O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 79

48

locais onde não havia manifestamente necessidade. E a racionalidade destas medidas foi, mais uma vez,

concentrar riqueza, transferir rendimentos de quem trabalha para que não o faz, desmantelar o Estado e os

serviços públicos.

A evidência desta maquilhagem salta à vista com as recentes notícias que vieram a público, como o desvio

de verbas da ADSE para pagar despesas do Estado, dinheiro que resulta dos descontos nos salários dos

funcionários, que é deles, para pagar despesas que nada têm a ver com o fim para que os funcionários

descontam.

Aplausos do BE.

A Sr.ª Presidente (Teresa Caeiro): — Tem a palavra o Sr. Deputado Cristóvão Crespo, para uma intervenção,

em nome do PSD.

O Sr. Cristóvão Crespo (PSD): — Sr.ª Presidente, Srs. Secretários de Estado, Sr.as e Srs. Deputados: Sr.

Secretário de Estado, respeitamos o juízo do Tribunal de Contas em relação à Conta, mas queremos um juízo

político aqui, na Assembleia.

Eu estava na expectativa de ver qual era o Ministro das Finanças que teríamos hoje, aqui, a pronunciar-se

sobre a Conta Geral do Estado, e, afinal, não temos o Sr. Ministro, temos o Sr. Secretário de Estado.

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares (Pedro Nuno Santos): — E…!

O Sr. Cristóvão Crespo (PSD): — Isto porque, se fosse o Sr. Ministro, teríamos duas hipóteses: ou teríamos

o Sr. Ministro, no estrangeiro, a pedir tempo para que as reformas dos últimos anos se materializassem, ou

teríamos o Sr. Ministro, que está disponível para ficar na sombra do Primeiro-Ministro e da coligação socialista,

bloquista e comunista, a assistir à destruição dessas mesmas reformas. Resta saber qual é a opção que tomam.

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares: — Escolha o senhor!

O Sr. Cristóvão Crespo (PSD): — Ou seja, se, definitivamente, o Ministério das Finanças assiste ao discurso

otimista do Sr. Primeiro-Ministro — irritantemente otimista — ou se daqui a pouco, mais à frente, se as coisas

correrem mal, temos o discurso da desculpabilização tardia.

O Sr. João Paulo Correia (PS): — Fale da Conta de 2014! Está a esgotar o tempo e não diz nada!…

O Sr. Cristóvão Crespo (PSD): — Na audição na Comissão, o Sr. Ministro foi contraditório.

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares: — Qual deles?

O Sr. Cristóvão Crespo (PSD): — Por um lado, reconheceu, citando a expressão do Sr. Ministro, que «a

economia entrou em recuperação», mas, por outro, afirmou que não foi de acordo com aquilo que o Governo

tinha previsto.

Sr. Secretário de Estado, Srs. Deputados: Falar da Conta Geral do Estado de 2014, e também da de 2015,

na sequência lógica, é falar de resultados.

Protestos do PS.

Vozes do PCP: — Fale dos cortes das pensões que os senhores queriam fazer!

O Sr. Cristóvão Crespo (PSD): — Já lá vamos, Srs. Deputados! Falar da Conta é falar de resultados e de

resultados positivos,…

Vozes do PSD: — Muito bem!

Páginas Relacionadas
Página 0051:
17 DE JUNHO DE 2016 51 O Sr. Paulo Trigo Pereira (PS): — Sobre a segurança s
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 79 52 Por outro lado, a produção pecuária é o maior
Pág.Página 52
Página 0053:
17 DE JUNHO DE 2016 53 A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sr.ª Presidente, Sr.a
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 79 54 Sr.ª Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: O aum
Pág.Página 54
Página 0055:
17 DE JUNHO DE 2016 55 é absolutamente evidente. Não vejo que isso já esteja estima
Pág.Página 55
Página 0056:
I SÉRIE — NÚMERO 79 56 Há muitos bons exemplos de refeições voluntári
Pág.Página 56
Página 0057:
17 DE JUNHO DE 2016 57 A alimentação tem uma relação estreita com a saúde humana e
Pág.Página 57
Página 0058:
I SÉRIE — NÚMERO 79 58 um prato, uma ementa para oferecer. Acho que i
Pág.Página 58