O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

11 DE JUNHO DE 2016

9

perdeu cerca de 1000 trabalhadores. Pergunto que descaramento é este, ao proporem este aumento de

ordenados dos administradores, ainda por cima quando se está a preparar uma intervenção pública.

Sr.as e Srs. Deputados, este projeto de resolução é um contributo sério e responsável que o PSD traz a este

Parlamento, na esperança de que possamos consensualizar um conjunto de medidas fortes e exigentes.

A gravidade e seriedade destas questões exigem uma postura responsável e construtiva, capaz de gerar

soluções que transmitam segurança aos agentes económicos e que, simultaneamente, contribuam para a justiça

e para a coesão da nossa comunidade nacional.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — A Mesa não interrompeu o Sr. Deputado porque entendemos

que os 2 minutos que usou a mais seriam descontados no tempo global do PSD.

Para responder, tem a palavra a Sr.ª Deputada Mariana Mortágua.

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Sr. Presidente, Sr. Deputado, o histórico do PSD, nestas matérias, é uma

legislação de IRC que facilitou o planeamento fiscal de multinacionais, são relatórios europeus que o dizem; é

uma amnistia fiscal que permitiu a Ricardo Salgado repatriar grande parte de dinheiro que recebeu ilegalmente

fora do País;…

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — A Caixa?! Fale na Caixa!

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — … é a não transposição de diretivas, que agora vêm recomendar que

sejam transpostas mas que o podiam ter sido quando os senhores estavam no Governo e não foram. A história

do PSD nesta matéria é o abuso do offshore da Madeira ao longo das últimas décadas.

Vozes do PSD: — E a Caixa?!

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — E não só do offshore, não só do offshore, mas é o abuso do offshore da

Madeira das últimas décadas.

Na altura da comissão de inquérito ao BES, defendi — defendemos ainda há meses aqui, na Assembleia da

República, e continuamos a defender cada vez que discutirmos a banca — …

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Está a esquecer-se da Caixa!

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — … que o controlo público da banca é a melhor condição do controlo

democrático sobre os bancos.

Aplausos do BE.

A maior prova disso, Srs. Deputados, é que quando se mexe na administração da Caixa, ou é alguma coisa

relacionada com a Caixa, há debate democrático na Assembleia da República e quando os bancos privados

fazem o que bem entendem para depois serem salvos com dinheiro público, o debate acontece na comissão de

inquérito, com o dinheiro dos contribuintes que já serviu para salvar os desmandos dos banqueiros privados…

Vozes do PSD: — Ora!

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — … que os senhores tanto admiram e protegem!

O Sr. Deputado Carlos Santos Silva esteve desatento e, na ânsia de encontrar uma contradição, ou, de

alguma forma, encontrar um embaraço, que não vai conseguir provocar, não leu as declarações em que o Bloco

de Esquerda se opõe ao aumento de salários na Caixa Geral de Depósitos, nem sequer leu o projeto de lei que

o Bloco fez para limitar os salários das administrações públicas, inclusive da administração da Caixa Geral de

Depósitos.

Páginas Relacionadas
Página 0005:
11 DE JUNHO DE 2016 5 efeitos tributários, assegurando que os seus rendimentos são
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 77 6 de prestígio e respeitabilidade, apesar de, num
Pág.Página 6
Página 0007:
11 DE JUNHO DE 2016 7 negra e que servem para abarcar práticas de corrupção e de la
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 77 8 sociedades democráticas e as regras que estas l
Pág.Página 8
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 77 10 O Sr. Hugo Lopes Soares (PSD): — Não é
Pág.Página 10
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 77 32 O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Sr. Pr
Pág.Página 32
Página 0033:
11 DE JUNHO DE 2016 33 O CDS incomoda-se que se fale de Horta e Costa, incomoda-se
Pág.Página 33