O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 58

12

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — É igual!

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Na altura, tínhamos mais défice do que temos hoje.

E, na altura, vínhamos de um ano onde tínhamos tido recessão económica; agora, terminámos o ano de

2014 com um crescimento da nossa economia.

Pois todos estes dados, todos estes resultados conjugados têm sido preponderantes para que as pessoas

tenham mais oportunidades, tenham mais emprego e, por isso mesmo, está a chegar à vida quotidiana de

cada um, de cada português, independentemente de muitos ainda estarem em dificuldade, o efeito daquilo que

tem sido o percurso e as políticas do Governo.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Esse é o país da Disney!

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — E falaram em concreto — para não estarmos a falar só de economia —

de um serviço público essencial, o da saúde.

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — E de saúde!

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Ora, vamos lá, então, falar de saúde.

Sr.as

e Srs. Deputados, é verdade ou é mentira que em 2014, no Serviço Nacional de Saúde, houve mais

médicos, mais consultas, mais cirurgias e mais episódios de urgência que foram tratados?

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Mas mais, Srs. Deputados: nós, hoje, podemos dizer que as taxas moderadoras, por exemplo, têm mais

isenções do que em 2011. Alargámos a isenção de taxas moderadoras para mais de 1 milhão de pessoas em

Portugal.

Mas mais, Srs. Deputados: os medicamentos, hoje, são mais baratos, sobretudo para quem tem mais

dificuldades,…

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Mas não têm dinheiro!

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — … e são mais baratos à custa das margens das farmacêuticas e das

farmácias, Srs. Deputados!

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Querem falar de saúde? Querem falar das políticas setoriais? Nós falamos da saúde e das políticas

setoriais, porque também aí, Srs. Deputados, os efeitos da política de rigor, de disciplina, de coragem, de

transformação de muitos métodos da Administração estão a ser eficientes, estão a gerar eficiência no Estado

e estão ao serviço dos cidadãos.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Vá falar com as pessoas!

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Claro que os Srs. Deputados gostam muito de empolar determinados

episódios, nomeadamente o pico da gripe, para tentar evidenciar o contrário.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Não são «determinados episódios», são por todo o lado!

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Mas esta é a realidade, Srs. Deputados! Quem vive numa fantasia que,

de facto, essa é muito ideológica, para não dizer cegueira, são os partidos da oposição, em particular aqueles

dois que aqui intervieram, o Bloco de Esquerda e o PCP.

Páginas Relacionadas
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 58 44 a maior atenção à fiscalização desse tipo de a
Pág.Página 44
Página 0045:
6 DE MARÇO DE 2015 45 Para apresentar o projeto de lei n.º 771/XII (4.ª), tem a pal
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 58 46 dá milhões, mas que também é propício a proble
Pág.Página 46
Página 0047:
6 DE MARÇO DE 2015 47 Já numa fase posterior, e devidamente notificado, determina-s
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 58 48 meses e não por cinco anos, veem todo o proces
Pág.Página 48
Página 0049:
6 DE MARÇO DE 2015 49 portagens. Mas comecemos, justamente, pelo problema de fundo:
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 58 50 a coisa cai tão no ridículo, mas tão no ridícu
Pág.Página 50
Página 0051:
6 DE MARÇO DE 2015 51 O Sr. Presidente (Miranda Calha): — A Mesa regista ain
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 58 52 Não venham, por favor, falar em beneficiar o i
Pág.Página 52