O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 8

38

Protestos do PSD e do CDS-PP.

Portanto, fazem esse discurso duplo de dizer que estão contra as sanções, mas, ao mesmo tempo, torcem

para que elas sejam aplicadas a Portugal.

Aplausos do PCP.

Mas fazem também outro jogo duplo. Fazem o jogo de quem protesta contra as sanções, mas, ao mesmo

tempo, está a favor do quadro que permite que Portugal seja sancionado, seja sujeito a estas operações de

chantagem e de pressão para impedir medidas que são positivas para os trabalhadores e o para povo português.

A Sr.ª Assunção Cristas (CDS-PP): — Tenha vergonha, Sr. Deputado!

O Sr. Miguel Morgado (PSD): — Não acusa o PS porquê?

O Sr. João Oliveira (PCP): — Os Srs. Deputados, quer do PSD, quer do CDS, têm, de uma vez por todas,

de ser desmascarados.

Protestos do PSD e do CDS-PP.

Percebemos o incómodo que têm com a proposta que o PCP aqui traz. É porque a proposta confronta-vos

com essas contradições, obriga-vos a serem desmascarados desse jogo duplo que têm feito contra os interesses

do País, contra os interesses dos trabalhadores e do povo português.

Sabemos, Sr. Deputado Miguel Morgado, e não temos ilusão, que o posicionamento do PCP é coerente,…

O Sr. Miguel Morgado (PSD): — Não é!

O Sr. João Oliveira (PCP): — … é um posicionamento que coloca as questões de fundo no ponto em que

elas devem ser colocadas.

Sabemos também que na Assembleia da República, ao longo de anos, e não foi só o PSD e o CDS, mas

também o PS, em muitas circunstâncias, e nas questões que são decisivas relativamente à construção europeia,

não têm acompanhado o posicionamento do PCP.

O Sr. Duarte Filipe Marques (PSD): — Felizmente!

O Sr. João Oliveira (PCP): — Não temos ilusões em relação a isso. Sobre algumas das matérias que aqui

trazemos, continuaremos a bater-nos por elas sozinhos até ao momento em que os portugueses percebam que,

de facto, o caminho não pode ser aquele que tem sido seguido e que devem dar apoio às propostas que o PCP

faz.

Protestos do PSD e do CDS-PP.

O Sr. Presidente: — Já ultrapassou o seu tempo, Sr. Deputado.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Concluo, Sr. Presidente.

De uma coisa os senhores não se livram, que é a de, hoje, serem confrontados com as vossas contradições

e de, uma vez mais, se colocarem contra o interesse nacional, contra o interesse dos trabalhadores e do povo

português.

Aplausos do PCP.

Páginas Relacionadas
Página 0035:
1 DE OUTUBRO DE 2016 35 Submetido à votação, foi aprovado, com votos a favor do PSD
Pág.Página 35