O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 31

24

Chegados aqui, aquilo que temos relativamente a este Mosteiro é, exatamente, uma classificação de

imóvel de interesse público, desde 1944, tendo o seu Cruzeiro, que fica na área envolvente, uma classificação

de imóvel de interesse nacional desde 1910. Esta é a verdade dos factos.

Diria até que fico chocado com a intervenção que fez o Sr. Deputado António Braga, que afirmou que isto é

uma recomendação envergonhada. Eu diria, antes, que a sua é que foi uma intervenção envergonhada. E

sabe porque é que a sua intervenção é que foi envergonhada? Porque, ao longo dos anos, o Sr. Deputado,

enquanto eleito pelo distrito de Braga, nunca tomou nenhuma iniciativa no sentido de valorizar e de classificar

este património.

Aplausos do CDS-PP e do PSD.

Quando os outros o fazem, aquilo que o Sr. Deputado nos traz é uma mera crítica para, no fim dessas

críticas lamentáveis, diria eu, dizer que vão votar favoravelmente.

Não negamos, no nosso projeto de resolução, que já há um trabalho efetuado pelos serviços técnicos do

Mosteiro e pela Direção Regional de Cultura.

O Sr. Hugo Lopes Soares (PSD): — Muito bem!

O Sr. Altino Bessa (CDS-PP): — Aquilo que queremos fazer é, exatamente, dar força a esse trabalho que

está a ser feito, com a legitimidade que os Deputados têm de recomendar ao Governo a classificação deste

monumento como monumento nacional.

O PCP criticou muito esta iniciativa quando ela foi falada e fez chacota, diria eu, afirmando que o Mosteiro

de Tibães, eventualmente, se situava numa outra freguesia, a freguesia de Adaúfe, em Guimarães, e fazendo

alguns comentários menos simpáticos, nunca reconhecendo o erro e até fazendo afirmações, que não são

corretas, pela voz do vereador Carlos Almeida, que dizia não ser verdade, que o Mosteiro de Tibães nunca

tenha sido classificado nem sequer como património nacional.

É exatamente isto: é património do Estado, porque, obviamente, foi comprado pelo Estado, mas não é

património nacional, porque nunca foi classificado como imóvel de interesse nacional para ter a classificação

de monumento nacional.

Também a ASPA, Associação para a Defesa, Estudo e Divulgação do Património Cultural e Natural, na

altura em que teceu algumas críticas relativamente à minha intervenção, veio, mais tarde, afirmar:

«Lamentamos o lapso, o estatuto de monumento nacional é mais que merecido, pelo que consideramos

importantes as iniciativas que tenham em vista a reclassificação do Mosteiro de Tibães».

Ficaria bem ao PCP também reconhecer esse erro, porque não é vergonha nenhuma errar.

Aplausos do CDS-PP e do PSD.

O Sr. Presidente (António Filipe): — A Sr.ª Deputada Carla Cruz inscreveu-se para pedir esclarecimentos

ao Sr. Deputado Altino Bessa, mas isso já não é possível, porque o CDS-PP já não dispõe de tempo, a menos

que o PCP aceite conceder o tempo necessário ao Sr. Deputado para responder.

Pausa.

Entretanto, a Sr.ª Deputada Carla Cruz inscreve-se para uma intervenção, mas antes está inscrito o Sr.

Deputado Pedro Filipe Soares.

Se o Sr. Deputado der a sua anuência, dado que são os únicos Deputados inscritos, passo primeiro a

palavra à Sr.ª Deputada Carla Cruz.

Pausa.

Tem, então, a palavra a Sr.ª Deputada Carla Cruz para uma intervenção.

Páginas Relacionadas
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 31 28 dispunha e não tinha outra forma de poder resp
Pág.Página 28
Página 0029:
18 DE DEZEMBRO DE 2014 29 da Convenção de Istambul sem dar a resposta às vítimas de
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 31 30 efetivamente um atentado aos direitos humanos,
Pág.Página 30
Página 0031:
18 DE DEZEMBRO DE 2014 31 promovido importantes debates e reflexões sobre aquilo qu
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 31 32 indefinidamente este processo sem que haja uma
Pág.Página 32
Página 0033:
18 DE DEZEMBRO DE 2014 33 A Sr.ª Cecília Honório (BE): — … e que se tudo isto se pa
Pág.Página 33