como é feita a avaliação dos stocks de

vinhos leva, fatalmente, a uma diminuição do rendimento dos produtores.

Opor-nos-emos a esta proposta de lei e verificamos, objetivamente, que o Governo não tem nenhum

acordo com a Direção da Casa do Douro para este tipo de dação em cumprimento, mas, no entanto, faz um

ultimato, dizendo que o fará, independentemente da vontade da Direção da Casa do Douro! É um ato

politicamente muito contestável, que nós, aqui, combatemos.

Entendemos que deve haver, de facto, um processo negocial, que devem ser mantidas competências

públicas à Casa do Douro. A questão da inscrição obrigatória não é importante, nem decisiva, neste processo,

o que é importante e decisivo neste processo é manter o Estatuto da Casa do Douro com capacidade

representativa dos produtores e com capacidade de negociar e discutir com o comércio exportador aquilo que

são os vinhos generosos da Região e a fonte de rendimento dos viticultores, que baixou a pique, como é

conhecido, nos últimos anos e que aumentará ainda mais esse fosso se estas medidas do Governo forem por

diante.

Portanto, Sr. Presidente, faço um apelo às bancadas da maioria para que não haja um rolo compressor

legislativo e para que possamos ter a oportunidade, em tempos próximos e em tempos úteis, de ouvir o Douro,

de dialogar com o Douro, dialogar com os produtores e com todos os interessados, e não tomar medidas de

privatização que, já se sabe, mais ou menos, irão recair numa entidade que se insinua que seja a própria CAP

(Confederação dos Agricultores Portugueses).

Ora, isto é um processo absolutamente inaceitável.

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente (António Filipe): — Tem a palavra, para uma intervenção, o Sr. Deputado Abel Baptista.

O Sr. Abel Baptista (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.ª Ministra, Srs. Secretários de Estado, Sr.as

e Srs.

Deputados: A primeira palavra é para dizer que a Região Demarcada do Douro, uma das regiões mais antigas

ou a mais antiga região demarcada do mundo, merece ser reconhecida pelo esforço feito pelas gerações

anteriores, pelo trabalho que têm feito e pela valorização do produto que é hoje o vinho do Douro e o vinho do

Porto.

O Sr. Jorge Machado (PCP): — Por isso merece melhor!

O Sr. Abel Baptista (CDS-PP): — Mas também quero saudar o Governo pelo facto de encontrar,

finalmente, uma solução para uma instituição que surge do movimento corporativo — e não deixa de ser

sintomático que este movimento corporativo seja hoje defendido pelos partidos de esquerda — e que, pelo

menos durante 30 anos, acumulou formas muito difíceis de gestão, acumulou dívidas que atingiram o total de

160 milhões de euros e que, durante 30 anos, não foi capaz de se regenerar, de se refazer e de se tornar uma

Páginas Relacionadas
Página 0049:
28 DE JUNHO DE 2014 49 Com esta proposta de lei, PSD e CDS atacam também e uma vez
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 101 50 Vários Governos tentaram inverter esta situaç
Pág.Página 50
Página 0051:
28 DE JUNHO DE 2014 51 O PSD, o CDS e o Governo estão a terminar o trabalho de dest
Pág.Página 51
Página 0053:
28 DE JUNHO DE 2014 53 associação, uma entidade viável para a defesa dos viticultor
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 101 54 A transformação da Casa do Douro numa associa
Pág.Página 54
Página 0055:
28 DE JUNHO DE 2014 55 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr. Agostinho Sant
Pág.Página 55
Página 0056:
I SÉRIE — NÚMERO 101 56 O Sr. Deputado, como duriense, sabe qu
Pág.Página 56
Página 0057:
28 DE JUNHO DE 2014 57 vez a Casa do Douro falou sobre isso? Nunca! E deveria ter f
Pág.Página 57