O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 43

44

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais: — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Podemos

começar por esta questão, que tem sido muito falada, das normas interpretativas. É pena que não tenham

começado pela primeira norma interpretativa que aparece neste Orçamento, a propósito do Código do IRS. E

porquê? Porque, talvez por gralha, a revisão anterior do Código do IRS deixou cinco remissões erradas para o

mesmo decreto-lei.

A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — Exato!

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais: — Bom, uma vez que estávamos, talvez, em altura de

corrigir gralhas, estamos a corrigir algumas de um Orçamento já com um ano.

Aplausos do PS.

Sr.ª Deputada, como é evidente, esta norma tem de ter caráter interpretativo, porque, se não, alguém dirá:

«Bom, mas, então, agora, está a remeter para um decreto-lei; será que, antes, remetia para outro, o errado?!».

Todas as normas interpretativas que aqui estão resultam em clarificações da lei que correspondem à

interpretação que atualmente é feita pela administração fiscal.

Repito o que disse no debate na generalidade, e faço-o com o à vontade de quem não teve

responsabilidade nos últimos quatro anos pela interpretação que foi dada às normas pela administração fiscal,

responsabilidade que estava, aliás, do lado direito do Plenário.

Acho um pouco estranho que, depois de terem tutelado uma administração fiscal que aplicou as normas

neste sentido, criando, por vezes, o tal conflito com os contribuintes, que a interpretavam em sentido diferente,

venham agora o CDS e o PSD chamar «retroativas» a estas clarificações que visam simplesmente esclarecer

que a interpretação que já se fazia é aquela que se continuará a fazer. Só isso!

Aplausos do PS.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Escusavam de ouvir isto!

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais: — Já agora, por falar em interpretação, Sr.ª

Deputada, não reinterprete o que está aqui a ser feito em termos de suprimentos. Não se está a acabar com a

isenção dos suprimentos aos sócios. O que é que se está a fazer? A anterior legislação previa mais uma

operação fácil de planeamento fiscal, que era simplesmente esta: alguém, na véspera de fazer um

empréstimo, adquiria 0,001% de uma empresa e tornava-se, por isso, sócio; fazia o empréstimo, que se

passava a chamar suprimento em vez de empréstimo — aqui está como se escapava ao imposto do selo.

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Disso não querem saber, não é?!

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais: — Era um mecanismo inscrito na lei que permitia este

abuso por parte das empresas!

Os verdadeiros suprimentos, como é evidente, continuam a estar isentos de imposto do selo, mas acaba-se

com a isenção que é, basicamente, aproveitada por falsos suprimentos em operações de planeamento fiscal.

Aplausos do PS, do BE e do PCP.

Finalmente, devo dizer, Sr.ª Deputada e Srs. Deputados, que, quando falamos na necessidade de

reorientar a distribuição da carga fiscal e usar inteligentemente o sistema fiscal no sentido de dar incentivos

certos aos agentes económicos, temos, nas alterações ao imposto do selo, uma dessas oportunidades. É que

há, como tem sido várias vezes frisado, uma enorme diferença entre dois tipos de comportamento do

consumo: a recuperação do consumo que assenta em recuperação de rendimentos e a recuperação do

consumo que assenta em endividamento das famílias. E este Orçamento dá os dois sinais corretos, ou seja,

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 43 4 nulos. Nos termos legais aplicáveis e face ao r
Pág.Página 4
Página 0005:
15 DE MARÇO DE 2016 5 Portanto, trata-se de uma prática corrente, não é nada de nov
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 43 6 O que propomos é que esses trabalhadores tenham
Pág.Página 6
Página 0007:
15 DE MARÇO DE 2016 7 Em sede de debate na especialidade do Orçamento do Estado dis
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 43 8 O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — …«às pe
Pág.Página 8
Página 0009:
15 DE MARÇO DE 2016 9 O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavr
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 43 10 Ora, o CDS-PP não pode vir a este debate, nem
Pág.Página 10
Página 0011:
15 DE MARÇO DE 2016 11 O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Não há propostas par
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 43 12 Relativamente às propostas avocadas hoje pelo
Pág.Página 12
Página 0013:
15 DE MARÇO DE 2016 13 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Qual foi a proposta q
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 43 14 O Sr. Adão Silva (PSD): — Onde estão o
Pág.Página 14
Página 0015:
15 DE MARÇO DE 2016 15 Nos últimos quatro anos, perderam a prestação de complemento
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 43 16 Aplausos do PCP. Sr. Presidente,
Pág.Página 16
Página 0017:
15 DE MARÇO DE 2016 17 Por isso fica a pergunta a toda a esquerda parlamentar e por
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 43 18 O Sr. Presidente: — Portanto, iremos vo
Pág.Página 18
Página 0019:
15 DE MARÇO DE 2016 19 2 — O disposto no número anterior é ainda aplicável aos acor
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 43 20 Passamos à votação conjunta dos n.os
Pág.Página 20
Página 0021:
15 DE MARÇO DE 2016 21 Passamos ao artigo 53.º — Participação variável no imposto s
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 43 22 É o seguinte: Artigo 69.º-B
Pág.Página 22
Página 0023:
15 DE MARÇO DE 2016 23 1 — O valor de referência do complemento é de € 5059/ano, se
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 43 24 10 — A prestação social prevista no presente a
Pág.Página 24
Página 0025:
15 DE MARÇO DE 2016 25 O que hoje propomos e defendemos é a sua reposição nas exata
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 43 26 Aplausos do PS. O Sr. Pre
Pág.Página 26
Página 0027:
15 DE MARÇO DE 2016 27 A Sr.ª Luísa Salgueiro (PS): — Sr. Presidente, Sr.as
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 43 28 O Sr. Álvaro Batista (PSD): — Sr. Presi
Pág.Página 28
Página 0029:
15 DE MARÇO DE 2016 29 beneficiar muitos portugueses, que têm tal direito desde 201
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 43 30 Em primeiro lugar, queremos a simplificação de
Pág.Página 30
Página 0031:
15 DE MARÇO DE 2016 31 contribuição se reporte ao rendimento realmente auferido, um
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 43 32 muito para os pais, representa muito para os a
Pág.Página 32
Página 0033:
15 DE MARÇO DE 2016 33 O Sr. Presidente: — Vamos entrar no Capítulo XI — Imp
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 43 34 Esta medida do fim da substituição do q
Pág.Página 34
Página 0035:
15 DE MARÇO DE 2016 35 O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Exatamente! <
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 43 36 Em primeiro lugar, o quociente familiar não co
Pág.Página 36
Página 0037:
15 DE MARÇO DE 2016 37 civil, é a chamada política de proximidade, política de comp
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 43 38 O Sr. Presidente: — Tem a palavra a Sr.
Pág.Página 38
Página 0039:
15 DE MARÇO DE 2016 39 Dizer, aqui, nesta Câmara, que a descida do IRC é só para as
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 43 40 Estas medidas são necessárias, justas e exequí
Pág.Página 40
Página 0041:
15 DE MARÇO DE 2016 41 Propomos também a revogação da taxa mínima na criação de ani
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 43 42 daquilo que vem dos senhores, mas é que, às ve
Pág.Página 42
Página 0043:
15 DE MARÇO DE 2016 43 ao consumo em torno de bens importados. É uma medida orçamen
Pág.Página 43
Página 0045:
15 DE MARÇO DE 2016 45 permite a recuperação do rendimento e penaliza fiscalmente a
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 43 46 diziam que era um pilar essencial de uma estra
Pág.Página 46
Página 0047:
15 DE MARÇO DE 2016 47 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Para uma intervenção, tem
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 43 48 O Sr. João Galamba (PS): — Responda à pergunta
Pág.Página 48
Página 0049:
15 DE MARÇO DE 2016 49 Está em apreciação o artigo 141.º — Alteração ao Código do I
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 43 50 incorporada na proposta de Orçamento do Estado
Pág.Página 50
Página 0051:
15 DE MARÇO DE 2016 51 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Para uma intervençã
Pág.Página 51