O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

11 DE OUTUBRO DE 2014

25

Agora, o Sr. Deputado pode querer dizer o seguinte: «Não, mas a PT é uma empresa importante e,

portanto, achamos que o Estado deveria nacionalizar a PT». Ah, isto não me espanta que o Sr. Deputado o

diga! Não me espanta nada! Mas esta forma de resolver problemas nas empresas portuguesas, Sr. Deputado,

não é a nossa, e não é a nossa hoje, nem será a nossa no futuro.

O Sr. António Filipe (PCP): — A vossa é mandá-las abaixo!

O Sr. Primeiro-Ministro: — Percebo que o Sr. Deputado queira nacionalizar os bancos todos, queira

nacionalizar outra vez todos os sectores estratégicos da economia nacional. Percebo isto tudo, Sr. Deputado.

A Sr.ª Presidente: — Queira concluir, Sr. Primeiro-Ministro.

O Sr. Primeiro-Ministro: — Mas, aqui — é a minha vez de o dizer —, temos realmente uma divergência

que não é possível de ser resolvida.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

A Sr.ª Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado Jerónimo de sousa.

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Sr.ª Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, se está assim tão distante do

problema do Novo Banco, por que é que injetou lá dinheiro?

Vozes do PCP: — Exatamente!

O Sr. Primeiro-Ministro: — Não injetámos!

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Então, esse dinheiro injetado, que é dinheiro do Estado, dos

contribuintes, não tem de ter um acompanhamento e uma responsabilização por parte do Governo?!

Vozes do PCP: — Claro que tem!

O Sr. Primeiro-Ministro: — Nós não injetámos, Sr. Deputado!

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — O Sr. Primeiro-Ministro diz que não, mas, assim, Sr. Primeiro-Ministro,

qualquer um é capitalista. Com essa ajuda e com esse neutralismo do Governo, naturalmente, assistimos

àquilo que estamos a assistir.

O Sr. Primeiro-Ministro: — Grande confusão!

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — E não venha caricaturar as posições do PCP. Aquilo que dizemos em

relação a este caso concreto, tendo em conta o interesse nacional que a PT comporta, tendo em conta que

estão ali milhares de trabalhadores profundamente inquietos hoje, é que o Sr. Primeiro-Ministro deveria ter tido

outra resposta, e não a teve, como, aliás, também não a teve em relação aos professores.

Mas nós temos, de facto, uma solução: acabe com a precariedade.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Faça contratos efetivos e não aquilo que está a fazer e vai ver que

resolve os problemas.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!

Páginas Relacionadas
Página 0031:
11 DE OUTUBRO DE 2014 31 A Sr.ª Presidente: — Com certeza, Sr.ª Deputada.
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 12 32 A Sr.ª Presidente: — Srs. Deputados, vamos vot
Pág.Página 32