O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

21 DE NOVEMBRO DE 2015

35

Foi um dos principais responsáveis pela programação do Porto 2001, tendo sido considerado uma das

figuras mais relevantes da Capital Europeia da Cultura e nomeado para Personalidade do Ano.

Foi também Presidente do Instituto da Artes do Ministério da Cultura, Conselheiro Cultural da Embaixada

de Portugal em Roma, e Comissário de um extenso programa de Guimarães 2012. Colaborava, há largos

anos, com a Fundação de Serralves, com a Fundação Gulbenkian e era Presidente da Comissão de Cultura

do Comité Olímpico Português. Era, desde 2013, Vereador da Cultura da Câmara Municipal do Porto, ele que

dizia que seria ministro, quando o Porto fosse uma nação.

Paulo Cunha e Silva era uma pessoa apaixonante e magnética, repleta de genialidade, socialmente

empenhado, onde tudo se conjugava em rede, de forma líquida: cultura, política, cidade, território, mundo.

Viveu os últimos anos a fazer, com felicidade, a feliz cidade. Aos seus amigos e admiradores, associando-

nos à dor dos seus familiares, cumpre-nos mantê-lo vivo. Paulo Cunha e Silva continua a respirar nas suas

ideias e no seu trabalho, porque o futuro nunca morre.

Quando? Agora e sempre.»

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos proceder à votação do voto que acabou de ser lido.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Srs. Deputados, faremos 1 minuto de silêncio após a votação dos restantes votos de pesar.

Segue-se a votação do voto n.º 2/XIII (1.ª) — De pesar pelo falecimento do estadista alemão Helmut

Schmidt (PS).

A Sr.ª Secretária vai proceder à leitura do voto.

A Sr.ª Secretária (Idália Salvador Serrão): — Sr. Presidente e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«A morte de Helmut Schmidt, ocorrida ontem na sua cidade natal de Hamburgo, aos 96 anos, priva-nos de

uma das maiores figuras de estadista e do universo político alemão, europeu e mundial do pós-guerra.

Priva, por igual, o nosso País do político europeu que, porventura, mais contribuiu, de forma altamente

solidária, para a criação e capacitação institucional do nosso Estado de Direito democrático.

Priva a Europa de um dos seus mais persistentes e coerentes construtores. Foi o pai do Sistema Monetário

Europeu e um paladino da solidariedade europeia.

Helmut Schmidt é um filho de Hamburgo, a histórica cidade-Estado que foi constituinte daquilo a que

Konrad Adenauer, um filho de Bona, chamava «a Alemanha boa», aquela que tão inexcedivelmente contribuiu

para o pensamento, as artes, as letras e o comércio, como atividade de relacionamento pacífico da

humanidade e de desenvolvimento das sociedades.

Helmut Schmidt remodelou e reforçou o Estado social alemão, já de si o mais antigo da Europa. Relançou

a economia alemã que, com ele, assumiu vanguarda europeia e mundial.

Helmut Schmidt nunca se negou ao combate político e ideológico pelo que considerava as boas causas.

Combateu o modo como Helmut Kohl reunificou a Alemanha. A História dirá se teve ou não a razão de Estado,

mas, de certeza, que lhe assistiu a razão social. Combateu — aqui, ao lado de Kohl — o modo como Angela

Merkel — aliás, sua admiradora — tem conduzido a sua política europeia.

Além dos seus cinco anos como ministro de Willy Brandt e dos seus oito anos como chanceler da

República Federal da Alemanha, Helmut Schmidt sempre teve um lugar de relevo como jornalista e publicista.

Nas páginas do Die Zeit ou nos congressos do SPD, já numa idade avançada, Schmidt lutou sempre pelo seu

ideal: compatibilizar a solidariedade social e as liberdades públicas e individuais, o que é a matriz, por

excelência, do pensamento e da ação de um «social-democrata», expressão que é a contração germânica de

sozialistische-demokratische, aquilo que ele sempre foi, como harmonia coerente, ao longo de toda a sua vida.

A Assembleia da República Portuguesa expressa as suas condolências à sua família e a todo o povo da

República Federal da Alemanha.»

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos votar.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Páginas Relacionadas
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 8 38 O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP):— Sr. Presidente,
Pág.Página 38