O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 7

4

Aplausos do PS.

Nós não podemos contemporizar com a ideia de transformar o Parlamento num palco de jogatana política e

politiqueira.

Protestos do PSD e do CDS-PP.

Gostava ainda de dizer ao Sr. Deputado do PSD Sérgio Azevedo que nós, Partido Socialista, não estamos

acorrentados a ninguém,…

Vozes do PSD: — Não estão?!…

O Sr. Carlos César (PS): — … nem ao PCP, nem ao Bloco de Esquerda, nem a Os Verdes. E muito

menos estamos acorrentados a quem, nessa altura, fez muito menos pela liberdade do que fez o Partido

Socialista.

Aplausos do PS.

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Peço a palavra, Sr. Presidente.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado Luís Montenegro, pede a palavra para que efeito?

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Sr. Presidente, é também para uma interpelação à Mesa no seguinte

sentido: o Sr. Deputado Carlos César acabou de dizer uma enormidade que não pode passar em claro. Disse

o Sr. Deputado que, no 25 de Novembro, o comportamento dos respetivos protagonistas foi bem mais

civilizado do que foram as reações absurdas dos Deputados àquilo que ele estava a dizer.

Quero dizer-lhe, Sr. Deputado Carlos César, que repudio em absoluto as suas declarações.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

E por várias razões.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado Luís Montenegro, o Sr. Deputado não está a fazer uma interpelação à

Mesa, mas a dar uma resposta ao Sr. Deputado Carlos César.

Peço-lhe que conclua.

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Se o Sr. Presidente me der a oportunidade, posso explicar por que é

que se trata de uma interpelação à Mesa.

O Sr. Presidente: — Não, Sr. Deputado. Dou-lhe a oportunidade de concluir a sua interpelação à Mesa.

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Sr. Presidente, peço-lhe que me deixe explicar à Mesa por que é que

uso a figura da interpelação. É que era à Mesa que competia dizer isto ao Sr. Deputado Carlos César.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Nos debates parlamentares, Sr. Presidente, há muita emoção. Há, de facto, que respeitar o orador, mas há

também que respeitar os apartes das bancadas. E aqui não há inocentes: em todas as bancadas, quando um

orador está no uso da palavra, há reações, Sr. Deputado Carlos César. E as reações dos Deputados da

bancada do PSD não são diferentes…

O Sr. Presidente: — Peço-lhe que conclua a sua interpelação à Mesa, que não está a ser feita.

Páginas Relacionadas
Página 0021:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 21 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Srs. Deputados,
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 7 22 A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Não fica entre
Pág.Página 22
Página 0023:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 23 É por isso que estas alterações têm de ser revogadas e é
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 7 24 A Sr.ª Elza Pais (PS): — Tudo, tudo fize
Pág.Página 24
Página 0025:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 25 O Sr. Ricardo Baptista Leite (PSD): — Sr. Presidente, Sr.
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 7 26 O Sr. Presidente: — Para pedir esclareci
Pág.Página 26
Página 0027:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 27 todas as taxas moderadoras para outros atos, como sejam a
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 7 28 Aplausos do PS, do BE, do PCP e de Os Verdes. <
Pág.Página 28
Página 0029:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 29 A Sr.ª Paula Santos (PCP): — Mas não ficaram por aqui. PS
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 7 30 É justo que recordemos hoje, neste debate, a lu
Pág.Página 30
Página 0031:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 31 O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 7 32 A Sr.ª Susana Amador (PS): — É essa visão de su
Pág.Página 32
Página 0033:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 33 Um último aspeto, que é central neste debate, é sobre o v
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 7 34 Aplausos do CDS-PP e do PSD.
Pág.Página 34
Página 0035:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 35 estabilidade legislativa desvanece-se e percebemos que o
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 7 36 Na prática, o que ocorre hoje é o pagamento de
Pág.Página 36
Página 0037:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 37 consciência constitui uma violação grave dos direitos ind
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 7 38 As intervenções do PSD e do CDS são reve
Pág.Página 38
Página 0039:
20 DE NOVEMBRO DE 2015 39 A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Termino, Sr. Presidente,
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 7 40 Aplausos do PS e do BE. O Sr. Pres
Pág.Página 40