O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 101

42

A Sr.ª Catarina Martins (BE): — O terceiro mito é que os gregos querem uma exceção e não pode haver

exceções para a Grécia.

Vamos lá ver isto: é que não tem existido outra coisa senão exceções para a Grécia. Porque a Grécia não

pode estar nos mercados porque não tem acesso ao quantitative easing, ou seja, à liquidez do BCE a que

todos os outros países têm acesso e a Grécia não tem. Como a Grécia também não tem a dívida assegurada

em mercado secundário, como têm todos os outros países e o BCE nega à Grécia.

O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — E porquê?!

A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Mais: o BCE tem 1900 milhões de euros gregos retidos ilegalmente.

Exceções para a Grécia todas, para a afundar. E isso é vergonhoso.

O quarto mito é que há uma intransigência do Syrisa.

O Sr. António Rodrigues (PSD): -- O quarto mito é o Bloco de Esquerda! Esse é que é um mito!

A Sr.ª Catarina Martins (BE): — E vamos lá a esse mito, porque também não é verdade. Têm sido feitas

negociações, e do outro lado é que está a intransigência. É de tal forma que, neste momento, o que divide a

Grécia dos outros países é 0,5% do PIB grego, que corresponde — vejam bem para ver se conseguem ver o

número, de tão pequeno que é! — a 0,01% do PIB europeu. E os senhores, mesmo assim, não cedem. E

sabem por que é que não cedem? Porque os gregos não querem cortar mais pensões que já foram cortadas

em 60%. Vejam lá, que loucura, que irresponsabilidade! Um Governo que já viu pensões cortadas em 60%

quer proteger os pensionistas e, em vez de cortar mais nos pensionistas, quer cortar nos contratos militares! E

os senhores não deixam. Sabem porquê? Porque estão a proteger as grandes empresas alemãs que querem

continuar a sangrar a Grécia e a impor-lhe contratos militares que são escandalosos — e aí é que está o

problema.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Faça favor de terminar, Sr.ª Deputada.

A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Há depois um outro mito — e vou terminar, Sr. Presidente — que é muito

perigoso e que não tem a ver com a Grécia, mas com toda a Europa. Dizem-nos que, aconteça o que

acontecer, estaremos bem.

Não é verdade.

Lembramo-nos quando nos disseram que a crise financeira era só nos Estados Unidos. Só que, depois,

chegou à Europa e 4,5 biliões de euros foram para o sistema financeiro, e estamos na crise em que estamos.

Lembramo-nos quando nos disseram que Portugal não era a Grécia e, um ano depois, Portugal tinha a

troica, como a Grécia também tinha.

Lembramo-nos também de ter ouvido Cavaco Silva dizer agora que Portugal é sólido, com a mesma

convicção com que dizia que o BES era sólido.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Faça favor de terminar, Sr.ª Deputada.

A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Os senhores são irresponsáveis. Estão a atear o fogo sobre a Europa. E,

neste momento, o que é preciso é a sensatez de defender as pessoas de um sistema financeiro que afunda a

Europa.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Faça favor de terminar, Sr.ª Deputada.

A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Termino, Sr. Presidente, dizendo isto: é preciso também a sensatez de

dizer que, quando morre gente no Mediterrâneo, não chegam «lágrimas de crocodilo», é mesmo preciso olhar

para os problemas dos refugiados, abrir a porta e ter uma política, essa sim, decente e de direitos humanos.

Aplausos do BE.

Páginas Relacionadas
Página 0056:
I SÉRIE — NÚMERO 101 56 Passamos agora à votação final global do text
Pág.Página 56
Página 0057:
20 DE JUNHO DE 2015 57 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Sr. Presidente, penso que
Pág.Página 57
Página 0058:
I SÉRIE — NÚMERO 101 58 O Sr. Presidente (Guilherme Silva): —
Pág.Página 58
Página 0059:
20 DE JUNHO DE 2015 59 O Sr. Luís Pita Ameixa (PS): — Sr. Presidente, há um partido
Pág.Página 59
Página 0060:
I SÉRIE — NÚMERO 101 60 que tanto pode ser justa como discriminatória
Pág.Página 60
Página 0061:
20 DE JUNHO DE 2015 61 Ontem, na Comissão, ainda se admitia que os órgãos de comuni
Pág.Página 61
Página 0062:
I SÉRIE — NÚMERO 101 62 propriedade — de igualdade aristotélica. Ou s
Pág.Página 62
Página 0063:
20 DE JUNHO DE 2015 63 Era a seguinte: Artigo 4.º […] <
Pág.Página 63
Página 0064:
I SÉRIE — NÚMERO 101 64 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr. Preside
Pág.Página 64