O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 20

32

PSD/CDS. Estávamos em dezembro de 2014, portanto, há mais de um ano. Ou seja, o Governo anterior

varreu o problema do Banif para debaixo do tapete para enganar os portugueses, criando a ilusão da tal

«saída limpa».

Como dizia, percebendo as circunstâncias e a urgência do atual Governo, ainda assim, Os Verdes não

podem alimentar soluções que, infelizmente, começam a fazer escola e que têm por base a ideia de que

enquanto os bancos dão lucro os seus acionistas dividem os lucros entre si, ninguém os ouve e, em silêncio,

repartem o «bolo». Mas, quando os bancos dão prejuízos, o Governo chama os contribuintes para pagar a

fatura da irresponsabilidade dos banqueiros!

Ora, isto é de uma injustiça absolutamente cruel e, tal como fizemos nos casos do BPN e do BES, Os

Verdes não aceitam que tenham de ser os contribuintes a pagar a irresponsabilidade dos outros.

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Muito bem!

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Estando muito por esclarecer e faltando ainda apurar

responsabilidades, Os Verdes acompanham a necessidade da criação de uma comissão parlamentar de

inquérito ao «caso Banif» que, sobretudo, nos permita apurar as responsabilidades e que contribua também

para evitar que a culpa volte a morrer solteira.

Acompanhamos, portanto, essa intenção, mas recusamos voltar a chamar os contribuintes a pagar a

irresponsabilidade dos banqueiros, recusamo-nos a chamar os contribuintes a pagar o fracasso da supervisão,

recusamo-nos a chamar os contribuintes a pagar a passividade da Comissão Europeia e, sobretudo,

recusamo-nos a chamar os contribuintes a pagar a irresponsabilidade do Governo PSD/CDS.

Aplausos de Os Verdes e do PCP.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado João Paulo Correia.

O Sr. João Paulo Correia (PS): — Sr. Presidente, Sr. Primeiro-Ministro e restantes Membros do Governo,

Sr.as

e Srs. Deputados: A intervenção do Sr. Deputado João Almeida decretou a hibernação do CDS e a

ressurreição do Partido Popular. Aliás, a intervenção do Sr. Deputado João Almeida deu-nos a saber que, a

partir de agora, o CDS vai pedir para sair das fotografias das coisas más do anterior Governo!

Aplausos do PS.

Protestos do CDS-PP.

O CDS bem tenta fingir que não fez parte da anterior governação, mas PSD e CDS foram Governo desde

junho de 2011 até há dias.

O «caso Banif» desenrola-se nos últimos três anos, isto é, desde o final de 2012 até há dias. Ora, o «caso

Banif» é da inteira responsabilidade do anterior Governo PSD/CDS.

Vozes do PS: — Muito bem!

O Sr. João Paulo Correia (PS): — Nesse período, o Governo teve toda a informação para intervir

atempadamente no Banif e preferiu não fazê-lo. É que o Banif foi um banco do Estado durante três anos! O

Governo tinha toda a informação para agir e impedir uma derrocada tão pesada para os contribuintes

portugueses.

O vosso Governo, o Governo anterior, apresentou oito planos de reestruturação à Direção-Geral da

Concorrência. Esses oito planos de reestruturação foram todos chumbados e é estranho o facto de o Governo

PSD/CDS, o anterior Governo, não ter ficado alarmado para o chumbo desses oito planos de reestruturação.

Mesmo assim, os senhores não estavam despertos para a situação dramática que se passava no Banif. E

não despertaram quando a Sr.ª Comissária Europeia escreveu à ex-Ministra das Finanças dizendo que o Banif

Páginas Relacionadas
Página 0033:
24 DE DEZEMBRO DE 2015 33 não era viável e que era preciso apresentar uma resposta
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 20 34 Aplausos do CDS-PP. Mas q
Pág.Página 34