O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 62

48

Não queria deixar de fazer uma referência, neste debate. Atendendo ao projeto de resolução que foi

apresentado pelo PSD e CDS e atendendo à intervenção que já tivemos oportunidade de ouvir, manifestando

as preocupações em relação a esta matéria, muito me estranha que durante quatro anos de governação não

tenham sido tomadas medidas efetivas por parte deste Governo, considerando que PSD e CDS suportam este

Governo, e que não se tenham reforçado os meios humanos, técnicos e financeiros, nomeadamente no âmbito

do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas, que tem tido muitas dificuldades para implementar as

orientações definidas.

Também podemos falar do financiamento na área da prevenção da doença e da promoção da saúde, que

continua a ser exíguo e muito deficitário. Ora, é na prevenção da doença e na promoção da saúde que há que

investir muito, pelo futuro e pela melhoria da saúde dos portugueses mas também pela garantia de um Serviço

Nacional de Saúde de qualidade e de mais eficácia.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente (Miranda Calha): — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Teresa Caeiro.

A Sr.ª Teresa Caeiro (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Quantos de nós não

acumularam, ao longo da vida, alegre e inconscientemente, demasiadas horas, demasiadas semanas,

demasiados anos até de exposição solar sem qualquer tipo de precauções.

Quantos de nós, aqui, neste Plenário, e também na população portuguesa e mundial, não fomos vítimas

despreocupadas dos chamados «escaldões» e das consequentes peladas. É verdade que só nas últimas

décadas é que a comunidade científica estabeleceu uma associação tão direta como dramática entre a

exposição excessiva ao sol, sem proteção, e o cancro da pele. E, obviamente, não podemos esquecer a

importantíssima componente genética que existe e existirá sempre.

Mas temo ter de afirmar, como aqui já foi dito, que o cancro da pele está a tornar-se um verdadeiro flagelo

mundial.

Estima-se que, em todo o mundo, ocorram anualmente entre 2 a 3 milhões de casos, dos quais cerca de

200 000 são melanomas, melanomas esses que, como saberão, são o tipo de cancro de pele mais grave e

que está na origem de 80% das mortes por este provocadas.

Os números, em Portugal, já foram indicados pelo Sr. Deputado Nuno Reis, mas, só para relembrar,

estima-se que, todos os anos, surjam cerca de 10 000 novos casos de cancro da pele, 900 dos quais

melanomas. E, Sr.as

e Srs. Deputados, quantos destes casos, quantas destas situações são diagnosticadas já

muito tardiamente?!

É por isso que, apesar da crescente consciencialização, a incidência do cancro tem vindo a verificar-se

cada vez com mais frequência em idades mais precoces, calculando-se que metade dos casos de melanoma

ocorram em pessoas com menos de 40 anos de idade.

Consideram, assim, o PSD e o CDS, que o Estado deve encarar o cancro de pele cada vez mais como um

grave problema de saúde pública.

É certo que o acesso a consultas regulares de dermatologia não ocorre tanto quanto desejaríamos e há

muitos poucos dermatologistas especialistas em oncologia. Daí a necessidade de se ter maior atenção na

formação e no recrutamento destes especialistas.

De qualquer forma, podemos contar com uma rede de educadores, professores, enfermeiros,

farmacêuticos e profissionais de medicina geral e familiar para serem elementos fundamentais na

sensibilização da população para este problema do cancro da pele e fornecerem a indispensável aposta na

informação acessível a todos.

É imprescindível a adoção de medidas a nível local, não só no combate efetivo ao cancro da pele, mas

também na sensibilização da população, nomeadamente para os riscos da excessiva e desadequada

exposição solar, com que comecei esta intervenção.

Assim, deve estabelecer-se como absoluta prioridade a sensibilização das populações mais jovens, que

aqui também já foram referidas, que, obviamente, devem ser estimuladas para atividades ao ar livre, desde

que assumam as necessárias precauções e tenham o cuidado de não fazer uma exposição excessiva ao sol.

Páginas Relacionadas
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 62 46 O Sr. Deputado Lino Ramos falou das permanênci
Pág.Página 46
Página 0047:
19 DE MARÇO DE 2015 47 Em terceiro lugar, propomos o reforço da realização de rastr
Pág.Página 47
Página 0049:
19 DE MARÇO DE 2015 49 Muitos dos aspetos específicos e das propostas integradas e
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 62 50 E, como se não bastasse não governar, o Govern
Pág.Página 50
Página 0051:
19 DE MARÇO DE 2015 51 menos as leia e olhe para elas. E lamentamos, como não podia
Pág.Página 51