O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

4 DE JULHO DE 2015

61

oponham contra todas ações que assumam contornos ilegítimos, ilegais e desumanos, perpetradas por grupos

que visem atacar a paz e a ordem internacionais.

A Sr.ª Presidente: — Seguimos para a votação do voto n.º 303/XII (4.ª) — De condenação dos atentados

ocorridos em França, na Tunísia e no Koweit (PCP).

Submetido à votação, foi aprovado, com votos a favor do PS, do PCP, do BE e de Os Verdes e abstenções

do PSD e do CDS-PP.

É o seguinte:

A Assembleia da República condena com veemência os atentados terroristas ocorridos em França, na

Tunísia e no Koweit, que vitimaram várias pessoas, entre as quais uma cidadã portuguesa.

As imagens divulgadas são bem reveladoras da extrema violência e da barbárie empregue e que é

merecedora da mais inequívoca repulsa e condenação.

Estes atentados, perpetrados por grupos terroristas ligados à Al-Qaeda ou do chamado Estado islâmico,

chamam a nossa atenção para as responsabilidades das principais potências ocidentais no financiamento,

armamento e treino desses grupos à luz da estratégia de militarização, subversão, agressão e ingerência

destinada a desestabilizar vários países da região do Médio Oriente e do Norte de África.

O firme combate contra o terrorismo, incluindo o terrorismo de Estado, que se impõe, exige uma profunda

mudança das políticas e não pode legitimar a violação dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos que

tem sido defendida pelo Governo português e pela União Europeia.

A Assembleia da República, reunida em sessão plenária no dia 3 de julho de 2015:

1 — Condena os atentados terroristas ocorridos em França, na Tunísia e no Koweit que vitimaram

centenas de pessoas;

2 — Envia condolências às famílias enlutadas, designadamente à família da cidadã portuguesa vítima do

atentado ocorrido na Tunísia.

O Sr. Paulo Pisco (PS): — Sr.ª Presidente, permite-me o uso da palavra?

A Sr.ª Presidente: — Faça favor, Sr. Deputado.

O Sr. Paulo Pisco (PS): — Sr.ª Presidente, é para informar que, também sobre esta votação,

apresentaremos uma declaração de voto.

A Sr.ª Presidente: — Fica registado, Sr. Deputado.

Votamos, agora, o voto n.º 296/XII (4.ª) — De solidariedade para com o povo grego (PCP).

Srs. Deputados, o PS solicitou a separação da votação dos pontos 1 e 2 deste voto, pelo que, se todos

estiverem de acordo, começamos por votar o ponto 1.

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD e do CDS-PP e votos a favor do PS, do PCP,

do BE e de Os Verdes.

Vamos votar o ponto 2.

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD, do PS e do CDS-PP, votos a favor do PCP,

do BE e de Os Verdes e abstenções dos Deputados do PS Carlos Enes, Elza Pais e Pedro Delgado Alves.

Votamos agora, conjuntamente, os pontos 3 e 4.

Submetidos à votação, foram rejeitados, com votos contra do PSD e do CDS-PP, votos a favor do PCP, do

BE e de Os Verdes e a abstenção do PS.

Páginas Relacionadas
Página 0069:
4 DE JULHO DE 2015 69 Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra d
Pág.Página 69