O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

17 DE OUTUBRO DE 2014

29

O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — É verdade!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — … quase parecia que se tinham esquecido que congelaram abonos de

família, que congelaram pensões, que congelaram o salário mínimo — que este ano o Governo do PSD e da

maioria veio repor—;…

O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Muito bem!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — … e o outro, na bancada do Partido Socialista — e, neste caso, o PSD diz:

«Bem-vindos ao debate»! —, quando o Sr. Deputado Pedro Delgado Alves veio dizer que está disponível para

as propostas, que está disponível para a discussão…

O Sr. Filipe Lobo d’Ávila (CDS-PP): — Isso foi a seguir à propaganda!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — … e que temos 90 dias para discutir estas questões.

O Sr. António Prôa (PSD): — E se quiserem mais uns dias também pode ser!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — Mas, Srs. Deputados, gostava de, neste momento, referir alguns aspetos

que foram trazidos ao debate e que não podem ser negligenciados.

Deu, ontem, entrada na Câmara o Orçamento do Estado para 2015. Este Orçamento do Estado, pela

primeira vez desde que tivemos um programa de ajustamento, discrimina positivamente as famílias com filhos,

introduz um coeficiente familiar e introduz também no agregado familiar os ascendentes, que são peça

fundamental, para não dizer de apoio, aos pais que têm filhos, pois são os avós que tratam, muitas vezes, das

crianças.

O Sr. Filipe Lobo d’Ávila (CDS-PP): — Muito bem!

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — E porquê?!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — Mas também vamos aumentar as pensões mínimas, vamos devolver o

poder de compra aos pensionistas,…

A Sr.ª Paula Santos (PCP): — Vão repor o que tiraram?!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — … vamos devolver o poder de compra aos funcionários públicos.

O Sr. António Prôa (PSD): — Isso não lhes convém ver!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — E, Srs. Deputados, espanta-me o vosso esquecimento, mas espanta-me,

sobretudo, a vossa falta de atenção: este Orçamento introduz acordos de cooperação que chegam aos 50

milhões de euros. Esqueceram-se desse pormenor, Srs. Deputados?!

O Sr. António Prôa (PSD): — É a chamada «memória seletiva»!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — Um pormenor muito importante, devo dizer. Porquê? Porque é nesse

detalhe, que os senhores não querem ver, que se apoiam creches, que se apoiam jardins de infância, que se

apoiam idosos, que se apoiam ATL.

O Sr. António Prôa (PSD): — Muito bem!

A Sr.ª Paula Santos (PCP): — E a rede pública fica onde?!

Páginas Relacionadas
Página 0035:
17 DE OUTUBRO DE 2014 35 O PSD não recebe lições de autoridade moral de um partido
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 14 36 Submetido à votação, foi aprovado, com
Pág.Página 36