O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

17 DE OUTUBRO DE 2014

7

O Sr. Jorge Machado (PCP): — Querem saber por que é que os portugueses não têm mais filhos? A

resposta é fácil: os portugueses não têm os filhos que querem mas, sim, os filhos que podem ter.

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Exatamente!

O Sr. Jorge Machado (PCP): — E os problemas da maternidade são exclusivamente da responsabilidade

do Governo PSD/CDS-PP, da política de direita que agrava a exploração e tira rendimentos e direitos à grande

maioria dos portugueses. Aí está a resposta ao problema.

Aplausos do PCP.

A Sr.ª Presidente: — A próxima pergunta cabe à Sr.ª Deputada Cecília Honório, do BE.

A Sr.ª Cecília Honório (BE): — Sr.ª Presidente, Sr.ª Deputada Teresa Leal Coelho, saúdo-a pela

apresentação desta iniciativa do PSD, mas não deixo de lhe perguntar se se sente confortável em fazer este

debate, hoje, face ao Orçamento apresentado ontem,…

O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — É de apoio à família!

A Sr.ª Cecília Honório (BE): — … se se sente confortável em fazer este debate, hoje, face a uma proposta

de Orçamento que arrasta a austeridade e diminui as prestações sociais, quando Portugal é um péssimo

exemplo no plano das prestações sociais dirigidas às famílias, tendo, aliás, um dos mais baixos índices ao

nível da zona euro.

Quero perguntar-lhe se não considera, neste debate que deve ser feito com toda a franqueza, que as

políticas do seu Governo tornaram este «inverno demográfico», cientificamente reconhecível, num «glaciar

demográfico».

Sr.ª Deputada, quero dizer-lhe que quando o Prof. Joaquim de Azevedo lançou o repto de que era preciso

passar das palavras aos atos, há mais quem tenha dado boas gargalhadas, porque, como deve imaginar, não

falta aos portugueses em idade para o fazerem, desejo de terem filhos. Aliás, o estudo reconhece que a

fecundidade desejada — 2,31 — é, simplesmente, o dobro da real.

Portanto, não falta aos portugueses desejo de terem filhos, de terem o dobro dos filhos que realmente têm.

O problema, Sr.ª Deputada, não está no desejo, o problema está na realidade resultante das políticas do seu

Governo.

O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Quando é que começou a baixa da natalidade?! Foi agora?!

A Sr.ª Cecília Honório (BE): — O problema está nesta evidência, Sr.ª Deputada: 3 em cada 10 crianças,

em Portugal, são carenciadas. Os últimos dados, divulgados recentemente, apontam para um aumento de 2%

do risco de pobreza infantil.

Mais, Sr.ª Deputada: há meio milhão de jovens que, em Portugal, nem estudam nem trabalham. Os

senhores «correram» com a juventude, obrigaram os jovens a emigrar. Há um desperdício extraordinário

relativamente a uma geração que foi obrigada a emigrar ou não têm oportunidades neste País.

É neste sentido que lhe quero perguntar qual é, afinal, a intenção desta iniciativa. É um ato de

arrependimento? É um ato de contrição? É uma estratégia de branqueamento dos danos sociais das políticas

do seu Governo? Ou é o período de pré-campanha eleitoral em que nos encontramos?

Na verdade, Sr.ª Deputada, se formos olhar para aquilo que hoje vamos votar, que é um projeto de

resolução, não podemos ignorar a componente resolutiva desse projeto. E o que é que lá está escrito? Nada,

Sr.ª Deputada, nada! A proposta que VV. Ex.as

hoje aqui trazem é que a baixa da natalidade se resolve com a

baixa à comissão. Sr.ª Deputada, não pode ser! Por que é que não há propostas concretas para nós podermos

discutir?

O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Faça-as! Faça-as!

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 14 2 A Sr.ª Presidente: — Srs. Deputados, está abert
Pág.Página 2
Página 0003:
17 DE OUTUBRO DE 2014 3 idosos em 2060. Repito: o cenário das projeções do INE tem-
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 14 4 O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Muito bem
Pág.Página 4
Página 0005:
17 DE OUTUBRO DE 2014 5 A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — Desde logo porque o PSD ap
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 14 6 A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — Termino já, Sr
Pág.Página 6
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 14 8 A Sr.ª Cecília Honório (BE): — Por que é
Pág.Página 8
Página 0009:
17 DE OUTUBRO DE 2014 9 A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — Veja os números dos último
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 14 10 Aplausos do PSD. A Sr.ª Presiden
Pág.Página 10
Página 0011:
17 DE OUTUBRO DE 2014 11 Mas faço-lhe, então, outra pergunta. Concorda com todas as
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 14 12 A Sr.ª Presidente: — Para pedidos de es
Pág.Página 12
Página 0013:
17 DE OUTUBRO DE 2014 13 A revisão trimestral do apoio e do abono de família, em fu
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 14 14 A Sr.ª Carla Cruz (PCP): — Aquilo que a propos
Pág.Página 14
Página 0015:
17 DE OUTUBRO DE 2014 15 Protestos da Deputada do PCP Rita Rato. <
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 14 16 concretizar, do relatório que vem em anexo, as
Pág.Página 16
Página 0017:
17 DE OUTUBRO DE 2014 17 Olhemos para o fim dos passes 4-18 e sub-23, que mais uma
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 14 18 Aplausos do PS. Protestos do PSD.
Pág.Página 18
Página 0019:
17 DE OUTUBRO DE 2014 19 O Sr. Pedro Delgado Alves (PS): — … pelo que fez em termos
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 14 20 Aplausos do PSD e do CDS-PP.
Pág.Página 20
Página 0021:
17 DE OUTUBRO DE 2014 21 É também verdade que o Sr. Deputado, ao fim de 14 minutos,
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 14 22 acriticamente e a medida em causa, a confirmar
Pág.Página 22
Página 0023:
17 DE OUTUBRO DE 2014 23 meses, mas que Os Verdes poderiam trazer novamente a debat
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 14 24 A Sr.ª Teresa Leal Coelho (PSD): — Sr.ª
Pág.Página 24
Página 0025:
17 DE OUTUBRO DE 2014 25 O que está aqui em causa é, pois, tratar o igual na medida
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 14 26 O Sr. João Oliveira (PCP): — A campanha
Pág.Página 26
Página 0027:
17 DE OUTUBRO DE 2014 27 Com a realização deste debate, o PSD não quer discutir ser
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 14 28 A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Muito bem!
Pág.Página 28
Página 0029:
17 DE OUTUBRO DE 2014 29 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — É verdade! <
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 14 30 A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — Os senhor
Pág.Página 30
Página 0031:
17 DE OUTUBRO DE 2014 31 E, ao mesmo tempo, não é possível ignorar que, quando VV.
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 14 32 Nós apresentámos aqui e reapresentámos medidas
Pág.Página 32
Página 0033:
17 DE OUTUBRO DE 2014 33 A Sr.ª Elza Pais (PS): — … sendo que as famílias não têm c
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 14 34 O Sr. Hugo Lopes Soares (PSD): — … os senhores
Pág.Página 34
Página 0035:
17 DE OUTUBRO DE 2014 35 O PSD não recebe lições de autoridade moral de um partido
Pág.Página 35