O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

20 DE DEZEMBRO DE 2014

43

O líder cubano não deixou de lembrar que continuam presentes grandes diferenças entre Cuba e os

Estados Unidos da América, em áreas tão sensíveis como as dos direitos humanos, política externa e

questões de soberania, mas também demonstrou a sua abertura para a mudança ao afirmar que os países

têm de aprender a viver com as suas diferenças de uma forma civilizada.

Por outro lado, não esqueceu o papel determinante que o Papa Francisco teve em todo este processo de

aproximação entre os dois Estados americanos.

É certo que este foi apenas um primeiro passo num caminho que pode ser longo e, certamente, com

algumas dificuldades. Mas são estes momentos que provam que é possível alcançar o entendimento pela via

pacífica e que nos mostram o quanto errados estão todos aqueles que apenas entendem a violência, a

opressão e o terror como o caminho a prosseguir para alcançarem os seus fins.

Assim, a Assembleia da República reunida em Plenário decide:

a) Congratular-se pela decisão dos Estados Unidos da América e de Cuba de abrirem um novo capítulo na

sua relação reatando as suas relações diplomáticas e os seus laços históricos, tendo em conta o que isso

pode significar social e economicamente pelo expectável levantamento do bloqueio económico;

b) Exortar os líderes dos dois países, não obstante as tensões internas a que vão estar sujeitos, a tudo

fazerem para concretizar com sucesso o processo que aqui se abre, nomeadamente a cessar o processo de

embargo e a promoverem o respeito pelos direitos humanos e pelo direito internacional;

c) Saudar a vontade política do Presidente Obama e homenagear o Papa Francisco, bem como todos os

que proporcionaram este processo negocial que permitiu desbloquear um impasse de décadas.»

A Sr.ª Presidente: — Srs. Deputados, segundo o método solicitado pelo PCP, iremos proceder à votação,

primeiro, das alíneas a) e b) e, depois, da alínea c).

Assim sendo, vamos votar, em conjunto, as alíneas a) e b).

Submetidas à votação, foram aprovadas por unanimidade.

Srs. Deputados, vamos passar à votação da alínea c).

Submetida à votação, foi aprovada, com votos a favor do PSD, do PS, do CDS-PP e BE e abstenções do

PCP e de Os Verdes.

Srs. Deputados, passamos ao voto n.º 236/XII (4.ª) — De saudação à atleta portuguesa de bodyboard

Teresa Almeida (PSD, PS, CDS-PP, PCP, BE e Os Verdes), que vai ser lido pela Sr.ª Secretária, Deputada

Rosa Maria Albernaz.

Tem a palavra.

A Sr.ª Secretária (Rosa Maria Albernaz): — Sr.ª Presidente e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«Teresa Almeida, atleta de 22 anos, natural da freguesia do Vimeiro, concelho de Alcobaça, venceu o

Campeonato do Mundo de Bodyboard que contou com a participação de mais de 170 atletas de 27 países

disputado no Chile, no passado dia 12 de dezembro.

O título alcançado pela atleta portuguesa campeã do mundo de bodyboard, para além de ser motivo de

orgulho para todos os portugueses, é uma mensagem importante para a juventude de determinação,

dedicação e resiliência e um incentivo que deverá levar mais jovens a praticar esta modalidade.

Para além do título mundial, Teresa Almeida havia já conquistado o segundo lugar no campeonato da

Europa, disputado em Marrocos, em outubro passado.

Além da medalha de ouro de Teresa Almeida, a seleção portuguesa conquistou ainda uma medalha de

bronze, por Madalena Guerra, em sub-18, e Miguel Adão, campeão da Europa, terminou em quarto, na

mesma categoria masculina.

Este grande sucesso muito dignifica o desporto nacional e é prova do excelente trabalho que a Federação

Portuguesa de Surf e Associação Portuguesa de Bodyboard têm vindo a realizar nos últimos anos, sendo um

exemplo da nova era do associativismo desportivo em Portugal.

Páginas Relacionadas
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 33 42 Integrando-o desde o seu início, Vítor Crespo
Pág.Página 42