O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 29

20

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Sr. Deputado João Pinho de Almeida, para terminar, o PCP também não

entra, nem entrou, no passado, em jogos de passa-culpas.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Por isso é que falei de Honório Novo!

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Não dizemos que a culpa é deste, é daquele ou daqueloutro! Não é essa a

nossa perspetiva. Mas uma coisa é certa, Sr. Deputado: também já estamos fartos de não haver culpas de

ninguém.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — E tudo faremos para que a responsabilidade política — termo mais

adequado do que culpa — seja apurada.

E, no nosso entendimento, a responsabilidade política é muito clara: é das políticas de direita, da

submissão às orientações da Comissão Europeia e da subordinação ao funcionamento de um sistema

financeiro que está nas mãos de privados, que está cativo dos interesses privados e que, por essa via,

também captura os interesses do Estado.

Aplausos do PCP e do BE.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Duarte Pacheco.

O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Ao terminarmos este debate, acho

que ficaram claras duas mensagens aos portugueses. A primeira é: perante uma proposta para que o

Parlamento realize uma auditoria externa, independente,…

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Independente de quem?!

O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — … inclusive à atuação do supervisor e que, por isso, não pode estar sob a

alçada do Banco de Portugal, os partidos que suportam o Governo dizem: «Nem pensar»!

E isso significa algo! Há partidos que dizem: «Nós não temos nada a esconder, queremos que, ao lado da

avaliação política, haja uma avaliação técnica de tudo o que aconteceu». Mas há atores políticos que querem

que essa discussão só ocorra no espaço político.

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Não é verdade! Eu reagi a isso, Sr. Deputado!

O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — De quem têm medo? O que é que estão a querer esconder? Quem

querem salvaguardar?

Isso é algo a que os senhores deviam responder!

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Segunda mensagem: vamos avançar com uma comissão de inquérito.

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — O Sr. Deputado sabe que o Banco de Portugal tem auditorias externas todos

os anos!

O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — Srs. Deputados, começamos mal na comissão de inquérito quando há

Deputados que dizem que está tudo muito claro, como disse o Sr. Deputado Carlos Pereira, e que por isso

mesmo estão já a retirar as conclusões antes de a comissão começar.

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Não é verdade! Não foi dito assim!

Páginas Relacionadas
Página 0021:
23 DE JANEIRO DE 2016 21 O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — No mínimo, para prest
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 29 22 Queria também saudar as viúvas destes trabalha
Pág.Página 22
Página 0023:
23 DE JANEIRO DE 2016 23 Sr.as e Srs. Deputados, os ex-trabalhadores das min
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 29 24 É verdade. O problema dos ex-trabalhadores da
Pág.Página 24
Página 0025:
23 DE JANEIRO DE 2016 25 Tenho de cumprimentar estes trabalhadores pela resiliência
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 29 26 Em 2002, é efetuado o estudo MinUrar, sobre o
Pág.Página 26
Página 0027:
23 DE JANEIRO DE 2016 27 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Nuno Magalhães (CD
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 29 28 O Sr. Presidente: — Ainda para uma intervenção
Pág.Página 28