O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

3 DE JUNHO DE 2016

25

aquilo que têm repetidamente dito, que estamos no caminho da bancarrota. Não queremos a bancarrota e por

isso digam lá como é que encaixam na despesa estas vossas propostas.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Para responder, tem a palavra a Sr.ª Deputada Maria das Mercês Soares, do Grupo

Parlamentar do PSD.

A Sr.ª Maria das Mercês Soares (PSD): — Sr. Presidente, agradeço a não-pergunta que me foi colocada

pela Sr.ª Deputada, mas permita-me que lhe diga que nós temos tido sempre preocupação com as pessoas

idosas. Tivemo-la no passado, trabalhámos nesse sentido e, aliás, citei muitas das nossas iniciativas. Quem é

bem-vindo ao debate é o PS, porque, lamentavelmente, se verifica que não trouxe sequer uma única ideia.

Quanto aos projetos, não vou responder-lhe, porque não somos os seus autores.

Vozes do PSD: — Muito bem!

A Sr.ª Maria das Mercês Soares (PSD): — No passado, a marca do Governo do PS foi a do congelamento

das pensões mínimas sociais e rurais. No presente, a marca que têm é a da desativação da linha Saúde 24

Sénior.

Está tudo dito quanto ao vosso apoio aos idosos! Está tudo dito! Não há mais nada a dizer! É apenas diálogo,

conversa, promessas vãs! É a isso que os senhores chamam «palavra dada, palavra honrada», uma mão-cheia

de nada!

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado António Filipe, do Grupo

Parlamentar do PCP.

O Sr. António Filipe (PCP) — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Há pouco, a Sr.ª Deputada Isabel

Galriça Neto acusava o PCP de considerar uma farsa discutir projetos sobre idosos. Sr.ª Deputada, entendamo-

nos: não é uma farsa discutir projetos sobre idosos, o que é uma farsa é ser o CDS a apresentá-los, depois do

que andou a fazer durante quatro anos no Governo,…

Aplausos do PCP.

… e com um discurso de desculpabilização. Ou seja, o CDS, confrontado com o que fez enquanto esteve no

Governo, vem dizer: «Mas a culpa não foi nossa, nós fomos obrigados».

Srs. Deputados, o mínimo que se exige a quem esteve no Governo é que assuma as suas

responsabilidades…

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — E a quem está também!

O Sr. António Filipe (PCP) — … e que não venha desculpar-se relativamente àquilo que fez, porque

ninguém vos obrigou. Ninguém vos obrigou a tomar as medidas que tomaram quando estiveram no Governo.

Os portugueses é que, infelizmente, foram obrigados a suportar as vossas medidas e a ter de lutar contra elas,

o que, aliás, fizeram com grande sucesso, tendo em conta os resultados do passado dia 4 de outubro, que vos

afastaram da governação.

A Sr.ª Assunção Cristas (CDS-PP): — Com que dinheiro é que pagaria as pensões? Com o seu, Sr.

Deputado?

Páginas Relacionadas
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 75 36 «Secretário Regional da Economia e da Cooperaç
Pág.Página 36