O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 93

56

Acresce que a referida incriminação não incide sequer sobre «condutas» (contrariamente ao que o

legislador afirma), ou atos, mas sim sobre estados de coisas ou situações de facto — especialmente no caso

da detenção ou posse de património. Assim, desligadas do apuramento de factos ou comportamentos que

tenham conduzido a esse estado de coisas, parece que tais incriminações possam justificar-se. O direito penal

só se legitima se punir sobre factos ou condutas imputáveis a uma pessoa, e não estados de coisas ou

situações, presumindo aquelas condutas ou comportamentos. Um direito penal que incrimine situações de

facto ou estados de coisas não é um direito penal do facto, e de duas, uma: ou presume o facto, ou prescinde

de todo do comportamento ou conduta a que tem necessariamente de ligar-se a censura jurídico-penal.

Logo por esta razão, tendo a entender que a incriminação do «enriquecimento injustificado», pelo projeto

de lei em causa, não superou também as objeções de incompatibilidade com a presunção de inocência,

constitucionalmente consagrada no artigo 32.º, n.º 2, e resultante já do princípio do Estado de direito: mais do

que apenas a culpa, ela parece presumir logo o próprio ato, conduta ou comportamento que pode ser objeto

de incriminação.

A falta de precisão da incriminação aprovada resulta, aliás, a meu ver, também da inclusão, como elemento

da situação ou estado (e não conduta) objeto de incriminação, da referência a um «património incompatível

com os seus rendimentos e bens declarados ou que devam ser declarados». O legislador não esclarece em

que se traduz tal «incompatibilidade», embora pareça que tem em vista uma «incompatibilidade» quantitativa,

e não apenas qualitativa (relativa à composição do património), como resulta dos n.os

4 e 5 do artigo 335.º-A.

Mas além de o conceito se afigurar sumamenteimpreciso, no n.º 4 do mesmo artigo prevê-se o que são, para

este efeito, «rendimentos e bens declarados, ou que devam ser declarados»: «todos os rendimentos brutos

constantes das declarações apresentadas para efeitos fiscais, ou que delas devessem constar, bem como os

rendimentos e bens objeto de quaisquer declarações ou comunicações exigidas por lei». Parece, assim, estar

em causa a falsidade da referida declaração — o que, porém, transporta a incriminação para a órbita de

crimes fiscais, ou de titulares de cargos políticos (por falsidade na sua declaração de património e

rendimentos), afastados, pois, dos «crimes contra a realização do Estado de direito» em que o legislador os

decidiu inserir.

Ora, na prática, com tal redação do crime em causa, perante determinada(s) declaração(ões) de

rendimentos (efetuadas por qualquer cidadão, por exemplo, para efeitos de imposto sobre o rendimento), a

incriminação poderá bastar-se com a demonstração pelo Ministério Público de que o arguido possui ou detém

um ativo patrimonial, ou realiza despesas (pois também estas são consideradas «património», pese embora a

manifesta incorreção de tal qualificação à luz da noção jurídica de património), incompatíveis pelo seu

montante com a(s) referida(s) declaração(ões) fiscais. Designadamente, não se prevê na lei aprovada, sequer,

a possibilidade de o acusado provar a origem lícita de tal «património», nem se impõe a quem acusa qualquer

referência a essa origem.

Tenho, pois, sérias dúvidas de que o tipo de crime consagrado no texto final aprovado, que assenta numa

mera desconformidade do ativo patrimonial ou de «despesas» com declarações de rendimentos, respeite

também o princípio da necessidade da lei penal, resultante do artigo 18.º da Constituição. Assim configurado o

tipo de crime, o bem jurídico que ele pretende proteger será também, pelo menos para a generalidade dos

cidadãos que podem ser objeto desta incriminação, um bem jurídico fiscal. Mas não parece que para tutelar

um tal bem jurídico seja necessária a previsão de um tipo de crime próprio, de «enriquecimento injustificado»,

e muito menos que esse crime (apesar de punido apenas com prisão até três anos) possa ser ainda

qualificado (como se faz no diploma em causa) como «crime contra a realização do Estado de direito». E, com

este recorte, também não parecem poder justificar-se a inclusão do «enriquecimento injustificado» no conjunto

de crimes que justificam medidas processuais penais excecionais, como «criminalidade altamente

organizada», permitindo ações encobertas, etc., como se faz no projeto aprovado.

No plano da política criminal, e mesmo da política legislativa em geral, entendo — como resulta do que já

se disse — que a incriminação agora aprovada é inconveniente, e que, mesmo para os titulares de cargos

políticos, pode até dificultar a defesa dos bens jurídicos em nome dos quais foi aprovada.

Aliás, como referi na declaração que entreguei com a votação do texto final resultante dos projetos de lei

n.os

4/XII, 11/XII e 72/XII, que criavam o tipo de crime de enriquecimento ilícito, na qual também suscitava

dúvidas de constitucionalidade sobre esses projetos de lei, que vieram a ser objeto de pronúncia no sentido da

inconstitucionalidade, de forma quase unânime, pelo Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 179/2012, «a

Páginas Relacionadas
Página 0005:
30 DE MAIO DE 2015 5 Projeto de lei n.º 962/XII (4.ª) — Reforça as obrigações de su
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 93 6 Em maio do ano passado, Joaquim Goes, administr
Pág.Página 6
Página 0007:
30 DE MAIO DE 2015 7 Propomos alargar a exigência de registo no Banco de Portugal a
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 93 8 Aplausos do BE. A Sr.ª Pre
Pág.Página 8
Página 0009:
30 DE MAIO DE 2015 9 experiência acumulada por esta autoridade na supervisão dos au
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 93 10 nesta matéria e estabelece regras que contribu
Pág.Página 10
Página 0011:
30 DE MAIO DE 2015 11 de auditorias de contas por revisores oficiais de contas. Aqu
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 93 12 Um erro, percebemos, Sr. Presidente, agora, o
Pág.Página 12
Página 0013:
30 DE MAIO DE 2015 13 O Sr. JoãoOliveira (PCP): — Não, Sr. Presidente! O PSD acabou
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 93 14 não, não deveria ser reconduzido, porque houve
Pág.Página 14
Página 0015:
30 DE MAIO DE 2015 15 Aplicam-se as regras da incorporação de ativos em outras soci
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 93 16 A primeira pergunta que gostaríamos de lhe col
Pág.Página 16
Página 0017:
30 DE MAIO DE 2015 17 Agora, não andem permanentemente a «lavar as mãos» das respon
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 93 18 De facto, aquilo que se passou foi uma auditor
Pág.Página 18
Página 0019:
30 DE MAIO DE 2015 19 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Gostaríamos, porve
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 93 20 Essa é uma discussão que merece ser tida, mas
Pág.Página 20
Página 0021:
30 DE MAIO DE 2015 21 O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Apresentámos ainda, numa iniciati
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 93 22 existência de meios próprios do Banco de Portu
Pág.Página 22
Página 0023:
30 DE MAIO DE 2015 23 integrados num sistema financeiro europeu e mundial e é dentr
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 93 24 Agradecia que houvesse um pouco mais de silênc
Pág.Página 24
Página 0025:
30 DE MAIO DE 2015 25 O Sr. João Oliveira (PCP): — Depois têm de recorrer a
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 93 26 década de 80, e temos todos de ter consciência
Pág.Página 26
Página 0027:
30 DE MAIO DE 2015 27 Em segundo lugar, a implementação de medidas restritivas e im
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 93 28 potenciais com este processo. O PSD mudou-lhe
Pág.Página 28
Página 0029:
30 DE MAIO DE 2015 29 Aplausos do PSD e do CDS-PP. Há esta fron
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 93 30 técnicos do Banco de Portugal nas instituições
Pág.Página 30
Página 0031:
30 DE MAIO DE 2015 31 financeira — e já está! Acabam-se os problemas da banca priva
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 93 32 controlo, onde ele for necessário, pode, sim,
Pág.Página 32
Página 0033:
30 DE MAIO DE 2015 33 Pausa. O quadro eletrónico regista 203 presença
Pág.Página 33
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 93 46 Submetido à votação, foi aprovado, com 182 vot
Pág.Página 46
Página 0047:
30 DE MAIO DE 2015 47 Faz tudo parte deste sistema, deste modelo que consideramos q
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 93 48 O Sr. Pedro Nuno Santos (PS): — Entra p
Pág.Página 48
Página 0049:
30 DE MAIO DE 2015 49 novos colapsos bancários como o do BPN ou como o do BES e com
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 93 50 Protestos da Deputada do CDS-PP Cecília
Pág.Página 50
Página 0051:
30 DE MAIO DE 2015 51 O Bloco, neste debate, uma vez mais, provou que gosta de mesc
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 93 52 O Sr. João Galamba (PS): — Sr. Presidente, é p
Pág.Página 52
Página 0053:
30 DE MAIO DE 2015 53 A Sr.ª Vera Rodrigues (CDS-PP): — É inevitável que falemos do
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 93 54 O Sr. Presidente (Miranda Calha): — Tenho, ago
Pág.Página 54
Página 0055:
30 DE MAIO DE 2015 55 O reconhecimento das falhas não nos deve impedir também o rec
Pág.Página 55