O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 17

40

O Sr. Abel Baptista (CDS-PP): — Sr. Presidente, Srs. Deputados Miguel Freitas e João Ramos, agradeço

muito as vossas questões e agradeço, desde logo, até em termos políticos, porque, quer um, quer o outro, de

forma diferente, reconhecerem que esta medida que o Governo apresenta é uma excelente medida. Portanto,

vindo isto de dois partidos da oposição, verificamos que o Governo vai bem nesta matéria que diz respeito do

IVA forfetário.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Abel Baptista (CDS-PP): — Quanto à questão do Orçamento do Estado, teremos oportunidade de o

discutir, não vou fugir rigorosamente a nada.

Quanto à redução do Orçamento do Estado (e a pergunta é mais ou menos colocada pelos dois, embora o

Sr. Deputado Miguel Freitas a tenha colocado mais diretamente), diria que a redução do Orçamento do Estado

no que diz respeito à agricultura, de cerca de 11%, os tais 144 milhões de euros — sei e saúdo que isto, de

facto, não é uma redução —, Sr. Deputado Miguel Freitas, o senhor esquece-se que houve uma negociação

feita pelo Governo português junto da União Europeia no sentido de ter uma verba de 500 milhões de euros

sem comparticipação nacional,…

Vozes do CDS-PP: — Ora bem!

O Sr. Abel Baptista (CDS-PP): — … e os agricultores continuarão a beneficiar do apoio sem haver

necessidade do Orçamento do Estado português.

Portanto, uma das medidas é essa. Depois, há outras medidas de racionalização que também estão

previstas no Orçamento do Estado, mas lá iremos, não antecipe a discussão, até porque eu não queria que

me desse alguns dos seus argumentos para eu depois os poder contrapor.

Sr. Deputado Miguel Freitas, não vou dizer quem foi seu o colega porque, primeiro, já cá não está e,

depois, foi numa conversa pessoal, mas, há uns anos, um Deputado do Partido Socialista que tinha tido

responsabilidades governativas, disse-me assim: «Se vocês conseguirem verbas comunitárias que não sejam

da agricultura para o regadio de Alqueva, estarei cá para vos dar os parabéns». Ora, estava à espera que o

Sr. Deputado me viesse dar os parabéns, porque se conseguiram verbas para o regadio do Alqueva que vêm

dos fundos de coesão, que não são da agricultura. E essa também é uma medida positiva que o Partido

Socialista devia saudar e eu estava à espera de o ouvir dizer alguma palavra sobre isso.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Abel Baptista (CDS-PP): — Sr. Deputado Miguel Freitas, sabe a estima e consideração que tenho

por si, pela sua honestidade intelectual, mesmo pela sua honestidade política, tenho de o reconhecer.

O Sr. Artur Rêgo (CDS-PP): — É verdade!

O Sr. Abel Baptista (CDS-PP): — As nossas divergências têm essa marca da lealdade que temos um para

com o outro, mas não esperava ouvi-lo dizer que foi este Governo que criou as regras fiscais para os

pequenos agricultores. O senhor sabe que estas regras fiscais para os pequenos agricultores foram uma

imposição do Tribunal Europeu, que obrigou o Estado português a acabar com um regime excecional que não

estava de acordo com as regras comunitárias.

Portanto, o que foi feito foi o adiamento, o mais possível, do fim dessa exceção e, neste momento, isso não

era possível. Mas estamos disponíveis, com certeza, para estudar medidas alternativas para que isso

aconteça.

Sr. Deputado, quando diz que são menos 60 000 agricultores que estão nessa situação, não é verdade,

repito, não é verdade, porque alguns desses agricultores mantêm-se, só que não estão no regime de exceção

do IVA cujo rendimento é inferior a 10 000 € e passaram a um regime simplificado, sim, mas a um regime

diferente e com a obrigatoriedade do IVA.

Páginas Relacionadas
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 17 48 filhos não foram estudar, não seguiram outra p
Pág.Página 48
Página 0049:
24 DE OUTUBRO DE 2014 49 O Relatório Anual de Segurança Interna tem, como resultado
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 17 50 O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — … e, ao
Pág.Página 50
Página 0051:
24 DE OUTUBRO DE 2014 51 sociedade portuguesa que têm, obviamente, de merecer atenç
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 17 52 O Sr. José Magalhães (PS): — Notem!
Pág.Página 52
Página 0053:
24 DE OUTUBRO DE 2014 53 Aplausos do PS. A Sr.ª Presidente: —
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 17 54 sei se se lembram mas em 2011 não havia dinhei
Pág.Página 54
Página 0055:
24 DE OUTUBRO DE 2014 55 O RASI aponta, na página 403, um enunciado de apreensão de
Pág.Página 55
Página 0056:
I SÉRIE — NÚMERO 17 56 Este Relatório de Segurança Interna refere acr
Pág.Página 56
Página 0057:
24 DE OUTUBRO DE 2014 57 abordar, salientando um aspeto que, julgo, é importante pa
Pág.Página 57
Página 0058:
I SÉRIE — NÚMERO 17 58 Queria também salientar, Srs. Deputados, porqu
Pág.Página 58