O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

30 DE MAIO DE 2015

21

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Apresentámos ainda, numa iniciativa inédita na Assembleia da República,

propostas com vista à extinção dos paraísos fiscais e dos chamados offshore, assim como de medidas

imediatas de proibição e controlo de relações comerciais e profissionais com entidades sedeadas em paraísos

fiscais ou jurisdições não cooperantes, propostas essas que aguardam discussão, na especialidade, em sede

de Comissão.

Propusemos também medidas para travar a venda de ativos do BES e do GES, como a Tranquilidade ou a

Espírito Santo Saúde.

Trazemos hoje a este debate mais três iniciativas que visam dois objetivos essenciais: colocar o sistema

financeiro ao serviço do País e garantir que não sejam os portugueses a pagar os buracos dos bancos e os

desmandos dos banqueiros.

Propomos o controlo público da banca, através dos meios que se revelem necessários, assegurando a

colocação do crédito ao serviço da economia e do interesse coletivo, impondo a sua utilização em benefício

dos interesses do grande capital financeiro.

Continuar a atuar apenas sobre a superfície do problema, ou seja, continuar a querer dizer aos

portugueses que podem confiar na banca privada porque agora é que é, agora é que a supervisão vai ser boa

e mais forte, é, além de um embuste, um risco e um luxo ao qual os portugueses não se podem, nem querem,

dar. Viver acima das nossas possibilidades não é ter serviços públicos e direitos, não é ter escolas e hospitais,

é pagar pelas aventuras e crimes dos banqueiros que, desde 2009, já consumiram cerca de 15 mil milhões de

euros de recursos públicos.

Aplausos do PCP.

O que ganham os portugueses com a banca privada? Nada! Mas têm tudo a perder.

O que perdem os portugueses com o controlo público da banca? Nada! Mas têm tudo a ganhar.

Os custos que o Estado assume com intervenções no sistema financeiro — financiamento da supervisão,

despesas fiscais, perda de influência na política de crédito — não são compensados de forma alguma por

algum benefício que possa trazer a banca privada. A banca privada representa, na verdade, um custo brutal

para os portugueses e para a economia, agravado pelo facto de estar constantemente a sofrer perdas geradas

pela gestão verdadeiramente criminosa que muitos banqueiros fazem em seu favor.

Se é verdade que o controlo público da banca, por si só, não determina o papel que os bancos

desempenham, nem as suas opções de gestão, é igualmente verdade que só com esse controlo público se

poderão dar os passos necessários para que os bancos, a banca comercial, esteja de facto ao serviço do povo

e do País.

Aplausos do PCP.

A rutura com a política de direita, a construção de uma política que afirme a soberania nacional, que

assente na valorização de direitos e dos serviços públicos, do trabalho e da produção, implica o controlo

público das alavancas fundamentais da economia. A juntar a essa implicação, acresce o facto de só o controlo

público permitir que sejam criadas as condições para que a banca e o sistema financeiro não dependam do

carácter dos banqueiros, que, como se tem visto, não dá grandes garantias. E enquanto que as opções de

gestão pública e a democracia podem determinar o rumo da banca pública, não se pode decretar a bondade

de um banqueiro.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Muito bem!

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Propomos ainda a imobilização e congelamento de ativos do GES e do BES

para fazer face aos passivos e compromissos que resultem do balanço atual, reconstituindo a configuração do

grupo à data das medidas de blindagem determinadas pelo Banco de Portugal e a reversão das alienações da

Tranquilidade, do BESI e da Espírito Santo Saúde, nomeadamente.

Por fim, propomos a alteração do modelo de auditoria externa, tornando-o misto, ou seja, deixando de estar

exclusivamente nas mãos de empresas privadas de auditoria, que são pagas pelos bancos, prevendo a

Páginas Relacionadas
Página 0005:
30 DE MAIO DE 2015 5 Projeto de lei n.º 962/XII (4.ª) — Reforça as obrigações de su
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 93 6 Em maio do ano passado, Joaquim Goes, administr
Pág.Página 6
Página 0007:
30 DE MAIO DE 2015 7 Propomos alargar a exigência de registo no Banco de Portugal a
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 93 8 Aplausos do BE. A Sr.ª Pre
Pág.Página 8
Página 0009:
30 DE MAIO DE 2015 9 experiência acumulada por esta autoridade na supervisão dos au
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 93 10 nesta matéria e estabelece regras que contribu
Pág.Página 10
Página 0011:
30 DE MAIO DE 2015 11 de auditorias de contas por revisores oficiais de contas. Aqu
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 93 12 Um erro, percebemos, Sr. Presidente, agora, o
Pág.Página 12
Página 0013:
30 DE MAIO DE 2015 13 O Sr. JoãoOliveira (PCP): — Não, Sr. Presidente! O PSD acabou
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 93 14 não, não deveria ser reconduzido, porque houve
Pág.Página 14
Página 0015:
30 DE MAIO DE 2015 15 Aplicam-se as regras da incorporação de ativos em outras soci
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 93 16 A primeira pergunta que gostaríamos de lhe col
Pág.Página 16
Página 0017:
30 DE MAIO DE 2015 17 Agora, não andem permanentemente a «lavar as mãos» das respon
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 93 18 De facto, aquilo que se passou foi uma auditor
Pág.Página 18
Página 0019:
30 DE MAIO DE 2015 19 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Gostaríamos, porve
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 93 20 Essa é uma discussão que merece ser tida, mas
Pág.Página 20
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 93 22 existência de meios próprios do Banco de Portu
Pág.Página 22
Página 0023:
30 DE MAIO DE 2015 23 integrados num sistema financeiro europeu e mundial e é dentr
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 93 24 Agradecia que houvesse um pouco mais de silênc
Pág.Página 24
Página 0025:
30 DE MAIO DE 2015 25 O Sr. João Oliveira (PCP): — Depois têm de recorrer a
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 93 26 década de 80, e temos todos de ter consciência
Pág.Página 26
Página 0027:
30 DE MAIO DE 2015 27 Em segundo lugar, a implementação de medidas restritivas e im
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 93 28 potenciais com este processo. O PSD mudou-lhe
Pág.Página 28
Página 0029:
30 DE MAIO DE 2015 29 Aplausos do PSD e do CDS-PP. Há esta fron
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 93 30 técnicos do Banco de Portugal nas instituições
Pág.Página 30
Página 0031:
30 DE MAIO DE 2015 31 financeira — e já está! Acabam-se os problemas da banca priva
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 93 32 controlo, onde ele for necessário, pode, sim,
Pág.Página 32
Página 0033:
30 DE MAIO DE 2015 33 Pausa. O quadro eletrónico regista 203 presença
Pág.Página 33
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 93 46 Submetido à votação, foi aprovado, com 182 vot
Pág.Página 46
Página 0047:
30 DE MAIO DE 2015 47 Faz tudo parte deste sistema, deste modelo que consideramos q
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 93 48 O Sr. Pedro Nuno Santos (PS): — Entra p
Pág.Página 48
Página 0049:
30 DE MAIO DE 2015 49 novos colapsos bancários como o do BPN ou como o do BES e com
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 93 50 Protestos da Deputada do CDS-PP Cecília
Pág.Página 50
Página 0051:
30 DE MAIO DE 2015 51 O Bloco, neste debate, uma vez mais, provou que gosta de mesc
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 93 52 O Sr. João Galamba (PS): — Sr. Presidente, é p
Pág.Página 52
Página 0053:
30 DE MAIO DE 2015 53 A Sr.ª Vera Rodrigues (CDS-PP): — É inevitável que falemos do
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 93 54 O Sr. Presidente (Miranda Calha): — Tenho, ago
Pág.Página 54
Página 0055:
30 DE MAIO DE 2015 55 O reconhecimento das falhas não nos deve impedir também o rec
Pág.Página 55