O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

22 DE JANEIRO DE 2015

35

que é também imperativo implementar em Portugal, pelas crianças e por sermos contra a discriminação — há

que dizê-lo com todas as letras!

Aplausos de Os Verdes, do BE e de Deputados do PS.

A Sr.ª Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Rita Rato.

A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Sr.ª Presidente, Srs. Deputados: Com este debate, retomamos hoje a discussão

da adoção por casais de pessoas do mesmo sexo.

Por não ser a primeira vez que discutimos esta matéria, é útil enquadrar a questão na reflexão

anteriormente feita, confrontando-a com a realidade atual.

Esta questão, direta e indiretamente, tem sido ao longo dos anos alvo de discussão e análise na sociedade

e no Parlamento, designadamente aquando das discussões realizadas a propósito das alterações ao regime

do casamento ou da coadoção, cujo lamentável desfecho, imposto pelo PSD, pôs fim à discussão sem permitir

a conclusão do processo legislativo.

Em debates anteriores, afirmámos ser útil separar e resolver em primeiro lugar a questão do casamento,

aprofundando a reflexão sobre a adoção e avaliando-a em momento posterior.

Afirmámos igualmente que respeitamos as compreensíveis expectativas e sentimentos dos que pretendem

ver consagrada a possibilidade de adoção que hoje lhes está vedada, que não ignoramos as situações

concretas, de famílias constituídas, de ligações de afeto e de relações efetivas de parentalidade e filiação, e

que procuramos refletir sobre estas importantes questões com profundidade.

O debate continuou a aprofundar-se na sociedade portuguesa e registam-se evoluções.

O balanço que é hoje possível fazer da alteração legal que consagrou a possibilidade do casamento entre

pessoas do mesmo sexo é também de uma evolução, no sentido de uma maior aceitação social da realidade

destes casais e famílias.

A possibilidade do casamento gerou, por outro lado, novos problemas e dificuldades na organização de

vida destas famílias, às quais também é necessário responder.

É neste quadro social que devemos considerar a questão da adoção.

Continuamos a enfrentar hoje a realidade de crianças que crescem institucionalizadas, à espera de serem

adotadas. E de casais de pessoas do mesmo sexo que querem adotar, mas são impedidos pela lei de o fazer

em conjunto, vendo-se obrigados a fazê-lo individualmente, adiando ou ocultando a realidade da organização

da sua vida em comum.

Se anteriormente eram determinantes as preocupações quanto à possibilidade de estigmatização ou

discriminação destas famílias, hoje registamos sinais de progressiva aceitação e integração social destes

casais na sociedade portuguesa.

Não esquecendo nem desvalorizando a necessidade de resolver os graves problemas que hoje persistem

no âmbito da adoção, queremos sinalizar a evolução que se regista em relação a esta matéria e, por isso,

votaremos favoravelmente os projetos apresentados.

Aplausos do PCP, do BE, de Os Verdes e de Deputados do PS.

A Sr.ª Presidente: — Também para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Teresa Anjinho.

A Sr.ª Teresa Anjinho (CDS-PP): — Sr.ª Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Pela quarta vez, nesta

Legislatura, discutimos este tema.

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Esperemos que chegue!

A Sr.ª Teresa Anjinho (CDS-PP): — E, pela quarta vez, quero sublinhar que, para o CDS, o direito de

qualquer ser humano não ser discriminado em razão da ascendência, sexo, raça, língua, território de origem,

religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação

Páginas Relacionadas
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 40 22 Relativamente ao Decreto-Lei n.º 175/2014, de
Pág.Página 22
Página 0023:
22 DE JANEIRO DE 2015 23 A opção não está em vender a TAP mais depressa ou mais dev
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 40 24 Sr. Secretário de Estado, também já lhe temos
Pág.Página 24
Página 0025:
22 DE JANEIRO DE 2015 25 Está em causa a garantia de que a TAP, depois deste proces
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 40 26 A Sr.ª Carina Oliveira (PSD): — Claro!
Pág.Página 26
Página 0027:
22 DE JANEIRO DE 2015 27 Para além disso, a TAP é a maior exportadora nacional e ac
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 40 28 Mais: quer obrigar a empresa que ficar com a T
Pág.Página 28
Página 0029:
22 DE JANEIRO DE 2015 29 Quanto a esta matéria, há um largo consenso nesta Câmara.
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 40 30 nomeámos a comissão de acompanhamento mais tar
Pág.Página 30
Página 0031:
22 DE JANEIRO DE 2015 31 Aplausos do PS. A Sr.ª Presidente: —
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 40 32 meu colega Adolfo Mesquita Nunes tem feito na
Pág.Página 32